© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

1382: Maria I, rainha da Hungria e da Polónia

 

Tamerlão

 

 1378 1379 1380 1381 1382  1383 1384 1385 1386 1387 1388 1389 1390

 

 

  Século XIII  Linha do Tempo    Século XV

Mongóis de Tamerlão* saqueiam Moscovo.

Batalha de Rosebecque, entre franceses e flamengos. 
Carlos VI, le Fou, rei de França (1380-1422)

 

Filipe o Atrevido, duque da Borgonha (1363-1404)

 

Carlos III, o Mau, rei de Navarra (1349-1387)

Ricardo II, rei de Inglaterra (1377-1399)

Murad I, sultão otomano (1359-1389)

 

Urbano VI (de 8 de Abril de 1378 a 2 de Novembro de 1389). Papa em Roma.

Clemente VII (1378-1394).Papa em Avinhão

Venceslau III (1378-1410). O terceiro Luxemburgo no trono imperial

Joana I, rainha de Nápoles (1343-1382). Luís I de Anjou, rei de Nápoles e conde da Provença (1382-1384).

Carlos III de Durazzo, ou Duras, rei de Nápoles (1382-1386), Rei da Hungria (bisneto de Carlos II).

Luís I, o Grande, de Anjou, rei da Hungria (1342-1382). Luís I, o Grande, de Anjou, rei da Hungria (1342-1382), é eleito rei da Polónia (1370-1382).

Luís I de Anjou, rei de Nápoles e conde da Provença (1382-1384).

João V, imperador do Oriente (1379-1391)

Maria I assume-se rainha da Hungria e da Polónia  (1382-1385, 1386-1395). Casa com o Imperador Segismundo.

Dmitri Donskoi, grão-duque de Moscovo (1350-1389)

Mongóis de Tamerlão* saqueiam Moscovo.

Batalha de Rosebecque, entre franceses e flamengos. Derrota destes. 25 000 mortos.

Revolta de Filipe van Artevelde na Flandres, contra o duque da Borgonha (Maio).

A morte de Joana I de Nápoles, sem herdeiros directos, provoca uma disputa pela coroa da Sicília entre a família Durazzo e a casa de Anjou-Valois.

Luís I de Anjou, rei de Nápoles e conde da Provença (1382-1384). O segundo filho de João II, o Bom. Regente de França durante a menoridade do sobrinho Carlos VI. Adoptado por Joana de Nápoles em 29 de Junho de 1380.

Carlos III de Durazzo, ou Duras, rei de Nápoles (1382-1386), Rei da Hungria (bisneto de Carlos II). Volta-se contra o seu antigo apoiante, o papa Urbano VI, e prende-o.

Ruína do regime democrático de Florença.

 

Morte de Luís I, o Grande, rei da Hungria e da Polónia. Deixa duas filhas: Maria e Hedwige ou Jadwiga. A primeira, como Maria I assume-se rainha da Hungria e da Polónia  (1382-1385, 1386-1395). Casa com o Imperador Segismundo. Será mãe de Isabel, casada com Alberto II.

A outra, Hedwige, levará Ladislau II, Jagelão, grão-duque da Lituânia, a rei da Polónia, depois de com ele se casar em 1386.  

 

 Reinado de D. Fernando I

Os ingleses e o mestre de Avis esperam batalha que não acontece, em Arronches. Então, decidem atacar Lobón.

Cerco a Lisboa, de Março a Agosto. Sanchez de Tovar bloqueia a barra com 80 embarcações da Biscaia. Castelhanos incendeiam Xabregas, Almada, Coina e Palmela.

Rei nomeia fronteiro de Lisboa o prior do Hospital, Pedro Álvares Pereira.

Prisão do Mestre de Aviz no castelo de Évora (Julho).

Tratado de Paz  de Elvas entre D. Fernando e João I de Castela (10 de Agosto).

Casamento de Dona Beatriz com Fernando de Antequera, filho do rei de Castela, João I, anulando-se o anterior contrato com Eduardo, filho do conde de Cambridge

Restituição a Portugal das vilas de Almeida, Miranda e outras (10 de Agosto).

Negociado em segredo, sem conhecimento dos ingleses, que o consideram uma traição.

D. Fernando volta a obedecer ao papa de Avinhão. O mediador é o cardeal Pedro Luna, partidário de Clemente VII. 

Wyclif é expulso de Oxford  

 

 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009