© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

1400: Queda do império mali

 

Roberto I

 

1399 1400    1401 1402 1403 1404 1405 1406 1407 1408 1409 1410

 

 

Século XIV  Linha do Tempo    Século XVI

 Carlos VI, le Fou, rei de França (1380-1422)

 

Filipe o Atrevido, duque da Borgonha (1363-1404)

Henrique IV, rei de Inglaterra (1399-1413)

Eurico XIII da Pomerânia, VII da Dinamarca, tendo como regente a rianha Margarida (1397-1412)

Stefan Lazarevic (1389-1427) da Sérvia

Bayezid I ou Bajazeto I (1389-1402)

Imperador Jianwen ou Kien-Wen na China (1398-1402)

 
Papa Bonifácio IX  (1389-1404). Papa em Roma.

Venceslau III (1378-1410). O terceiro Luxemburgo no trono imperial

Luís I ou Ladislau, rei de Nápoles (1386-1414)

Martinho I, rei de Aragão (1396-1410)

Maria da Sicília (1377-1401), rainha de Aragão e da Sicília 

Gian Galleazo Visconti, duque de Milão (1385-1402)

Manuel II, Paleológo, imperador do Oriente (1391-1425).

Grande declínio demográfico. A população da Europa fica reduzida a um terço da existente em 1300.  

Henrique IV vence tropas de Ricardo II em Cirencester. O anterior rei é assassinado em Pontefract Castle (14 de Fevereiro). Mas Owen Glendower proclama-se Prince of Wales e começa rebelião contra a Coroa.

Deposição do imperador Venceslau e eleição de Roberto de Wittelsbach, como Roberto I, da Baviera, rei dos Romanos, até 1410*.

J. G. Visconti conquista Perúgia, Assis e Spoleto.

Castelhos assaltam, destruindo, a praça de Tetuão, a sul de Ceuta.

Queda do império Mali, com a capital destruída pelos Songai. 

 Reinado de D. João I

Cortes de Coimbra (Junho)

Tratado de tréguas de Segóvia, por 10 anos, entre D. João I e Henrique III de Castela, em que se restituem reciprocamente os lugares tomados durante a guerra (28 de Setembro). 
Aparece o ferro fundido e o mecanismo biela-manivela.

Vasco Fernandes Lucena compõe para D. Afonso V o Tratado das Virtudes Pertencentes a um Príncipe. O autor, doutor em direito civil e canónico, foi cronista-mor, onde sucedeu a Azurara, diplomata e orador nas Côrtes, nomeadamente de Évora, de 1485, tendo traduzido o De Senectute de Cícero, o De Regimine Principum de Egídio Romano, a Oratio de Plínio e a Instrução para príncipes de Paulo Vergério.  
 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009