© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

 

1508: Maximiliano I

 

 

1500 1501 1502 1503 1504 1505 1506 1507 1508   1509 1510

 

Século XV Linha do Tempo Século XVII

 

 

Luís XII, Valois, rei de França (1498-1515)

 

Henrique VII, Tudor, rei de Inglaterra (1485-1509)

 

Fernando V de Castela (II de Aragão) (regente em nome da filha: 1504-1505; em nome do neto Carlos: 1506-1516)

 

Maximiliano I Habsburgo (1486-1519)

 

Segismundo ou Zygmunt I, o Velho, Jagelão, rei da Polónia (1506-1548)

 

Bayezid II  (1481-1512)

 
Papa Julio II (1503-1513)

Maximiliano I, imperador-eleito (1508-1519)

Fernando III (1504-1516), Rei das Duas Sicílias.

Maximiliano I, imperador-eleito (1508-1519)*.

Maquiavel, em nome de Florença, negoceia em Mântua com o imperador Maximiliano I.

Formação da Liga de Cambrai  contra Veneza (10 de Dezembro). Inspirada pelo papa Júlio II, com o imperador Maximiliano I, Luís XII, rei de França, Fernando de Aragão e os duques de Ferrara e Mântua.

Juan Ponce de Léon chega a Porto Rico (12 de Agosto).

Persas de Ismail I conquistam Bagdad (21 de Outubro).

 
Reinado de D.Manuel

Construção do Hospital de S. Marcos em Braga.

Criada a cidade do Funchal.

Cerco mouro a Arzila.

Construído o castelo de Safim.

Duarte Pacheco Pereira é encarregado da captura do pirata francês Mondragon.

 

D. Lourenço de Almeida morrem em combate, contra a esquadra do sultão.

Diogo Lopes Sequeira é mandado descobrir Malaca e perguntar pelos chins.

Começam ataques dos corsários franceses às costas do Brasil. 

 

Miguel Ângelo inicia a pintura da Capela Sixtina.

 

Amadis de Gaula, Saragoça. É várias vezes reeditado no século XVI (12 livros formam o ciclo dos Amadises). No século XVI as novelas de cavalaria continuam a proliferar, aportuguesando-se - em vez da sua tradução do francês em autor anónimo, surge expresso o nome do autor português: é a Crónica da Imperador Clarimundo  de João de Barros; o Palmeirim de Inglaterra  de Francisco de Morais; o Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda de Jorge Ferreira de Vasconcelos e muitas outras. Nelas se mistura o moralismo com o pastoralismo e o mitológico, atingindo-se uma espécie de romantismo ante litteram.  
 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009