© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

    

760-769: Fundação de Bagdad, Ismaelitas e Carlos Magno

 

 

 750-769 760-769   770-779 780-789 790-799 

 

Séculos I a V  Linha do Tempo   Século XI

 

Pepino o Breve, rei dos francos (751-768)

Carlos Magno, rei dos francos (768-814)

 
 

Campanha de Pepino o Breve na Aquitânia (760).

Guerra de Constantino V com os Árabes (761).

Fundação de Bagdad e instalação dos califas abássidas (762).

Revolta falhada dos partidários de Ali em Medina (762).

A Baviera torna-se independente e integra a Caríntia (763).

Desaparece Já’far al Sâdiq, o sexto iman (765). Começa disputa entre os chiitas. O sexto íman  designou como sucessor o seu filho primogénito Ismâ’il, mas este, depois de ser acusado de beber vinho, acaba por ser substituído pelo seu irmão mais novo, Mûsâ al-Kazem. Os partidários do primeiro vão criar a seita dos Ismaelitas, ou Septimanos, acreditando que ele regressará como Mahdi, no supremo final dos tempos.

Paz de sete anos entre Constantino V e os Árabes (765).

Carlos Magno *sucede como rei dos francos ao pai, Pepino o Breve (768-814), juntamente com Carlomano (768). Carlos Magno, único rei dos francos em 771. Será Imperador a partir de 800.

Búlgaros vencem os Bizantinos na batalha de Veregava (769). 
Novo sistema monetário no Al-Andalus (760).

Revolta da tribo dos Yahshubis que proclamam a soberania dos abássidas (763).

Revolta abássida em Beja (764).

Asturianos avançam a reconquista até ao Alto e Médio Minho (766).

Aurélio, rei das Astúrias (768-774). Há notícias de uma rebelião na Galiza.

 
Árabes trazem da China a técnica de fabricação de papel (760)

 

Antipapa Constantino (767-769).

 

Antipapa Filipe (768)

 

Papa Estevão IV (768-772).

Muhammad ibn Idris al-Shafi’i (768-820), fundador da escola sunita dos Shafiitas.

Isidoro Pacensis usa a palavra europeus para qualificar os vencedores da batalha de Poitiers aos Árabes (769)

 

 
Carolíngio, Império. O Império de Carlos Magno (768-814), com a capital em Aix-la-Chapelle abrangia os territórios das actuais Bélgica, Holanda, França, Alemanha ocidental, Áustria, norte de Itália e nordeste de Espanha; depois da morte de Carlos Magno, pelo tratado de Verdun (843), o império vai repartido entre os respectivos netos: Carlos o Calvo, ficou com a Gália a oete do Mosa e do Ródano, Luís, com a Germania e Lotário, com aquilo que se designará Lotaríngia, parte da Itália e da Gália, entre o Mosa e o Ródano, a oeste, e o Reno e os Alpes, a Leste

 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009