© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

 

 

860-869: A cristianização dos eslavos. Basílio I no Oriente e Vímara Peres no Porto

 

 

780-789 790-799  800-809 810-819  820-829 830-839 840-849 850-859 860-869 870-879 880-889  890-899

 

Séculos I a V  Linha do Tempo   Século XI

 Carlos II, o Calvo (840-877), rei dos Francos

Ordonho I (850-866)

Afonso III, el Magno (866-910)

 

Cirilo inicia a cristianização dos eslavos (860).

Varegues atacam Constantinopla que é salva por Fócio (860).

Húngaros no Dniepre (860).

318 bispos, num Concílio realizado em Constantinopla, consideram Fócio como patriarca legítimo (861).

Húngaros invadem a Germânia (862)

O normando Rurik torna-se senhor de Novgorod e de Kiev (862)

Formação dos reinos da Suécia e da Noruega (863)

O Papa Nicolau II excomunga o patriarca do Oriente, Fócio, depois de novo concílio, convocado para Roma (863).

Fócio procura converter os eslavos (864-867)

Boris I, khan dos Búlgaros,  converte-se ao cristianismo (864). Pede missionários a Roma (866). Mas acaba por aderir à obediência bizantina (870).

Russo-Normandos ameaçam Constantinopla (865)

Vikings estabelecem-se em quase toda a costa oriental da Grã-Bretanha (865-866). Começam a conquista sistemática da Inglaterra.

Imperador Basílio I o Macedónio do Oriente (867-886). Começa a dinastia macedónia, até 1057. Impõe-se a noção da legitimidade familiar. Os filhos são associado ao império: Constantino (869-879), Leão VI (870-886) e Alexandre III (879-886).

Trata-se de um antigo camponês feito favorito do imperador Miguel III que ele acaba por assassinar. Com efeito, neste ano houve um prévio golpe de Estado, com Miguel II a afastar a mãe da regência, instigado pelo tio, Bordas, que também acaba por ser expulso do poder.

Fócio depõe o papa Nicolau I.

Árabes conquistam Malta (869)

Concílio Ecuménico. O 4º de Constantinopla (869). Reconciliação entre Bizâncio e Roma, depois do afastamento de Fócio, que o imperador Basílio I manda prender num convento. Regressa o Patriarca Inácio.

 
Carlos Magno envia embaixada a Córdova (864)

Anos de fome e de epidemias na Hispania (865-874)

 

Afonso III, el Magno (866-910), rei das Astúrias, conquista Coimbra (867). Chega ao Mondego e repovoa a terra portucalense, Viseu, Lamego e Coimbra.

Reis das Astúrias

Vímara Peres ocupa Portucale (presúria), a actual cidade do Porto (868). Reconquista e repovoamento de toda a zona de Entre-o-Douro-e- Minho.

Mumadona Dias casa com Mendo ou Hermenegildo Gonçalves, governando o condado de forma hereditária.

Revolta muladi, liderada por Abd al-Rahman b. Marwan al-Jilliqi contra os omíadas. Há várias alianças de muçulmanos com cristãos (868-884).

Conquista Árabe da ilha de Malta (869). 
Cirilo e Método traduzem a Bíblia para eslavo (863).

 

Papa Adriano II (867-872).

 

Morte de Cirilo (869).

Regressa a unidade entre Roma e Constantinopla (869-870). 
Bizantino, Império  ou Império Romano do Oriente. Entre 867 e 1057 atinge o seu apogeu com uma dinastia macedónia, comandada por soldados que empreendem uma série de lutas vitoriosas contra os Árabes, reconquistando várias posições no Médio Oriente e em Itália; derrota a Grande Bulgária em 1014; alia-se com os russos; em 1054 dá-se a ruptura definitiva entre Roma e Constantinopla; no fim da dinastia, sucessivas revoltas de Búlgaros e sérvios e ataques dos Normandos às posições italianas

 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009