© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

1494-1559 Guerras entre os Valois e os Habsburgos
   
   

 

Em 1494 o rei de França Carlos VIII ocupa Nápoles e, em nome dos direitos históricos da casa de Anjou, assume-se como rei; será expulso no ano seguinte; nova investida de Luís XII sobre Milão, contra a qual se ergue uma Santa Liga formada pelo papa Júlio II. Francisco II, aliado a Veneza, vence os suíços em Marignano (1515) e toma posse do ducado de Milão durante seis anos. Carlos V é eleito imperador em 1516; conquista Tournai e integra esta antiga possessão francesa nos Países Baixos. Francisco I, em Fevereiro de 1525, é derrotado em Pavia por um exército de Carlos V comandado pelo belga Charles de Lannoy; é obrigado a assinar o Tratado de Paris de 1526, onde renuncia a Milão e a Nápoles, assim como à Flandres, à Borgonha e ao Artois. Francisco I alia-se aos turcos de Solimão o Magnifico que em 1521 conquistam Belgrado, ocupam a Hungria  e em 1529 cercam Viena. A França procura uma aliança com Henrique VIII de Inglaterra que sai frustrada, com o papa e com vários príncipes alemães (em 1552 foi assinado o Tratado de Friedwald, em Hesse). A partir de então, a França inicia o processo moderno da política externa, marcada pela indiferença religiosa. Desencadeia uma segunda guerra entre 1526 e 1529  que termina com o Tratado de Cambrai de 1529, onde Carlos V deixa de reivindicar a Borgonha que, aliás, nunca havia sido entregue pelo rei de França. Terceira guerra entre 1536 e 1538; Francisco I conquista a Sabóia e o Piemonte em 1536; a França irá abandonar estas conquistas em 1559. Quarta Guerra de 1542-1544 termina com o Tratado de Crépy; a França perde o Artois e a Flandres; Francisco I morre em 1547. Quinta guerra de 1552, com a França de Henrique II aliada aos príncipes protestantes alemães; ocupadas as cidades de Metz, Toul e Verdun. Carlos V inicia o processo de divisão do império: em Outubro de 1555 cede a Filipe II Nápoles e os Países-baixos; em Janeiro de 1556 o Franco-Condado, a Espanha e as restantes possessões italianas; em Setembro de 1556 cede ao irmão Fernando, já rei da Boémia e da Hungria, as possessões hereditárias dos Habsburgos na Alemanha e a coroa imperial; retira-se para Espanha e morre em 1558. Sexta guerra entre os Valois e os Habsburgos, a partir de 1556; em Agosto de 1557, vitória de Filipe II em Saint-Quentin; a França ocupa Calais, em Janeiro de 1558, e o Luxemburgo; termina com o tratado de Cateau-Cambrésis (3 de Abril de 1559), Filipe II mantém Milão e o reino de Nápoles e o rei de França permanece em Calais, há duzentos anos na posse dos ingleses,  Metz, Toul e Verdun. Reis de França renunciam a uma presença forte em Itália e Habsburgos são obrigados a renunciar a um império universal

 
  Henrique II retoma guerras contra os imperiais e o Papa (1551-1552).  Imperiais cercam Metz, cedida aos franceses pelos príncipes protestantes alemães. Imperiais invadem a Picardia e conquistam Sienna.

Maurício do Saxe* volta a mudar de campo (25 de Fevereiro de 1551) e, aliado a Henrique II, rei de França, vence em Innsbruck. 

Guerra de Carlos V contra a França (1552-1556), aliada a príncipes alemães.

Trégua entre a França e o Papa Tratado de Chambord, aliança dos protestantes com Henrique II (1552).  Maurício do Saxe separa-se de Carlos V e ocupa Augsburgo e o Tirol, na chamada rebelião de Moritz. Henrique II alia-se a Maurício de Saxe e aos príncipes protestantes alemães, em troca de três bispados (Metz, Toul, Verdun).

Paz de Augsburgo, consagra o princípio do “cujus regio, ejus religio” (25 de Setembro de 1555). Carlos V cede; reconhecida aos príncipes luteranos a liberdade de culto e a propriedade definitiva das terras secularizadas pelos mesmos.

Primeira guerra de Carlos V contra Francisco I (1521-1529). Desencadeia-se em Navarra, na Flandres e na Itália. Carlos V conquista Tournai. Sforza recupera Milão. Começa em Maio. Vitória dos franceses em Pampeluna (20 de Maio). Os franceses, sob o comando de Henri d’Albert, o exilado rei de Navarra, são depois derrotados em Esquiroz (30 de Junho). O marechal francês Odet de Lautrec é forçado a abandonar Milão (23 de Novembro).

 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:24-10-2008