Hungria  Magyar Koztársaság 

1945

Hungria: em 13 de Fevereiro, os soviéticos ocupam Budapeste e em Novembro há eleições, onde vence o Partido dos Pequenos Proprietários, com 57% dos votos, recebendo os comunistas apenas 17%.

Soviéticos ocupam Budapeste (13 de Fevereiro)

Hungria

Magyar Köztársaság [Magyarország] (Hungarian Republic)

Executive:

President: Ferenc Mádl (2000)

Minister-President: Viktor Orbán (1998) Fidesz-MPP.

The president is elected for a five year term by the parliament and becomes non-partisan after the election. The government is formed by the Fidesz-MPP, FKgP and MDF.

Parliament:

Hungarian voters cast two votes, one for a local constituency

representative and one for a party list. The National Assembly

consists of 175 constituency members, 140 members elected from the

party lists on a regional basis and 70 members elected from the

party lists on a national basis, a total of 385.

Parties

--------------------------------------------------------------------

*

*

*

* *

NATIONAL SUMMARY OF VOTES AND SEATS

====================================================================

This table is an aggregation of votes cast in the regional

electorates. While it gives a general indication of the national

level of support for each party, there is no direct relationship

between this vote and the overall number of seats won by each party.

--------------------------------------------------------------------

Registered voters    8,036,609

Votes cast           5,585,249 (69.5%)

--------------------------------------------------------------------

Party                Votes      %      change    Seats

                                                 A    B    C   Total

--------------------------------------------------------------------

FIDESz / MDF         

-    -    -      -

Others                 345,151  06.2              -    -    -      -

--------------------------------------------------------------------

--------------------------------------------------------------------

A = individual constituency members

B = members elected from regional lists

C = members elected from national lists

 

Országgyulés (Assembleia Nacional)

7 e 21-04-2002 Total                5,585,249                  175  140   70    385

%

386

FIDESZ-MDF2,295,851  41.1  (+09.8)    89   67   26   

Coligação do MPP e do MDF

41.1

182

FIDESz / MDF - Fiatal Demokratak Szovetsege / Magyar Demokrata

   Forum (Alliance of Young Democrats / Hungarian Democratic Forum)Fidesz - Magyar Polgári Párt

Fidesz MPP Partido dos Cidadãos Húngaros (conservador), dirigido por Viktor Orban, ministro-presidente desde 1998

 

164

Magyar Demokrata Fórum

MDF Forum Democrático Húngaro (centro-direita). Criado em 1988, agrupando três tendências: a democrata-cristã, a liberal e a nacional. Entre os principais dirigentes: József Antall (1989), Lajos Für (1994) e Sándor Lezsák (1996)

 

24

Magyar Szocialista Párt

MSzP - Magyar Szocialista Part (Hungarian Socialist Party)

MSzP                 2,347,699  42.0  (+09.8)    85   69   31   

 

MSzP Partido Socialista Húngaro. Fundado em 1987, sucessor do Partido Socialista Operário Húngaro (1956), herdeiro do Partido dos Trabalhadores Húngaros (1948), novo nome dado ao Partido Comunista (1918)

42.1 

185

Szabad Demokraták Szövetsége

SzDSz - Szabad Demokratak Szovetsege (Alliance of Free Democrats)

SzDSz                  310,582  05.6  (-02.9)     1    4   13     18

 

SzDSz Aliança dos Democratas Livres (liberal). Fundado em 1988 por Bélint Maggar

5.6 

18

Magyar Igazság és Elet Pártja

MIEP - Magyar Igazsag es Elet Partja (Hungarian Truth and Life

   Party)

MIEP                   243,662  04.4  (-01.1)     -    -    -      -

 

MIEP Partido Húngaro da Justiça e da Vida (nacionalista). Fundado em 1993 por István Csurka

4.4

 

Centrumpárt

CP Partido do Centro

3.9 

 

Munkáspárt

MP Partido dos Trabalhadores (comunista)

2.8 

 

Független Kisgazda, Földmunkás és Polgári Párt

FKgP - Fuggetlen Kisgazda, Foldmunkas es Polgari Part (Independent

   Party of Smallholders, Agrarian Workers and Citizens) FKgP                    42,304  00.7  (-13.1)    

FKgP Partido dos Pequenos Proprietários e dos camponeses, reconstituído em 1988 e dirigido por József Torgyàn (agrários, conservadores)

0.8

 

 

Superf. 93 milliers de km2  Pop. 10 millions  PNB 46,8 mds de dollars (1999) PNB/hab. 4 640 dollars (1999) Budg. éduc. 4,6 % du PNB Serv. dette 26.6 % des exportations Mort. inf. 8 pour mille naissances Esp. vie 71 ans IDH 36e rang mondial sur 162 pays IPF 41e rang mondial sur 64 pays Budg. déf. 805 millions de dollars (2001) Armée 33 810 actifs et 90 300 réservistes

Magyar Koztársaság  93 000 km2 e 10 588 000 habitantes; segundo a fórmula de Cline, 3. 92% de húngaros e 2,5% de alemães, para além de 2% de ciganos. A região foi ocupada pelos magiares a partir de finais do século IX; o domínio dos húngaros estendeu-se depois à Croácia, já no século XII; no século XIV uniu-se à Polónia e à Boémia; depois de 1526, grande parte da Hungria caiu sob domínio otomano. Em 1687, os Habsburgos são reconhecidos como reis hereditários da Hungria; 1867 conquistada a autonomia dentro do Império Austríaco, a monarquia dual.

Depois da Grande Guerra, logo em 16 de Novembro de 1918, foi proclamada uma república que, em Março de 1919 e durante três meses, foi marcada pela ditadura soviética de Bela Kun, até à emergência do exército contra-revolucionário do almirante Horthy, em 16 de Novembro de 1919. Depois de 1918 perde a Transilvânia para a Roménia, a Croácia, o Banato, a Eslovénia e Fiúme para a Jugoslávia, e a Eslováquia, os Cárpatos e a Ruténia para a Checoslováquia, isto é, 72% do seu território e 64% da população, nos termos do Tratado de Trianon de 4 de Junho de 1920. Em 1 de Março de 1920 foi restabelecida a monarquia, com o almirante Nicolau Horthy como regente, sob o título de Alteza sereníssima. Por duas vezes o antigo imperador Carlos de Habsburgo tentou regressar, mas sem apoio do regente que se manteve no poder até 1944. O regime de Horthy aproximou a Hungria da Itália fascista e da Alemanha nazi; graças a mediação italiana conseguiu, aliás, em 1938 e 1939, ver regressar  parte da Eslováquia e a própria Ruténia; já em 1940, depois de ter aderido ao pacto tripartido, consegue recuperar a metade norte da Transilvânia; assim, a partir de 28 de Junho de 1941, a Hungria entra na guerra ao lado dos alemães. Foi conquistada pelos soviéticos em 1944-45 e, pelo Tratado de Paris de 1947, regressou às fronteiras de 1920; declarada a república em 1 de Fevereiro de 1946.

Em 13 de Fevereiro de 1945, os soviéticos ocupam Budapeste e em Novembro há eleições, onde vence o Partido dos Pequenos Proprietários, com 57% dos votos, recebendo os comunistas apenas 17%. Em 1 de Fevereiro de 1946 era proclamada a República, sendo confirmado como chefe do Governo, Ferenc Nagy do Partido dos Pequenos Proprietários. Contudo, em Agosto de 1947, os comunistas e os seus aliados já obtêm 96 % dos votos. Depois, em 12 de  de Junho de 1948, deu-se a fusão dos comunistas e dos sociais-democratas. Em 1949, os comunistas, sob a direcção do estalinista Rakosi, lançam um programa de perseguição à Igreja - o cardeal Jozsef Mindszenty (1892-1975) é preso em 26 de Dezembro de 1948, sob a acusação de traição, sendo condenado no ano seguinte, em 4 de Fevereiro, a prisão perpétua  - e de depuração de titistas - é aberto um processo ao dirigente comunista Rajk, em Outubro, que será executado.  Entretanto, em Julho de 1953, Rakosi é substituído por Imre Nagy, que proclama a amnistia, mas que vai também ser deposto em Abril de 1955. Contudo, a opinião pública exige uma relativa liberalização, chegando-se à própria reabilitação de Rajk em Março de 1956. O ambiente vai levar à própria demissão de Rakosi, em Julho de 1956, que é substituído por Erni Gero. Em 23 de Outubro de 1956, acontece a revolta popular. Num primeiro momento, há uma rápida intervenção das tropas soviéticas que, entretanto, evacuam de Budapeste no dia seguinte e Moscovo tem de aceitar o regreso ao poder de Imre Nagy. Este, em 1 de Novembro, forma um governo de coligação, anuncia que a Hungria se retirará do pacto de Varsóvia e pede à ONU que reconheça a neutralidade do país. Depois de algumas hesitações, dá-se, então, a brutal intervenção das tropas soviéticas, no dia 4, ao mesmo tempo que se constitui novo governo sob a presidência de Janos Kadar. Da revolta vão resultar cerca de 25.000 mortos e 160.000 refugiados. A resistência fora da capital termina no dia 13 e Nagy, depois de preso no dia 25, será executado, ao mesmo tempo que são deportadas cerca de 15.000 pessoas.

Logo em 1988 o partido comunista passa a Partido Socialista Húngaro. Já em 8 de Novembro de 1985 se realizaram eleições com a participação de independentes. Em 1989 surge o multipartidarismo e abandona-se a designação de república popular (23 de Outubro). Em 1990, o Forum Democrático vence as primeiras eleições livres  e dá-se a retirada das tropas soviéticas, ao mesmo tempo que o país adere ao Conselho da Europa. Mas em 6 de Maio de 1991, os ex-comunistas vencem as eleições e formam governo de coligação com a Aliança dos Democratas Livres.

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: