Países Baixos  Koninkrijk Nederlanden

A Holanda (Koninkrijk der Nederlanden), com a rainha Beatrix van Oranje Nassau, no trono desde 1980, passa o milénio ainda sob o governo de Wim Klok (desde 22-08-1994), até ao terramoto eleitoral de 15-05-2002, donde emergiu, apenas em 22-07-2002, um novo gabinete de coligação presidido por Jan Peter Balkenende, com o PvdA, o VVD e D66.

Os partidos clássicos da acomodação holandesa são o democrata-cristão, (), o, (), com, o, , social-democrata, , com, e os sociais-liberais, , com.

 

Tweede Kamer dos Staten-Generaal

15-05-2002

 

 

Christen Democratisch Appèl CDA                2,650,798     (+09.7)      +14

 

CDA. Appel chrétien-démocrate (cda) fondé 1980 Fusion de 3 partis : le kvp (Parti populaire catholique), l'arp (Parti antirévolutionnaire) et la chu (Union chrétienne historique). P. du travail (pvda) fondé 1946 (vacant). Obtém 2 650 798 votos CDA was founded in 1975 as a federation of ARP, CHU and KVP. The three parties established a single parliamentary caucus in 1977 and merged to form a single party in 1980

 

28.0

43 

Lijst Pim Fortuyn LPF                1,611,570  

 

LPF Com 1 611 570 votos

17

26

Volkspartij voor Vrijheid en Democratie VVD                 15.4  (-09.3)        -14

 

VVD Partido do Povo para a Liberdade e a Democracia conservador-liberal. Com 1,461,573  votos, menos 14 deputados (-9.3%) VVD was founded in 1948 by the merger of three liberal parties: the League of Free Liberals, the Liberal Union and the VDB, after ceasing its merger with PvdA. (List courtesy of Bob Hilkens)

 

15,4

24

Partij van de Arbeid PvdA               1,433,291   15.1  (-13.9)        -22

 

PvdA partido do trabalho. Com 1 433 291 votos, menos 22 deputados (-13.9%) PvdA was founded in 1946 by the merger of SDAP, VDB and CDU. As VDB and most members of CDU left the party later, PvdA became in fact the continuity of SDAP. (List courtesy of Madeleine de Vries and Bob Hilkens)

 

15,1

23

Groen Links GL                   658,949   07.0  (-00.3)        -01

 

GL. Com 658 949 votos, menos 1 deputado.

7

10

Socialistische Partij SP                   559,734   05.9  (+02.4)         +04

 

SP. Com 559 734 votos, mais 4 deputados (+4%)

5,9

9

Democraten 66 D66                  483,242   05.1  (-03.9)     7    -07

 

D66. Com 483 242 votos, menos 7 deputados (-3.95) Démocrates 66 (d 66) fondé 1966 (Tom Kok, né 1957).

 

5.1

7

CU                   240,566   02.5  (-00.8)     4    -01

LN                   152,831   01.6              2

SGP                  163,582   01.7  (-00.1)     2    -01

Others                66,783   00.7                    -

----------------------------------------------------------------

Total              9,482,919                   150

A novidade nas eleições para a, foi a, , que atingiu, depois do assassinato do respectivo líder. Outros grupos são a esquerda verde (), com, os socialistas do (), com.

Partis (J.J.M. Helgers, né 3-4-55).

P. populaire pour la liberté et la démocratie.

P. libéral (vvd) fondé 1948 (W.K Hoekzema).

P. de la politique réformée (sgp) fondé 1918 (D.J. Budding).

Fédération politique réformiste (rpf) fondée 1975 (A. van den Berg).

Union politique nat. réformée (gpv) fondée 1948 (S.J.C. Cnossen, né 24-5-39).

Démocrates du Centre (cd) fondé 1986 (Johannes H.G. Janmaat, né 3-11-34).

Verts-gauche (Grœn-Links) fondé 1991 (A. Harrewijn, né 22-11-1954), mbc (P. Rosenmöller).

 

1.       Willem Schermerhorn               

23-06-1945 -  2-07-1946 

2.       Louis J.M. Beel (1ª vez)        

2-07-1946 -  6-08-1948 

3.       Willem Drees                      

6-08-1948 - 22-12-1958 

4.       Louis J.M. Beel (2ª vez)        

22-12-1958 - 19-05-1959 

5.       Eduard de Quay                

19-05-1959 - 23-07-1963

6.       Victor Marijnen                   

23-07-1963 - 27-04-1965 

7.       Jo Cals                           

27-04-1965 - 22-11-1966 

8.       Jelle Zijlstra                    

22-11-1966 -  3-04-1967 

9.       Piet de Jong                      

3-04-1967 -  6-07-1971 

10.   Barend Willem Biesheuvel          

6-07-1971 - 11-05-1973 

11.   Joop den Uyl                      

11-05-1973 - 19-12-1977 

12.   Andreas van Agt                   

19-12-1977 -  4-11-1982 

13.   Ruud Lubbers                      

4-11-1982 - 22-08-1994 

14.   Wim Kok                           

22-08-1994 - 22-07-2002 

15.   Peter Balkenende              

22-07-2002 -            

 

Superf. 41 milliers de km2  Pop. 16 millions  PNB 397,4 mds de dollars (1999) PNB/hab. 25 140 dollars (1999) Croiss. 3,6 % (1998-1999) Budg. éduc. 5,1 % du PNB Mort. inf. 5 pour mille naissances Esp. vie 78 ans IDH 8e rang mondial sur 162 pays IPF 7e rang mondial sur 64 pays Budg. déf. 5 600 millions de dollars (2001) Armée 50 430 actifs et 32 200 réservistes

182 km2 e 15 022 000 habitantes; segundo a fórmula de Cline, 23.  Eram chamados os Países Baixos à Beira do Mar  (lage landen bij de see). O Reino dos Países Baixos deriva das Províncias Unidas  que se rebelaram contra os Filipes, em 1579; foi neste ano que as sete províncias protestantes  do norte dos Países-Baixos, Guéldria, Holanda, Zelândia, Utreque, Frísia, Overissel e Groninga, constituíram uma república federal de carácter oligárquico, um pouco à maneira de Veneza.

Entre 1580 e 1590, sofre a pressão terrestre das tropas espanholas estacionadas nas províncias do sul, mas frequentemente desviadas para intervenções em França; a partir de 1600, as forças já pendem para os exército de Maurício de Nassau, no qual dominavam os mercenários e os estrangeiros (em mais de uma centena de companhias, apenas existiam onze holandesas).

Terminada a guerra com a coroa espanhola em 1608, logo a nova comunidade política se expandiu tanto para além dos mares, numa acção em que as principais vítimas foram os territórios portugueses, como também pela ocupação do norte de Brabant, em 1629.

Com a Paz de Vestefália, as Províncias Unidas definitivizam a respectiva independência, depois de oitenta anos de resistência ao poder dos Habsburgos espanhóis; a Holanda emerge como grande poder internacional, mas vai sofrer as consequências da política mercantilista adoptada pela Inglaterra, a partir de Cromwell, e da França, a partir de Colbert. O comércio báltico começa a ser comprimido pela emergência do poder sueco. A França de Luís XIV passa a constituir uma ameaça terrestre. Guerra com a Inglaterra (1672-1674) no tempo de Carlos II, aliado aos franceses. Guerra com a França que termina com a paz de Nymeguen de 1678-1679.

A independência holandesa vai ser assegurada depois da Guerra da Sucessão de Espanha entre 1700 e 1714. No início da guerra a França ocupa imediatamente os Países Baixos do Sul. No fim da guerra o espaço dos Países Baixos do sul passam para a Áustria. Os Habsburgos não deixam que os Bourbons de Espanha se mantenham nas terras que foram de carlos V e de Filipe II. Mas no fim desta guerra a Holanda já não é a potência que fora, dado que tem de empenhar grande parte do seu esforço militar na defesa das suas ronteiras terrestres do sul.

Em 1795, a França revolucionária ocupa o território, constituindo uma república Batávia, um verdadeiro satélite de Paris, que, em Junho de 1806, se transformou, por acção de Napoleão, no reino da Holanda, atribuído Luís, irmão de Napoleão e pai do futuro Napoleão III, que, quatro anos depois, parcelizado em 8 departamentos, era simplesmente anexado ao Império francês.

Com a queda de Napoleão, em 1814, os holandeses recuperam a independência, surgindo o reino dos Países Baixos que até 1830 vai integrar a Bélgica. O seu titular vai ser Guilherme I, filho do último dos stathouders da província da Holanda, desde sempre na posse da família Orange-Nassau, nome dado aos governadores espanhóis e que, durante o regime republicano, foi mantido para designar os altos-funcionários nomeados para o comando dos exércitos. Em 1848 surge uma constituição bicameral, com um parlamento eleito por sufrágio censitário.