Polónia Polska

 

Europa Central e de Leste Rússia

Polónia

A Polónia (Rzeczpospolita Polska), com 323 mil km2 e 38,6 milhões de habitantes passou o milénio com o presidente da república Aleksander Kwasniewski, no poder desde 23-12-1995, onde sucedeu a Lech Walesa, que aí se mantinha desde 22-12-1990.

As principais forças políticas, de acordo com os resultados eleitorais para a, são as seguintes:

REPUBLIC OF POLAND

PARLIAMENTARY ELECTION OF 23 SEPTEMBER 2001

===================================================================

Elections to the Sejm

Source: Polish National Election Commission website

Parties

-------------------------------------------------------------------

NATIONAL SUMMARY OF VOTES AND SEATS

===================================================================

Votes and seats are compared with those in the September 1997

elections

-------------------------------------------------------------------

-------------------------------------------------------------------

REPUBLIC OF POLAND

PRESIDENTIAL ELECTIONS OF 9 OCTOBER 2000

NATIONAL VOTE BY CANDIDATE

======================================================

Enrolled voters:                      29,122,304

Voted:                                17,789,231  61.1

Invalid votes:                           190,312  01.1

Total valid votes:                    17,598,919  98.9

Candidate                    Party    Votes       %

------------------------------------------------------

Jaroslaw Kalinowski          PSL       1,047,949  05.9

Janusz Korwin-Mikke                      252,499  01.4

Marian Krzaklewski           AWS       2,739,621  15.6

Aleksander KWASNIEWSKI *     SLD       9,485,224  53.9

Andrzej Lepper                           537,570  03.0

Andrzej Olechowski                     3,044,141  17.3

Lech Walesa                              178,590  01.0

5 others                                 313,325  01.8

------------------------------------------------------

Total                                 17,598,919

------------------------------------------------------

Parties:

AWS: Solidarity Election Action

PSL: Polish Peasant Party

SLD: Democratic Left Alliance

Olechowski ran as a centrist independent. Walesa, the

former President, ran as a Christian Democrat.

       

 

Dieta (Sejm), de 23-09-2001

13,017,929                       

 

 

460

 

SLD-UP - Sojuszu Lewicy Demokratycznej i Unii Pracy os sociais-democratas da (União do Trabalho),

5,342,519  

41

+14.1       

216

+52

PO - Platforma Obywatelska os centristas da (Plataforma dos Cidadãos), com 

1,651,099  

12.7

 

65

 

SO - SamoObrona Rzeczypospolitej Polskiej os conservadores do (Auto-Defesa da República Polaca),

1,327,624  

10,2

 

53

 

PiS - Prawo i Sprawieliwosc o movimento anti-corrupção (Direito e Justiça),

1,236,787  

9,5

 

44

 

PSL - Polskie Stronnictwo Ludowe os agrários do (Partido do Povo Polaco),

1,168,659  

9

+02.1        

42 

+15

LPR - Liga Polskich Rodzin nacionalistas cristãos da Liga (Liga das Famílias Polacas),

1,025,148  

 

7,9

 

38

 

Porozumienie Polskich Chrzescijanskich Demokratów os democratas-cristãos da (Aliança dos Democratas Cristãos Polacaos),

 

5,6

 

 

 

UW Unia Wolnosci liberais da (União para a Liberdade

404,074    

 

3,1

-10.1 

 

-60

AWSP - Akcja Wyborcza Solidarnosc Prawicy (Solidarity Electoral

   Action Work)

729,207

 

05.6  

-28.2         

 

-201

MN - Mniejszosc Niemiecka (German Minority)

47,230  

 

00.4                 

 

 

2

 

O governo resultante destas eleições, é liderado pelo social-democrata Leszek Miller (2001), incluindo a UP e o PSL.

First Secretaries of PPR/PZPR (5)

Wladyslaw Gomulka          Nov 1943 -  3 Sep 1948 (+1982)     [picture]  

Boleslaw Bierut         22 Dec 1948 -    Nov 1952 (+1956)     [picture]

Hilary Minc                Nov 1952 -    Mar 1954 (+1974) (6)

Boleslaw Bierut            Mar 1954 - 12 Mar 1956 (+)         [picture]

Edward Ochab            20 Mar 1956 - 21 Oct 1956 (+1989)     [picture]

Wladyslaw Gomulka       21 Oct 1956 - 20 Dec 1970 (+1982)     [picture]  

Edward Gierek           20 Dec 1970 -  6 Sep 1980 (+2001)     [picture]

Stanislaw Kania          6 Sep 1980 - 18 Oct 1981             [picture]

Wojciech Jaruzelski     18 Oct 1981 - 29 Jul 1989             [picture]

Mieczyslaw F. Rakowski  29 Jul 1989 - 30 Jan 1990             [picture]

(5) The old PPR became the PZPR on 20 Dec 1948 (1st congress, 15-22 Dec 1948) through the merger with the PPS. The PZPR ceased to exist on 30 Jan 1990 at the end of its 11th and last congress.

(6) Ochab was de facto party leader as chairman of the Central Committee from Dec 1948 to Mar 1954.

 

SLD-UP - Sojuszu Lewicy Demokratycznej i Unii Pracy os sociais-democratas da (União do Trabalho),

The SdRP was born on 27 Jan 1990 from the dissolved PZPR. The SdRP became then the core of the SLD, a parliamentary coalition of about 32 political and trade union organizations. On 27 Apr 1999 the SLD was registered as a party, in which the SdRP would eventually be merged. That happened on 16 Jun 1999 and subsequently the SdRP was disbanded. Aleksander Kwasniewski  1990-1996. Józef Oleksy  1996-1997. Leszek Miller           1997-   

PO - Platforma Obywatelska os centristas da (Plataforma dos Cidadãos), com 

Joint leadership of PO (12)

Andrzej Olechowski  +               [picture]

Donald Tusk         +               [picture]

Maciej Plazynski          2001-     [picture] 

(12) PO was founded on 24 Jan 2001

SO - SamoObrona Rzeczypospolitej Polskiej os conservadores do (Auto-Defesa da República Polaca),

 

PiS - Prawo i Sprawieliwosc o movimento anti-corrupção (Direito e Justiça),

Chairman of PiS

Lech Kaczynski   2001-              [picture]

 

PSL - Polskie Stronnictwo Ludowe os agrários do (Partido do Povo Polaco),

 

LPR - Liga Polskich Rodzin nacionalistas cristãos da Liga (Liga das Famílias Polacas),

 

PPChD Porozumienie Polskich Chrzescijanskich Demokratów os democratas-cristãos da (Aliança dos Democratas Cristãos Polacaos),

Chairmen of (10) 

Antoni Tokarczuk    1999-     [picture]

 

(10) The PPChD was founded on 26 Sep 1999 as the merger of three parties: the Center Alliance (PC, founded on 18 May 1990 and chaired successively by Jaroslaw Kaczynski and Antoni Tokarczuk); the Christian Democratic Party (PChD, chaired by Pawel Laczkowski) and the Movement for the Republic (RdR).

 

UW Unia Wolnosci liberais da (União para a Liberdade

Chairmen UD and UW (9) 

Tadeusz Mazowiecki  1991-1995 [picture]

Leszek Balcerowicz  1995-2000 [picture]

Bronislaw Geremek   2000-2001 [picture]

Wladyslaw Frasyniuk 2001-     [picture]

 

(9) The UD was founded in 1991 and on 23 Apr 1994 merged with the Liberal Democratic Congress (KLD, chaired by Donald Tusk) to form the UW

 

AWSP - Akcja Wyborcza Solidarnosc Prawicy (Solidarity Electoral

   Action Work)

AWS

Marian Krzaklewski  1996-2000 [picture]

Jerzy Karol Buzek   2000-2001 [picture]

RS AWS

Marian Krzaklewski  1997-1999 [picture]

Jerzy Karol Buzek   1999-2001 [picture]

Mieczyslaw Janowski 2001-

 

(8) The AWS was established in Dec 1996 as a coalition of more than 30 (number changing) center and right-oriented parties and organizations, most of them coming from the Solidarity movement. The party RS AWS was launched on 13 Nov 1997 as the official political wing of the Solidarity union and a new member of AWS. On 23 Dec 2000 the AWS was renewed as a federation of parties with a core of four: RS AWS, ZChN, PPChD and SKL. In Mar 2001 SKL witdrew, leaving the alliance reduced to three parties, which adopted the name AWSP.

 

MN - Mniejszosc Niemiecka (German Minority)

 

 

The SKL was founded on 12 Jan 1997 as the merger of the Peasant Christian Party (SLCh, chaired by Artur Balazs), the Conservative Party (PK, chaired by Aleksander Hall) and splinters of UW. The party withdrew from the AWS coalition in Mar 2001 and then began a process of desintegration.

Chairmen of SKL (11) 

Jacek Janiszewski         1997- ?   [picture]

Miroslaw Andrzej Styczen    ? - ?   [picture]

Jan Maria Rokita            ? -     [picture]

 

 

Chairmen of ZChN

Wieslaw Chrzanowski 1989-1995

Jan Lopuszanski     1995      [picture]

Ryszard Czarnecki   1995-1996 [picture]

Marian Pilka        1996-     [picture]

 

 

Chairman of ROP 

Jan Olszewski       1995-     [picture]

 

 

Superf. 323 milliers de km2  Pop. 39 millions  PNB 157,4 mds de dollars (1999) PNB/hab. 7 070 dollars (1999) Croiss. 4,1 % (1998-1999) Budg. éduc. 7,5 % du PNB Serv. dette 20,4 % des exportations Mort. inf. 9 pour mille naissances Esp. vie 73 ans IDH 38e rang mondial sur 162 pays IPF 32e rang mondial sur 64 pays Budg. déf. 3 700 millions de dollars (2001) Armée 206 045 actifs et 406 000 réservistes

O nome Polska vem do eslavo polié, significando planicie; em meados do século XVIII, o território constituía uma república da Polónia, composta pelo reino da Polónia ou país da Coroa e pelo grão-ducado da Lituânia, reunidos desde 1386. Tal entidade política, que incluía uma série de povos, desde polacos propriamente ditos a alemães, lituanos, russos e judeus, era dominada pelos católicos que, entre 1719 e 1733, discriminaram os chamados dissidentes, isto é, os ortodoxos e os protestantes.

Desde 1572, quando acabou a dinastia dos Jagellons, o cargo de rei da Polónia passou a ser electivo. O primeiro titular foi o duque de Anjou, irmão de Carlos IX,  rei de França, e que se sentará em 1574 no trono de Paris, como Henrique III.

Em 1674 será eleito rei da Polónia um nobre polaco Stanislas Poniatowski. A mesma Polónia foi independente até ao século XVIII, quando se sucederam a partilhas de 1772, 1793 e 1795. Volta a ser independente desde 11 de Novembro de 1918.

Em 25 de Julho de 1772 foi assinado em São Petersburgo o primeiro tratado de partilha da Polónia: Maria Teresa de Áustria ficava com a Galícia (então com 2 600 000 habitantes); Frederico da Prússia, com a chamada Prússia polaca, à excepção de Danzig, então com 700 000 habitantes; Catarina II da Rússia com parte da Lituânia, entãao com 1 600 000 habitantes; o tratado assinado em nome da Santíssima Trindade invocava a decomposição total do Estado polaco. Em 1791, os nobre polacos promulgam uma nova constituição, mas a Prússia e a Rússia invadiram o país e levaram a cabo a segunda partilha, de 1793. Nova revolta polaca e nova invasão.

Em 1795, uma tereceira partilha. Em 1815 o imperador russo Alexandre I concedeu uma constituição ao então reino da Polónia integrado no Império russo; o imperador era representado por um  vice-rei e instituía-se uma dieta bicameral; cinco anos depois terminava a autonomia e a dieta deixou de se reunir a partir de 1822.

Em 29 de Novembro de 1830 dá-se a primeira insurreição polaca, ponto de partida para uma guerra que durará cerca de um ano, com a vitória russa de 6 para 7 de Setembro de 1831.

Nova revolta ocorrerá a partir de 1860, impulsionada pela chamada Sociedade Agronómica criada em 1855; em Março de 1861 surge uma petição para o restablecimento da constituição de 1815, mas Alexandre II responde à slicitação mandando encerrar a Sociedade Agronómica; nos primeiros meses de 1862 são presos cerca de 15 000 polacos. Em 22 de Janeiro de 1862 inicia-se a insurreição polaca; em Fevereiro já a Prússia se alia à Rússia para esmagar a revolta.

Em 14 de Novembro de 1918 formou-se em Varsóvia um governo polaco dirigido pelo pianista Paderewski, amigo de Wilson, a quem foi prometida a formação de uma Polónia unificada, independente e autónoma e com acesso para o mar; na Conferência de Paz esse desígnio foi concedido, integrando-se na Polónia as regiões alemãs da Posnânia e da Alta Silésia, concedendo-se um corredor polaco sobre o território da Pomerânia, e atribuindo-se ao novo Estado a região de Vilna, reclamada pela Lituânia.

O novo Estado dispunha de pouco mais de 27 milhões de habitantes e de 388 390 quilómetros quadrados. Os seus principais aliados eram a França e a Roménia, bem como com a Estónia e a Letónia; as tensões eram inevitáveis com a Alemanha, a Rússia e a Hungria. Desde logo, sucederam os conflitos: na Galícia, com os rutenos e principalmente com os russos.

Em 19 de Março de 1920, Pisudski era feito marechal, sendo apoiado pelo general francês Weygand. Na Polónia, durante a Grande Guerra, enquanto um grupo de polacos, liderado por Pilsudski se aliou aos austro-húngaros, outro grupo, liderado pelos nacionais-democratas, colaborou com a Rússia, em troca de posterior autonomia. Contudo, em 5 de Novembro de 1916, os Impérios Centrais admitem a criação de um reino independente na zona polaca até então dependente da Rússia. Pilsudski, entretanto aliado aos nacionais-democratas, é preso pelos alemães, enquanto os antigos aliados dos russos instalam em Paris um Comité Nacional Polaco. Assim, com o apoio dos nacionais-democratas, em 10 de Novembro de 1918, Pilsudski toma o poder em Varsóvia, realizando-se eleições logo em Janeiro de 1919, donde resulta uma Dieta que vai eleger Pilsudski como Presidente. É com esta estrutura de poder que vai decorrer a guerra russo-polaca que termina com o Tratado de Riga de 18 de Março de 1921, quase ao mesmo tempo que surgia uma Constituição democrática, em 17 de Março de 1921. Entretanto, em Maio de 1923, Pilsudski demite-se, nem sequer continuando como chefe das forças armadas.

 

Mas, em 16 de Maio de 1926, vai voltar ao poder através de um golpe de Estado. Morre em 1935, mas os respectivos sucessores mantêm o regime autoritário.

 

Acrescente-se, sobre a guerra russo-polaca de 1920-1921, que, quando as tropas alemãs abandonaram a Ucrânia, os bolchevistas tomaram -lhes as posições e ocuparam parte da antiga Polónia Oriental, a região de Bug, na zona atribuída à Prússia pelas partilhas do século XVIII. Contudo, uma contra-ofensiva de Pilsudski vai fazer recuar os soviéticos para a Ucrânia e a Bielo-Rússia, a zona atribuída à Rússia pelas partilhas do século XVIII.  Contudo, em Maio de 1920, Piulsudski prossegue a ofensiva, conquistando Kiev. Vai suceder uma violenta contra-ofensiva soviética, cujo objectivo e varar toda a Polónia para chegar-se à Alemanha e provocar um novo movimento revolucionário comunista na República de Weimar.

 

Assim, em 2 de Julho de 1920, Tukhatchevski, o Chefe de Estado Maio do Exército Vermelho, chega a proclamar que  a rota do incêndio mundial passa por cima do cadáver da Polónia. Durante a Segunda Guerra Mundial, importa salientar que, logo em 31 de Dezembro de 1944, os soviéticos estabeleceram em Lublin um governo provisório que, em 18 de Janeiro de 1945, se instalava em Varsóvia, depois expulsão dos alemães pelo Exército Vermelho, no dia anterior. Mas Estaline, em 23 de Abril de 1943, Estaline cortara as relações com o Governo polaco de Londres, invocando a circunstância deste ter pedido, no dia 14 anterior, um inquérito à Cruz Vermelha Internacional, a propósito do massacre de Katyn, denunciado pelos nazis dois dias antes.

 

Nas eleições de 19 de Janeiro de 1947, o Bloco Democrático, liderado pelos comunistas do Partido Operário Polaco e integrado por outros partidos menores como os Partidos Socialista, Camponês e Democrático, obteve  80% dos votos, instalando-se um governo sob a direcção de Wladislaw Gomulka.

 

O governo tentou instaurar um modelo de nacional-comunismo, à maneira de Tito, mas, logo em 9 de Setembro de 1948, foi afastado por pressão soviética, surgindo, em 12 de Dezembro desse mesmo ano, um Partido Operário Unificado da Polónia (POUP), já normalizado, pela fusão dos comunistas e dos socialistas.

 

O alinhamento com a URSS foi de tal ordem  que o cargo de Ministro da Defesa desse governo, em 7 de Novembro de 1949, até chegou a ser ocupado por um marechal soviético de origem polaca, Konstantin Rokossowsky (1896-1968). Desencadeou-se, a partir de então, uma tenaz perseguição à Igreja Católica, com nacionalização dos respectivos bens e, em  26 de Setembro de 1953, o primaz da Polónia, Wyssinsky chegou a ser encarcerado.

 

Depois do levantamento operário de Poznam, em 28 de Junho 1956, e na sequência da desestalinização Khrushchoviana, Gomulka, reabilitado em 5 de Agosto, voltou ao poder, em 22 de Outubro, onde, aliás, se vai manter até 1971. Dias antes, entre 19 e 20 de Outubro, os principais dirigentes soviéticos chegaram mesmo a visitar Varsóvia. Por esta altura, dia 28, é também libertado o Primaz da Polónia.