1946
 

Fevereiro

Os crimes contra a humanidade são imprescritíveis

 

Proclamação da República na Hungria; Ferenc Nagy do Partido dos Pequenos Proprietários, chefe do governo (1 de Fevereiro)

Toma posse o primeiro secretário-geral da ONU, o socialista norueguês Trygve Lie (2 de Fevereiro). A proposta nasceu de um compromisso entre norte-americanos e soviéticos, depois de os primeiros proporem um canadiano e os segundos, um jugoslavo.

Assembleia geral da ONU declara que os crimes contra a humanidade são, por natureza, imprescritíveis (13 de Fevereiro)

Estaline, em discurso de 9 de Fevereiro, proclama que o comunismo e o capitalismo são incompatíveis.

 

Eleições na Bélgica. Crescimento eleitoral dos cristãos-sociais, dos socialistas e dos comunistas e recuo dos liberais e da extrema-direita (17 de Fevereiro)

Telegrama de George Kennan, então diplomata em Moscovo, a Truman, onde se propõe o sistema do que virá a ser a doutrina do containment (22 de Fevereiro)

Péron eleito presidente da Argentina (24 de Fevereiro) Na Argentina, com a legitimação popular, das eleições presidenciais de 24 de Fevereiro de 1946, o peronismo, onde se destaca a esposa do líder, Eva Duarte Perón (1919-1952), ensaia uma via anticapitalista e anti-americana, o chamado justicialismo que, apesar de ser inspirado em certo vitalismo fascista, recebe o apoio de certa esquerda sociológica, assumindo aquele terceirismo populista, dito nacional-revolucionário, que vai aproximar-se do que serão as experiências nasseristas, a partir de meados da década de 50. Assim, não é por acaso que o peronismo tanto é apoiado pelos sindicatos como pela extrema-direita, em nome dos descamisados, mas tem a oposição de liberais, conservadores e dos grandes proprietários fundiários. Péron venceu o candidato da Unión Democrática, Tamborini, numa campanha, onde este utilizou o slogan pela liberdade, contra o nazi-fascismo. O primeiro respondeu com a alternativa Branden o Péron, invocando o nome do secretário norte-americano dos assuntos latino-americanos, e porque este tinha escrito um "livro azul", Péron respondeu editando o Libro Azul y Blanco, invocando as cores nacionais, acusando os adversários de serventuários da oligarquia e de pró-americanos. Não tardará que qualifique a sua posição de política internacional como de tercera posición, entre o comunismo soviético e o capitalismo ianque. A procura da tal terceira via vai ser uma constante na segunda metade do século XX. O romantismo fascista que persiste vai dizer que não é da esquerda (comunista e pró-soviética) nem da direita (capitalista e pró-americana). A esquerda que se liberta da disciplina dos PCs, como a de Merleau-Ponty, procura também uma terceira via de humanismo socialista que se alcunha de novo liberalismo. Os descendentes da Primavera de Praga, como Ota Sik, proclamam, identicamnete, uma Terceira Via, para além do capitalismo e do comunismo. Não tardará que, a partir de Londres, com o new Labour de Tony Blair, em nome das teorias de Anthony Giddens, se procure dar esse nome à nova social-democracia do virar do milénio. Contudo, na prática, o peronismo é outro. Recebe em Abril de 1946 uma missão comercial soviética e estabelece relações diplomáticas com Moscovo, mas em 2 de Agosto já declara que estaria sempre "no campo dos Estados Unidos", salientando que "o comunismo é um grande perigo que ameaça todas as democracias ocidentais". Reivindica em1948 as Falklands, no mesmo ano em que, a propósito do Bloqueio de Berlim, o seu ministro dos estrangeiros, Bramulguia, na ONU, ainda tenta servir de ponte entre o Leste e o Oeste, mas logo o substitui, em Agosto de 1949, por Jesus Paz, iniciando uma ampla ligação à Espanha de Franco.

 

Chegam a Lisboa 110 dos detidos no Tarrafal, em virtude da amnistia de Outubro de 1945 (1 de Fevereiro). Permanecem no campo de Cabo Verde 52 deportados. Neste mês, regressam também alguns deportados de Timor, como Carlos Cal Brandão, que nessa ilha, onde estava desde 1931, tendo sido um dos mais activos resistentes contra a ocupação japonesa.

Igreja Católica Consistório eleva a cardeal D. Teodósio Clemente Gouveia, arcebispo de Lourenço Marques (18 de Fevereiro). È o chamado cardeal da coroa, dado ser tradicionalmente de indicação governamental. Foi, aliás, preterido D. José da Costa Nunes, o patriarca de Goa, vítima do ambiente indiano e talvez marcado pela filiação maçónica. Em 1 de Março há uma sessão de homenagem na Sociedade de Geografia de Lisboa. Cardeal Aloisi Masella, legado pontifício, participa nas cerimónias de Fátima.

Padre Joaquim Alves Correia parte para o exílio na Califórnia, por acordo entre o ministro da justiça e o superior dos Padres do Espírito Santo (17 de Fevereiro)

Geve dos lanifícios na Covilhã e na zona da Serra da Estrela (3 de Fevereiro). Envolvem-se cerca de 10 000 trabalhadores com intervenção da GNR. Esta ocorrência é descrita por Ferreira de Castro em A Lã e a Neve. Greve dos mineiros de S. Pedro da Cova, durante sete dias. Abrangidos cerca de 7 000 trabalhadores (27 de Fevereiro). Nova vaga de greves, afecta particularmente centros piscatórios (Dezembro)

 

 

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

Ver síntese do ano

 

© José Adelino Maltez, História do Presente. Última revisão em: 04-08-2006        

 

 

 

Fevereiro
 

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: