1955

Entre Marcello e Santos Costa e Conferência de Bandung

 

Cosmopolis

© José Adelino Maltez, História do Presente, 2006

Estado da Índia– Comunicação à imprensa de Salazar sobre a questão de Goa (22 de Julho). Nehru corta relações diplomáticas com Portugal (8 de Agosto) e no dia 15, manifestantes satyagras tentam invadir os territórios do Estado da Índia. Seguem-se confrontos violentos com alguns mortos e dezenas de feridos, com gritos de Viva a Mãe Índia. Entretanto, uma petição portuguesa, sobre a questão de Dadrá e Nagar Aveli, dá entrada no Tribunal de Haia, havendo decisão do processo em 12 de Abril de 1960 (22 de Dezembro).

Votada a entrada de Portugal na ONU (14 de Dezembro). Vai dirigir a delegação portuguesa o embaixador Vasco Garin, com uma equipa onde colaboram jovens estrelas do salazarismo como Adriano Moreira, André Gonçalves Pereira, Henrique Martins de Carvalho, José Manuel Fragoso, Luís Teixeira Pinto e o então cônsul em Londres, Franco Nogueira. Outros Estados admitidos: Albânia, Áustria, Bulgária, Ceilão, Espanha, Hungria, Irlanda, Itália, Jordânia, Laos, Líbia, Nepal e Roménia.

Questão angolana– Prisão de Agostinho Neto (9 de Fevereiro) que é transferido de Caxias para o Porto em 20 de Maio seguinte, sendo apenas libertado em 12 de Junho de 1957. Entretanto, funda-se o Partido Comunista Angolano, por influência do PCP. A figura preponderante é o padre Joaquim Rocha Pinto de Andrade que cria bibliotecas móveis e escolas clandestinas nos bairros periféricos de Luanda, estabelecendo extensões no Catete e em Malange. Isto é, uma das bases do movimento nacionalista angolano assenta tanto em grupos oposicionistas metropolitanos como na zona de crenças que fazia coincidir capitalismo e comunismo.

 

Remodelação– Em 7 de Julho: Marcello Caetano como ministro da presidência; Veiga de Macedo nas corporações; António Pinto Barbosaö na economia, tendo como subsecretários de Estado Jacinto Nunes e José Gonçalo Correia de Oliveira (n. 1921); Raúl Ventura no ultramar. Leite Pinto assume a pasta da educação.

Conforme o comentário de Marcelo Rebelo de Sousa, é quase um Governo escolhido por Marcello Caetano...é o marcelismo, mitigado por alguns salazaristas. Por outras palavras, a modernização vai chamar-se televisão e Plano de Fomento, ao ritmo da OECE e sob o impulso do chamado Grupo da Choupana, nome do restaurante do Estoril onde se reuniam os marcelistas que se assumem como direitistas e republicanos.

Turbulências internas– Assinaladas algumas greves de pescadores (Matosinhos, Afurada, Espinho, Setúbal, Portimão) e de operários têxteis no Barreiro (Maio). Em Agosto há lutas de trabalhadores rurais alentejanos contra o desemprego. Segue-se uma vaga de prisões levadas a cabo pela PIDE, com cerca de uma centena de detenções entre estudantes, especialmente no Porto e no Norte do país. Entre os presos, ligados ao MUD Juvenil, Ângelo Veloso, A. Borges Coelho e Pedro Ramos de Almeida (5 de Janeiro).

Oposição republicana – Morte de Norton de Matos (2 de Janeiro), antes de o ministro do interior indeferir pedido de aprovação da Causa Republicana, apresentado por oposicionistas em Novembro de 1954 (Junho). Realiza-se uma sessão oposicionista no Centro Escolar Republicano Dr. António José de Almeida, a que se segue jantar de confraternização no Restaurante Central da Baixa (5 de Outubro).

Henrique Galvão tenta evadir-se do Hospital de Santa Maria de Lisboa, em 4 de Novembro, agredindo o polícia que o guardava, sendo julgado por esta conduta em 5 de Novembro de 1955.

Católicos. Proibida a publicação das conclusões do I Congresso da JOC, bem como as cerimónias de um jogo cénico que teria lugar depois da sessão de encerramento, por interferirem no terreno concreto do mundo político ou político-económico e político-social, segundo as considerações feitas, então, pelas autoridades.

& Caetano, Marcello (1977): 475; Costa, Ramiro da (II): 113; Cruz, Manuel Braga da (1998): 98; Nogueira, Franco (IV): 374 ss.; Presos Políticos no Regime Fascista 1952-1960: 147 ss. (165 presos); Sousa, Marcelo Rebelo de (1999): 69, 70.

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: