1961
 

Abril
Do golpe dos generais em Argel ao falhado desembarque na Baía dos Porcos

 

 

Golpe dos Generais Salan, Challe, Zeller e Jouhaud em Argélia. Recebe o apoio de algumas forças paraquedistas e da Legião Estrangeira. Fracasso total (21 a 22 de Abril).

Challe e Zeller rendem-se no dia 25. As restantes forças integram-se na OAS, apoiada por Jacques Soustelle e Georges Bidault.

Khruchtchov avisa os escritores contra a infiltração burguesa.Iuri Gagarine a bordo da Vostok I, é o primeiro homem no espaço (12 de Abril)

 

Dirk Stikker novo secretário-geral da NATO (18 de Abril)

Fracasso do desembarque de exilados cubanos na Baia de los Cocinos (20 de Abril). A invasão, apoiada pela CIA, tinha como objectivo o derrube do regime castrista e a reposição da velha ordem.

72 horas depois, esta pequena força expedicionária é esmagada pelo exército de Fidel, provocando um sério embaraço à administração Kennedy.

Abrilada Movimentação de várias personalidades do regime, lideradas pelo ministro da defesa, Júlio Botelho Moniz, e apoiadas pelo antigo presidente da república, Craveiro Lopes, visando afastar Salazar através de um golpe palaciano. Chega a falar-se no regresso de Craveiro Lopes à presidência, com Marcello Caetano a chefiar o governo.

Tudo acontece quando acaba de tomar posse John Kennedy como presidente norte-americano (20 de Janeiro) e nas vésperas de começar o terrorismo em Angola. A influência ou a ilusão de intervenção de Washington está latente, tanto para os conspiradores, como para os adesivos ao salazarismo que pretendem requerer, dos norte-americanos, a bênção para a liderança da transição pós-salazarista.

E vários candidatos a delfins perfilam-se para a escolha. Moniz, no dia 17 de Fevereiro, avista-se com Elbrick, embaixador norte-americano, informando-o sobre as projectadas movimentações, tendo em vista forçar Salazar a liberalizar a sua política. Nova reunião entre os dois em 6 de Março.

Em 28 de Março, o ministro avista-se com Salazar.

Em 5 de Abril tem uma audiência com Américo Tomás.

No dia 6, o Presidente da República reúne-se sucessivamente com Soares da Fonseca, Ulisses Cortês, Santos Costa e Salazar.

No dia 11, nova reunião de Tomás com Salazar e na noite desse dia volta a receber Botelho Moniz que insiste na demissão de Salazar.

No dia 12, o mesmo almoça com o ministro do exército e volta a reunir-se com Salazar, Soares da Fonseca e Botelho Moniz. Mas, nesse dia, Kaúlza de Arriaga, tem que dar conhecimento ao ministro da defesa do processo e põe várias unidades da força aérea em regime de prevenção.

No dia 13 consuma-se o chamado golpe de Botelho Moniz, com uma reunião na Cova da Moura entre os ilustres amotinados.

Entretanto, previamente, Salazar remodela o governo, assumindo a pasta da Defesa. A explicação da alteração é Angola: andar rapidamente e em força é o objectivo que vai pôr à prova a nossa capacidade de decisão

Remodelações Em 13 de Abril: Salazar assume a pasta da defesa, em substituição de Botelho Moniz;. Mário Silva no exército, tendo como subsecretário Jaime da Fonseca e com um novo CEMGFA, Gomes de Araújo; Adriano Moreira na pasta do ultramar, substituindo Lopes Alves (até 4 de Dezembro de 1962).

 

Aquele que era acusado de ter pertencido ao MUD e que chegou a estar preso em1947, depois de acusar Santos Costa de homicida voluntário, já então era considerado pelos norte-americanos como um Salazar em novo e Jorge Jardim, seu futuro padrinho de casamento, fala num eficaz medicamento contra o terrorismo em Angola, o moreiromicida, enquanto os adversários o alcunham de Adriano Moreia. Se Deslandes o acusa de autocrático...tem a mania de demitir pessoas, já Mário Soares, depois de, através de uma subtil insinuação, o acusar de traição, na primeira edição de O Portugal Amordaçado, o irá ilibar nas posteriores edições portuguesas, depois de insistentes pedidos de Teófilo Carvalho Santos.

 

Mas talvez ele apenas quisesse copiar o oportunismo do seu modelo castelhano: Manuel Fraga Iribarne, de quem se tornaria compadre. E acaba por executar um novo projecto, com um certo profissionalismo politológi co, nomeadamente pelo uso de um novo conceito de intelligence, a partir do Centro de Estudos Político-Sociais da Junta de Investigação do Ultramar e do ensaio de uma política de imagem, conseguida pelo uso televisivo das suas viagens de soberania a zonas de guerra.

 

Se Adriano Moreira chega a propor a criação de um governo autónomo para a Guiné e Cabo Verde e outros advogam a criação artificial de uma Cabinda independente, não faltam os que sugerem a entrega de uma base naval à China, em Mormugão. A heterodoxia também chega a entusiasmar Franco Nogueira que discute com Salazar a hipótese da entrega de Macau à China e de se dar a independência à Guiné e a São Tomé e Príncipe. Só que, enquanto os dignitários lançavam estes cenários, os soldados e os povos iam morrendo e a propaganda transformava os políticos ministerialmente instalados em patrióticos heróis, ao mesmo tempo que os oposicionistas eram condenados por traição.

 

CONCP – Numa reunião ocorrida em Casablanca surge uma Conferência das Organizações Nacionais das Colónias Portuguesas (dias 18 e 19 de Abril), congregando o MPLA, a União Nacional dos Trabalhadores de Angola, o Partido do Congresso de Goa, o Comité de Libertação de S. Tomé e Príncipe, o PAIGC e a União Democrática Nacional de Moçambique. Tem como base um anterior Movimento Anti-Colonialista, criado em1957, a que se seguiu, em 1959, um Comité de Libertação dos Territórios Africanos sob Domínio Português e, em Março de 1960, uma Frente Revolucionária Africana para a Independência Nacional das Colónias Portuguesas. Se esta ainda defende a não-violência e a desobediência civil, já a CONCP clama pela conquista imediata da independência nacional e a liquidação total do colonialismo português. Padre Joaquim Pinto de Andrade é novamente detido, sendo libertado em 19 de Agosto seguinte (26 de Abril).

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

Ver síntese do ano

 

 

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: