Primitive Government

Lucy Mair assume‑se contra a distinção entre sociedades sem Estado e sociedades com Estado considerando que depois de um período de Governo Mínimo, marcado por uma autoridade fraca, com um número restrito de detentores do poder, e antes da chegada do Governo Estatal, teria existido uma fase intermédia, a do Governo Difuso, onde, o poder apesar de pertencer a todo o conjunto da população adulta do sexo masculino, é efectivamente assegurado por algumas instituições, por sua vez dominadas por certas pessoas. Salienta, neste sentido, que foram as relações de clientela e de dependência pessoal do feudalismo que constituiram o germe do Estado Moderno. Coonsidera também que não existe nenhuma sociedade em que as regras sejam efectivamente cumpridas.

Revolution (On),1962 Obra de Hannah Arendt, onde se compara a revolução norte-americana com a revolução francesa. Depois de uma introdução sobre Guerra e Revolução, a obra estende-se por seis caps. : O significado da Revolução, A Questão Social, A Procura da Felicidade, "Constitutio Libertatis", "Novus Ordo Saeculorum", A Tradição Revolucionária e o seu Tesouro Perdido. Se na revolução americana, enquanto revolução política, "o poder nascia quando e onde o povo se unia entre si e se ligava por meio de compromissos, pactos e garantias mútuas", na Revolução Francesa, enquanto revolução social, o poder é uma violência natural pré‑política, "uma força que, na sua própria violência, tinha sido libertada pela revolução e, tal como um ciclone, havia varrido todas as instituições do antigo regime". Do mesmo modo enquanto a Revolução Americana se baseia na reciprocidade e na mutualidade, nos compromissos mútuos que assenta em associações e organismos constituídos por meio de acordos, já a Revolução Francesa é marcada pela multidão cuja confiança veio de uma ideologia comum. Refere mesmo que a Revolução Americana é marcada por uma ideia de pactum unionis, contrariamente à Revolução Francesa, onde triunfou a ideia de pactum subjectionis. Se o primeiro é marcado pelos princípios republicano ‑ que considera que o poder reside no povo ‑ e federal ‑ existem alianças duradouras sem perda de identidade dos aliados ‑, já o segundo aceita os da autoridade absoluta e o nacional ‑um representante da nação é um representante do todo. Se o primeiro se assume como compromisso e reciprocidade, feito na presença uns dos outros, sendo uma fonte de poder para cada pessoa individual, já o segundo é consentimento e abdicação do poder individual, feito na presença de um qualquer Deus e onde o governo adquire o monopólio do poder.

(cfr. trad. port. de I. Morais, Sobre a Revolução, Lisboa, Moraes Editores,1971).

MacPherson, Crawford Brough (n. 1911) Professor canadiano. Teoriza o individualismo possessivo, definido como uma concepção do indivíduo visto essencialmente como o proprietário da sua própria pessoa e capacidades, não pertencendo nenhuma delas à sociedade. Este modelo de individualismo acirra o egoísmo, defende a propriedade, dizendo respeito ao primitivo capitalismo do laissez faire. Cria a chamada sociedade de mercado.

· The Political Theory of Possessive Individualism. Hobbes to Locke

Oxford, Oxford University Press,1962.

Militares e política S. Finer em The Man on Horseback, de 1962, relaciona os processos de intervenção militar com os tipos de cultura política. Numa cultura política madura, onde a legitimidade fundamental é inalcançável pelos militares, estes apenas têm intervenção política pela influência. Numa cultura política desenvolvida, onde a legitimidade é importante e resistente aos militares, estes apenas podem fazer chantagem. Numa cultura política baixa, onde a legitimidade, apesar de ter alguma importância, é apenas fluída, o nível característico da intervenção militar visa a substituição do governo de civis por um governo militar. Finalmente, na cultura política mínima, onde a legitimidade não tem importância, a intervenção militar visa substituir um regime civil por um regime militar.

 

Kuhn, Thomas Samuel (1922-1996) Filósofo da ciência norte-americano. Forma-se em fisica. Introduz o termo paradigma na análise do desenvolvimento histórico da ciência. Considera que toda a ciência obedece a um paradigma, a uma visão do mundo sancionada pela comunidade científica, o que requer inevitavelmente um acto de fé. Porque não há fundamentos racionais para a escolha entre os múltiplos paradigmas disponíveis, dado que muitos deles podem resolver uma série de problemas. Há, assim, uma ciência normal, quando se dá a aplicação estável de um paradigma. Salienta também que a ciência normal, que obedece a esse paradigma, quando as anomalias se acumulam, é derrubada por uma revolução científica, da qual surge um novo paradigma. O progresso científico dá-se quando surgem as tais anomalias, fenómenos que o paradigma não consegue explicar, pelo que se inicia uma revolução científica em busca de um novo paradigma, o qual, quando é adoptado pela comunidade científica, produz o progresso científico. Considera, portanto, que há uma descontinuidade no progresso científico, com longos períodos de normalidade, quando conduzidos inteiramente no interior de um paradigma dominante, a que se sucedem as perturbações ocasionadas pelas revoluções centíficas.

· The Copernican Revolution

1957.

· The Structure of Scientific Revolutions

Chicago, The University of Chicago Press,1962 [trad. fr. La Structure des Révolutions Scientifiques, Paris, Éditions Flammarion,1972].

Galaxy (The) Gutenberg", 1962 Obra do canadiano Marshall McLuhan, subtitulada The Making of Typographic Man. Considera que a mensagem, que o conteúdo, é o medium, o continente. A invenção do papiro provoca o aparecimento do império burocrático dos faraós do Egipto. A imprensa leva à difusão da reforma protestante no espaço alemão. A imprensa quotidiana popular promove a difusão do nacionalismo no século XIX. A televisão contribui para a não distinção entre o público e o privado. Assiste-se agora à passagem da galáxia Gutenberg para a galáxia Marconi. Em A Galáxia de Gutenberg, de 1962, consagra a expressão aldeia global. Considera que desde 1905 a galáxia eléctrica destruiu a galáxia de Gutenberg e o homem tipógrafo. Gera-se nova inquietude de tempos sem escrita, marcados pela comunicação oral. Uma intensa comunicação, onde a forma, o continente, tende a ser mais importante do que a matéria, o conteúdo. The Gutenberg Galaxy. The Making of Typographic Man,1962 [trad. fr. La Galaxie de Gutenberg, Paris, Éditions Mame,1965; trad. port. A Galáxia de Gutenberg, São Paulo, Companhia Editora Nacional,1977 Gutenberg…. [trad. fr. La Galaxie de Gutenberg, Paris, Éditions Mame,1965; trad. port. A Galáxia de Gutenberg, São Paulo, Companhia Editora Nacional,1977]

Buchanan, James McGill (n. 1919) Chefe de fila da chamada Public Choice School. Prémio Nobel da economia em1986. Marcado pelo individualismo metodológico e pelas teses de Schumpeter e Downs, considera o Estado, não como um corpo homogéneo, mas como uma multiplicidade de grupos concorrentes e divergentes, como uma organização humana onde são tomadas decisões por seres humanos sensíveis aos mais variados interesses particulares (v.g. pecuniários, profissionais, éticos,etc.). Recuperando Rousseau, defende a unanimidade do contrato social.

· The Calculus of Consent. Logical Foundations of Constitutional Democracy

Ann Arbor, University of Michigan Press,1962. Con Gordon Tullock.

 

Arendt, Hannah

On Revolution, 1962 (trad. port. Sobre a revolução, Lisboa, Moraes Editores, 1971).

Aron, Raymond

- Paix et Guerre entre les Nations, Paris, Éditions Calmann-Lévy, 1962.

- Propos (à) de la Théorie Politique, 1962

- Dix-Huit Leçons sur la Societé Industrielle, Paris, Éditions Gallimard, 1962.

Bacharach, Peter

Two Faces of Power, 1962

Baretz, Jean

La Fin des Politiques, Paris, Éditions Calmann-Lévy, 1962.

Battaglia, Felice Et Alii

I Partiti e lo Stato, Bolonha, Edizioni Il Mulino, 1962.

Birch, Anthony H.

Representation, Basingstoke, Macmillan Press, 1962.

Blitzer, Charles/ Friedrich, Carl Joachim

The Age of Power, Nova York, 1962.

Boulding, Kenneth

Conflict and Defense, Nova York, Harper Collins, 1962.

Bouthoul, Gaston

- Sauver la Guerre, 1962

- Le Phénomène des Guerres, Paris, Librairie Payot, 1962 (trad. port. O Fenómeno da Guerra, Lisboa, Estúdios Cor, 1966).

Brandt, R. B.

Social Justice, Englewood Cliffs, Prentice-Hall, 1962.

Brzezinski, Zbigniew

Ideology and Power in Soviet Politics, Nova York, Praeger Press, 1962.

Buchanan, James/ Tullock, Gordon

The Calculus of Consent. Logical Foundations of Constitutional Democracy, Ann Arbor, University of Michigan Press, 1962.

Chabod, Frederico

Historia de la Ideia de Europa, 1962 (José Maria Gimeno, trad., Madrid, Editorial Norte y Sur, 1967).

Chambers, W. N./ Salisbury, R. H. Eds.

Democracy Today. Problems and Prospects, Nova York, Collier Books, 1962.

Chardin, Teilhard De

énergie (L’) Humaine, Paris, Seuil, 1962

Charlesworth, James C.

The Limits of Behaviouralism in Political Science, Filadélfia, 1962

Châtelet, François

Logos et Praxis, 1962

Clastres, Pierre

«échange et Pouvoir», in L’Homme, n.º Jan., pp. 53-54, Paris, 1962.

Crozier, Michel

Le Phénomène Bureaucratique, Paris, Éditions du Seuil, 1962

Curtis, Michel

Great Political Theories, Nova York, Avon Books, 1962.

Deleuze, Giles

Nietzsche et la Philosophie, 1962

Dijlas, Milovani

Conversations With Stalin, 1962

Duclos, Pierre/ Brugmans, Henri

Fédéralisme Contemporain, 1962

Dumont, René

Africa começa mal, 1962

Duverger, Maurice

Les Attitudes Politiques, Paris, Presses Universitaires de France, 1962.

Ellul, Jacques

Propagandes, Paris, Librairie Armand Colin, 1962

Evans-Pritchard, Edward

Essays in Social Anthropology, 1962

Evola, Giuliio Cesare Andrea

Cavalcare la Tigre, 1962

Finer, Samuel E.

The Man on Horseback. The Role of Military in Politics, Londres, Pall Mall Press, 1962.

France, Mendes

La République Moderne, 1962

Frankel, Charles

The Democratic Prospect, Nova York, Harper & Row, 1962

Friedman, Milton

Capitalism and Freedom, Chicago, The University of Chicago Press, 1962.

Friedrich, Carl Joachim, Ed.

Liberty, Nova York, Atherton Press, 1962.

Galvan, Enrique Tierno

Tradición y Modernidad, Madrid, 1962

Germani, Gino

Política y Sociedade en una Epoca de Transición. De la Sociedad Tradicional a la Sociedad de Masas, trad. cast., Buenos Aires, Ediciones Paidós, 1962.

Giddens, Anthony

Politics and Sociology in the Thought of Max Weber, Londres, 1962.

Goodman, Paul

Utopian essays, 1962

Gurvitch, Georges

Dialectique et Sociologie, Paris, Éditions Flammarion, 1962 (trad. port. Dialéctica e Sociologia, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1982).

Habermas, Jürgen

Strukturwandel der Öffentlichkeit, Neuwied, 1962 (trad. port., Mudança Estrutural da Esfera Pública. Investigação quanto a uma Categoria da Sociedade Burguesa, Rio de Janeiro, Biblioteca Tempo Universitário, 1984).

Halbecq, M.

L’État, son Auctorité, son Pouvoir (1880-1962), Paris, Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence, 1964.

Heusch, Luc

«Pour une Dialectique de la Sacralité du Pouvoir», in Le Pouvoir et le Sacré, Bruxelas, Annales du Centre d’étude des Réligions, 1962.

Hintze, Otto

Staat und Verfassung, Göttingen, Vandenhoeck & Ruprecht Verlag, 1962 (trad. it. Stato e Società, Bolonha, Zanichelli, 1980).

Hippel, Ernst Von

Historia de la Filosofia Política, 2 vols., trad. cast., Madrid, Instituto de Estudios Políticos, 1962.

Huntington, Samuel P. Ed.

Changing Patterns of Military Politics, Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1962.

Iribarne, Manuel Fraga

Carl Schmitt. El Hombre y su Obra, Madrid, 1962.

Jaguaribe, Hélio

Desenvolvimento Económico e Desenvolvimento Político, Rio de Janeiro, Editora Fundo de Cultura, 1962.

Kohn, Hans

Age (The) of Nationalism. The First Era of Global History, Nova Iorque, Harper and Row, 1962

Kuhn, Thomas

The Structure of Scientific Revolutions, Chicago, The University of Chicago Press, 1962 (trad. fr. La Structure des Révolutions Scientifiques, Paris, Éditions Flammarion, 1972).

Lacroix, Jean

Histoire et Mystère, 1962 (trad. port. História e Mistério, São Paulo, Livraria Duas Cidades, 1967).

Lancelot, Alain/Meynaud, Jean

Les Attitudes Politiques, Paris, Presses Universitaires de France, 1962.

Lane, Robert E.

Political Ideology. Why the American Common Man Believes What He Does, Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1962.

Lapalombra, Joseph

Bureaucracy and Political Development, Princeton, Princeton University Press, 1962.

Lasswell, Harold D.

The Future of Political Science, Nova York, Atherton Press, 1962.

Lévi-Strauss, Claude

Claude, La Pensée Sauvage, Paris, Librairie Plon, 1962.

Lopez, Robert

La Naissance de l’Europe, Paris, 1962.

Machlup, Fritz

Production and Distribution of Knowledge, The, 1962

Macpherson, Crawford Brogh

The Political Theory of Possessive Individualism. Hobbes to Locke, Oxford, Oxford University Press, 1962.

Madison

Papers (The) of James Madison, Chicago, University of Chicago Press, 1962

Mair, Lucy P.

Primitive Government, Harmondsworth, Penguin Books, 1962

Mcluhan, Marshall

The Gutenberg Galaxy. The Making of Typographic Man, 1962 (trad. fr. La Galaxie de Gutenberg, Paris, Éditions Mame, 1965; trad. port. A Galáxia de Gutenberg, São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1977).

Meynaud, Jean

Nouvelles Études sur les Groupes de Pression en France, Paris, Librairie Armand Colin, 1962.

Mills, C. Wright

The Marxists, Nova York, Laurel Books, 1962.

Mises, Ludwig Von

- Liberalism in the Classic Tradition, 1962

- Ultimate (The) Foundations of Economic Science, 1962

Mitchell, William C.

The Polity, Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1962.

Morgenthau, Hans J.

- Politics in the Twentieth Century, Chicago, The University of Chicago Press, 1962.

- The Restoration of American Politics, Chicago, The University of Chicago Press, 1962.

Oakeshott, Michael

Rationalism in Politics, Londres, 1962

Parsons, Talcott/Shils, Edward

Towards a General Theory of Action, Cambridge, Massachussetts, Harvard University Press, 1962.

Ranney, Austin

Essays on the Behavioral Study of Politics, Urbana, University of Illinois Press, 1962.

Riker, William H.

The Theory of Political Coalitions, New Haven, Yale University Press, 1962.

Rothbard, Murray

Man, Economy and the State, 2 vols., Princeton, Van Nostrand, 1962.

Rougemont, Denis De

Les Chances de l'Europe, Neuchâtel, Baconnière, 1962

Sartori, Giovanni

A Teoria da Representação no Estado Representativo Moderno, trad. port., Belo Horizonte, Edições da Revista Brasileira de Estudos Políticos/Faculdade de Direito da Universidade de Minas Gerais, 1962.

Senghor, Léopold Sédar

Pierre Teilhard de Chardin et la Politique Africaine, Paris, Éditions du Seuil, 1962.

Simon, Herbert

- A General Theory of Authority, Notre Dame, University of Notre Dame Press, 1962.

- Administration et Processus de Décision, trad. fr., Paris, Éditions Oeconomica, 1983.

Smelser, Neil J.

Theory of Collective Behavior, Glencoe, The Free Press of Glencoe, 1962.

Storing, J. H.

Essays in the Scientific Study of Politics, Nova York, Holt, Rinehart & Winston, 1962.

Thorson, Thomas Landon

The Logic of Democracy, Nova York, Holt, Rinehart & Winston, 1962.

Toynbee, Arnold

America and the World Revolution, 1962

Vedel, G. De

La Dépolitisation, Paris, Librairie Armand Colin, 1962.

Verdross

Filosofia del Derecho der Mundo Occidental, 1962

Watson, S.

Economic Policy. Business and Government, Boston, Houghton & Mifflin, 1962.

 

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: