1963
 

Agosto

 

 

Tratado de Moscovo sobre a proibição de ensaios nucleares nos mares e nos ares, subscrito pelos USA, Reino Unido e URSS (5 de Agosto). Apenas continuam autorizados os ensaios subterrâneos.

Reino Unido: dá-se o chamado assalto do século ao comboio-correio entre Glasgow e Londres, sendo roubadas 2,6 milhões de libras (7 de Agosto)

Golpe de Estado no Congo-Brazza, subindo ao poder Massemba Debat(16 de Agosto)

Novo governo na Noruega. O conservador John Lyng sucede ao social-democrata Gerharddsen (26 Agosto)

Nos Estados Unidos, a marcha pelos direitos cívicos liderada por Martin Luther King (1929-1968) mobiliza 200 000 pessoas (28-08-1963), pouco antes de se tornar operacional o célebre telefone vermelho entre Washington e Moscovo (28-08-1963). Entretanto, dá-se o assassinato de John Kennedy (22-11-1963) em Dallas, sucedendo-lhe o vice-presidente Lindon B. Johnson, no ano em que já estão no Vietname cerca de 15 000 conselheiros norte-americanos.

Entra em acção o telefone vermelho entre Moscovo e Washington (31 de Agosto)

Oposição – Directório Democrato-Social dirige mensagem ao Presidente do Conselho solicitando o reconhecimento da personalidade jurídica da oposição (25 de Agosto). Também em Agosto se dá uma reunião do comité central do PCP, onde, pela primeira vez, se manifestam as divergências daquilo que virá a ser a cisão de Francisco Martins Rodrigues, membro do comité central, que elabora o relatório Luta pacífica e luta armada no nosso movimento. Será expulso em Janeiro seguinte. Cunhal tem, então, intimas relações com a hierarquia soviética, sendo directamente recebido por Mikhail Suslov. Enquanto começam as emissões da emissora Rádio Voz da Liberdade, a partir de Argel, onde se destacará a voz de Manuel Alegreö , o irreverente conspirador Carlos Vilhena (1889-1988), maçon e um dos tenentes do 28 de Maio, activista do reviralho desde 17 de Junho imediato e não falhando quase nenhum dos golpes anti-Ditadura desde então, chega a esboçar a fundação de uma Organização Republicana, fiel ao lema de que a história é feita em última análise com o gatilho. Continua infelizmente por fazer o inventário profundo destas conspiratas, algumas delas revelando a manutenção do velho espírito carbonário, onde as parelhas conspiratórias actuaram ingloriamente durante os anos cinquenta, numa chamada ORP, Organização da República Portuguesa.

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro
     

 

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: