1969
 

Outubro
O triunfo da social-democracia, entre Palme e
Brandt

 

 

RFA: Willy Brandt, chanceler alemão, num governo de coligação SPD/FDP; Walter Scheel nos estrangeiros; na declaração governamental de 28 de Outubro é desencadeada a ostpolitik pela oferta de negociações com a RDA, segundo a fórmula dois Estados, uma Nação (21 Outubro).

Revalorização do marco de 9,29% (24 de Outubro)

General Garrastzu Medici é designado presidente da república no Brasil (7 de Outubro)

Olof Palme* assume a chefia do governo da Suécia, após vinte e três anos de governo Tage Erlander ( 9 de Outubro)

Golpe de Estado na Somália (21 de Outubro). A república, independente desde 1960, vai passar a ser liderada pelo general Siad Barre, que se assume como socialista e se alia à URSS

Eleição nº 62 para a Assembleia Nacional (26 de Outubro). Lei nº 2 137 de 26 de Dezembro de 1968, estabelece o sufrágio feminino. Decreto-lei nº 49 229 de 10 de Setembro também permite que se atinja um recorde de 1 809 000 eleitores. Lista da União Nacional obtém 980 000 votos.

Eleições relativamente livres com a participação de três listas de oposição. CDE obtém em Setúbal 34,7%; em Lisboa, 18,5%; no Porto, 5,1%. CEUD obtém 7,8% no Porto. CEM apenas 0,8. Rejeitados cinco candidatos da oposição e toda a lista que esta apresentou em Moçambique, aqui com o argumento de não fazerem prova de serem portugueses. Entre os potenciais candidatos, António Almeida Santos, Carlos Adrião Rodrigues, Eugénio Lisboa e Rui Knopfli.

O regime introduz mecanismos propagandísticos, cabendo a tarefa à agência Latina, dirigida por Jorge Tavares Rodrigues que também produz vários trabalhos de contra-informação para Marcello Caetano, em conjugação com César Moreira Baptista e Clemente Rogeiro. O slogan de campanha da União Nacional é Tenha confiança no futuro, enquanto a CDE opta por Na tua voz, a força do povo e a CEUD prefere ser Por um Portugal livre e melhor.

 

 

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

Ver síntese do ano

 

 

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: