2000
 

Fevereiro
Aznar com maioria absoluta e Kumba na Guiné


 

Governo austríaco da OVP e da FPO (3 de Fevereiro). A composição governamental de 2000 suscita uma vaga de repúdio por toda a Europa, principalmente por causa do líder do FPO, Jorg Haider, governador da Caríntia. Este partido que ainda em 1986 apenas obtivera 5% dos sufrágios atingiu em Outubro de 1999 o nível dos 23%. Utilizando como principal bandeira a luta contra o situacionismo corrupto da Proproz, a coligação entre os sociais-democratas do SPO e dos democratas-cristãos do OVP, foi acusado de racismo e de xenofobia, nos seus projectos de restrição da emigração. Com efeito, a Áustria possui cerca de 750 000 emigrantes, vindos principalmente do Leste, correspondentes a 9% da população, mas atingem o nível dos 20% em Viena. Estes dois temas levaram a que o partido conseguisse um eleitorado onde dominam os cidadãos masculinos (cerca de 62%), um em cada dois operários e um terço dos novos eleitores (35% dos votos no FPO são se pessoas com menos de 30 anos). Outros temas secundários, mas mobilizadores, são os da luta contra os burocratas de Bruxelas e da desconfiança face ao alargamento da Europa para os países de Leste. Assumindo este populismo, num vivo ataque ao clientelismo Haider também se assume como o protector dos fracos, dos desmepregados aos reformados, com a habitual incorência dos populistas, dado que muda o discurso conforme os públicos. Inserindo-se magnificamente nos modelos do Estado Espectáculo, torna-se numa autêntica pop star. Reforça-o a imagem como governador da Caríntia, onde obteve 43% dos votos, e tem intensas relações com Umberto Bossi o líder da vizinha Liga do Norte. Insere-se no processo da xenofobia defensiva típica das paixóes identitárias. Os Estados da União Europeia tiveram uma imediata reacção, principalmente através das declarações do presidente em exercício, António Guterres, invocando a circunstância da Europa ter princípios, isto é, o Estado de Direito, a Democracia e os Direitos do Homem, e o próprio Parlamento Europeu aprova uma moção contra as declarações xenófobas e racistas de Haider, insurgindo-se contra esta pretensa legitimação da Extrema Direita na Europa (03-02-2000).

Maioria absoluta de Aznar (12 de Fevereiro). Novo líder do PSOE, José Luís Zapatero (22 de Julho)

É iniciada em Bruxelas, Bélgica, a conferência intergovernamental sobre a reforma institucional (14 de Fevereiro)

Chuvas torrenciais e cheias em Moçambique (4 de Fevereiro)

X Conferência da CNUCED (12 de Fevereiro)

Kumba Yalá toma posse como presidente da Guiné-Bissau (16 de Fevereiro)

Timor e incineradoras. Já o Presidente Sampaio visita oficialmente Timor-Leste (Fevereiro) 

 

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

Ver síntese do ano

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 23-04-2009