Augusto Pinochet
(n. 1915)
   

 

    

 

Militar chileno. Maçon, como Allende, é por este nomeado em 9 de Setembro comandante supremo das forças armadas, acabando por derrubá-lo em 11 de Setembro de 1973

Cabeça da Junta militar, passa de chefe supremo da Nação, em Junho de 1974, a presidente da república, em 17 de Dezembro do mesmo ano

Misturando o terrorismo de Estado, assente na delação e na polícia política, da DINA, ao CNI de 1977, com o super-liberalismo de Milton Friedman, que chega a receber, tentou resistir através do processo plebiscitário.

No de 11 de Setembro de 1980, aprovou uma nova constituição, no de 5 de Outubro de 1988 não recebeu mandato para prolongar a sua ocupação do poder.

Em 11 de Março de 1990, um presidente eleito substituía-o, mantendo-se como chefe das forças armadas e senador vitalício.

Será preso em Londres em Outubro de 1998, com a justiça britânica a responder a um mandato de um juiz espanhol. Voltará ao Chile em Março de 2000 e em Julho de 2002 já renuncia ao mandato de deputado, para responder sucessivamente a inculpações da justiça chilena, com o respectivo estado de saúde mental.

Autor de uma Geopolítica, na senda das teses do Estado de Segurança Nacional, onde define o poder como a força organizadora da vida social no sentido mais amplo que detém o Estado, compreendendo a organização da população para exercer a autoridade sobre o espaço e sobre a massa humana localizados no interior dos limites do Estado, tendo em vista pôr em prática a vontade do Estado.

 

 

Voltar início

Cosmopolis  © José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 19-03-2009