Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

||Home

ANO:1879


SUMÁRIO:
Destaques Cronologia Acontecimentos Bibliografia Personalidades Livros do Ano Falecimentos e Nascimentos

I – DESTAQUES

PORTUGALMUNDO

Política

· Tratado de Lourenço Marques (Maio)

· Governo de Braancamp (Junho)

· Aprovado o Tratado sobre a índia (Junho)

· Eleições (Outubro)

·

·

·

Ideias

· é já nos primeiros tempos do governo progressista que Rafael Bordalo Pinheiro lança a revista satírica António Maria, onde colabora Ramalho Ortigão.

·

· Sammllungs Politik. A política de juntar todos, assumida pela Alemanha guilhermina na era pós-Bismarck, visando uma grande união de todas as forças políticas e sociais contra o SPD, o que permitiu, no plano político a emergência dos centristas e, no plano social e económico, um modelo proteccionista que favoreceu os grandes agrários, liderados pelos Junkers, os cavalheiros da indústria e grandes homens de negócios.

· Aeterni Patris. .Leão XIII. Encíclica papal, onde se recomenda o estudo da obra de São Tomás de Aquino. A partir de então, desencadeia-se o neo-tomismo.

·

II – CRONOLOGIA

NACIONAL

· Fevereiro

3 Novo directório republicano com Oliveira Marreca, Latino Coelho, Sousa Brandão, Bernardino Pinheiro e Eduardo Maia.

11 Ministro das obras públicas apresenta proposta de concurso para o porto de Leixões

- Na Câmara dos Pares, o governo é também atacado por Casal Ribeiro.

· Maio

28 Os progressistas na Câmara dos Pares suspeitam das relações entre o ministério da fazenda, de António Serpa, e o Banco Nacional Ultramarino. Criticada a concessão da exploração das minas, baldios e florestas da Zambézia ao capitão Paiva de Andrade. O governo é particularmente atacado por Sabugosa, Mariano de Carvalho e José Frederico Laranjo. No dia 28 de Maio consegue vencer votação sobre a matéria, mas apenas por oito votos. No dia seguinte, Serpa apresenta a demissão, arrastando todo o governo.

31 Assina-se o Tratado de Lourenço Marques que não só admitia o desembarque de tropas britânicas nesse porto, como também admitia o patrulhamento das costas moçambicanas por navios britânicos

· Junho

1 Governo de José Anselmo Braancamp.Até 25 de Março de 1881; dura 664 dias Os ministros têm quase todos experiência governamental, à excepção de Adriano Machado e Barros Gomes.

- Governo promete moralidade e liberdade. Avilistas, através de Barros e Cunha, prometem apoio. Dias Ferreira, pelos constituintes, fala apenas em benevolência. Os regeneradores entram em imediata oposição, através dos discursos de Lopo Vaz, Hintze Ribeiro e Júlio Vilhena. O deputado independente visconde Moreira de Rei indigna-se, criticando o flagelo dos princípios, pelo facto de ter caído um governo que tanto tinha a maioria na Câmara dos Deputados, como a confiança do monarca. Por isso suspende funções.

- O primeiro governo progressista vai enredar-se nas teias do Tratado de Lourenço Marques, negociado no último dia do anterior governo regenerador. O novo partido progressista, pela primeira vez no poder, vai também ser marcado pela contestação republicana de 1880, quando emerge um patriotismo imperial, animado pela criação do mito camoniano que nasce contra um governo da esquerda monárquica.

9 Chega a Lisboa Serpa Pinto. Iniciara a travessia de áfrica com Capelo e Ivens em 7 de Julho de 1877. No Bié, em 12 de Novembro do mesmo ano, separa-se de Capelo e Ivens, que se dirgem para nordeste, e segue para sul, chegando a Pretória em 12 de Fevereiro de 1879.

12 Começa a publicar-se o periódico António Maria de Rafael Bordalo Pinheiro, com a colaboração de Ramalho Ortigão e Guilherme de Azevedo.

18 é aprovado o tratado sobre a índia, negociado pelo anterior governo, através de Andrade Corvo. Para o executar, como comissário na índia, foi designado o constituinte António Augusto de Aguiar, que partiu em 6 de Setembro.

· Julho

10 O governo, pelo ministro Saraiva de Carvalho, cria uma comissão para estudar a crise agrícola do país. Participam, entre outros, António Luís de Seabra, José Maria dos Santos e Vicente Ferrer Neto Paiva.

· Agosto

29 Dissolução da Câmara dos Deputados. Partido constituinte de Dias Ferreira na oposição ao governo progressista.

· Outubro

19 Eleições

· Ainda em 1879...

INTERNACIONAL

· 4 de Agosto Encíclica Aeterni Patris de Leão XIII, papa de 1878 a 1903, propõe um regresso dos católicos ao pensamento de São Tomás de Aquino.

·

·

·

III - ACONTECIMENTOS DO ANO

IV – BIBLIOGRAFIA

AUTORES

OBRAS

AZCáRATE, Gumersindo de

Ensayo sobre la Historia del Derecho de Propriedad y su Estado Actal en Europa, 1879-1893

BALFOUR, Arthur

Defense (A) of Philosophical Doubt, 1879

BRAGA, Teófilo

Soluções Positivas da Política Portuguesa , Lisboa, Nova Livraria Internacional, 1879, 2 vols.: I - Da aspiração à revolução e sua disciplina em opinião democrática; II - Do advento evolutivo das ideas democráticas). História das Ideas Republicanas em Portugal (Lisboa, Livraria Sousa Neves, 1880).

FRANTZ, Constantin

Der Federalismus als leitende Prinzip fur die soziale staaliche und internationale Organisation , Mainz, Scientia Verlag Aalen, 1879

GLADSTONE

Gleanings of Past Years,1879.

GREEN, Thomas Hill

Lectures on the Principles of Political Obligation, 1879-1880

LAFITTE, Pierre

De la Morale Positive, Havre, 1879.

NABUCO, Joaquim

Discursos Parlamentares, 1879-1889.

NIETZSCHE

Menschliches, Allzumenschliches, 1879-1886

V - PERSONALIDADES DO ANO

Iglesias, Pablo (1850-1925) Operário espanhol, fundador do Partido Socialista Obrero Espanol em 1879 e da Unión General de Trabajadores, em 1888. O primeiro deputado socialista em 1910. Opóe-se à entrada dos socialistas espanhóis na III Internacional. Em 1879 o tipógrafo madrileno Pablo Iglesia funda o Partido Socialista Obrero Español, intimamente ligado à UGT. Alia-se em 1910 com os republicanos, permitindo o acesso de Iglesias ao parlamento. Promove uma greve geral falhada em 1917. Os adeptos da revolução de 1917 abandonam o partido em 1921 para formarem o PCE.

 

Lafitte, Pierre (1825-1903) Positivista, amigo e discípulo de Comte. Depois da morte deste, assume a ala ortodoxa do positivismo, dirigindo seita como sumo sacerdote da religião da humanidade, de 1857 a 1879.

· Les Grans Types de l’Humanité, 2 vols, Paris, 1875-1876.

· De la Morale Positive, Havre, 1879.

· Cours de Philosophie Première, Paris, 1889-1895.

Frantz, Constantin (1817-1891) Filósofo alemão. Cônsul em Barcelona de 1853 a 1856. Começando influenciado por Hegel e Schelling, acaba por aderir ao empirismo. Mistura a defesa de um naturalismo organicista com o federalismo. Assume a necessidade de uma ciência natural do Estado, criticando aqueles que até então apenas se preocuparam com os aspectos morais e legais. Acentua a necessidade de perspectivar-se o político de acordo com os elementos físicos e naturais, nomeadamente a influência do clima e das condições geográficas. Neste sentido, considera que o Estado é uma entidade natural que tem uma estrutura essencialmente orgânica. Defensor de um federalismo hegemónico, acentua a necessidade do federalismo no plano internacional ser acompanhado de idêntico federalismo no plano interno. Advoga a primazia da Alemanha no processo, não só porque esta nação estaria para o federalismo, assim como a França estava para o centralismo, mas também pela circunstância do génio germânico ter uma missão universal. Ele, que se opunha àquilo que considerava depreciativamente a máquina unificadora prussiana, propõe que, para a construção europeia, visualizada como uma confederação de federações primárias, se comece por um sistema coordenado de três federações: uma, da Alemanha ocidental e dos países de língua alemã que lhe são fronteiros; outra, da Alemanha oriental e dos países bálticos; a terceira, com a áustria e os países danubianos. A França não poderia entrar por ser centralista. A Rússia era excluída por ser imperialista. E a Grã-Bretanha, por ser uma ilha, apenas daria a respectiva amizade. Seguir-se-ia uma federação latina, que designa como romana. No plano político geral, defende a aristocracia como forma natural de organização política.

· Vorschule zur Physiologie der Staaten

Berlim, 1857.

· Die Naturlehre des Staats als Grundlage aller Staatswissenschaft

1870.

· Der Nationalliberalismus und die Judenherreschaft

1874.

· Der Foderalismus als leitende Prinzip fur die soziale staaliche und internationale Organisation

Mainz, Scientia Verlag Aalen, 1879.

· Die Weltpolitik,

Chemnitz, 1882-1883. 3 vols..

VI - LIVROS DO ANO

VII - FALECIMENTOS E NASCIMENTOS

FALECIMENTOS

NASCIMENTOS

CAREY, Henri-Charles (1793-1879)

RIVARA, Joaquim Heliodoro da Cunha (1809-1879)

BAINVILLE, Jacques (1879-1936)

BEVERERIDGE, Henry William, 1º barão de (1879-1963).

EINSTEIN, Albert (1879-1955)

ESTALINE, Joseph Vissariunovitch Djugachvili dito (1879-1953)

MARTINS, F. J. Rocha (1879-1952)

OLIVEIRA, António Correia de (1879-1960)

PASCOAES, Joaquim Pereira Teixeira de Vasconcelos (1879-1952)

TROTSKY, Lev (1879-1940)

VASCONCELOS, Amadeu Cerqueira de (1879-1952)


Image
© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 01-05-2009 © José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 01-05-2009