Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

||Home

ANO:1890


SUMÁRIO:
Destaques Cronologia Acontecimentos Bibliografia Personalidades Livros do Ano Falecimentos e Nascimentos

I – DESTAQUES

PORTUGALMUNDO

Política

· Governo de António Serpa (Janeiro)

· Eleições gerais (Março)

· Assinatura do Tratado de Londres (Agosto)

· Surge a Liga Liberal (Agosto)

· Governo de João Crisóstomo (Outubro)

·

·

·

Ideias

· Tempo de Finis Patriae. É intensa a propaganda republicana, expressando-se, sobretudo, com a publicação de Finis Patriae de Guerra Junqueiro, antigo deputado progressista. O rei D. Carlos é atacado directamente e surge mesmo um artigo de António José de Almeida que o qualifica como Bragança, o último. Os republicanos, contudo, estão divididos, especialmente pela campanha levada a acbo por Homem Christo contra Elias Garcia.

· Morre Camilo Castelo Branco

· Em Harvard, era criada a Faculty of Arts and Science e uma das suas doze divisões era a de History and Political Science que, em 1911, se subdivide nos departamentos de Government e de Political Economy.

· Inicia-se a publicação na Universidade da Pennsylvania, dos Annals of the American Academy of Political and Social Science.

· Da ciência política à estratégia. O fundador da primeira escola de ciência política contemporânea, o norte-americano John William Burgess, publica a sua primeira obra de fundo, Political Science and Comparative Constitutional Law, enquanto o professor de direito em Oxford, Sir Frederick Pollock edita Na Introduction to the History of the Science of Politics. Já o historiador naval norte-americano, Alfred Thayer Mahan, edita em Boston, Influence of Sea Power upon History 1660-1783, onde defende a supremacia do poder naval, que vai influencias as perspectivas do futuro presidente norte-americano, Theodor Roosevelt.

 

 

 

II – CRONOLOGIA

NACIONAL

· Janeiro

14 Governo de António Serpa. O governo tomou posse depois do Ultimato britânico. Conciliaram-se as famílias regeneradoras e Barjona de Freitas terminou com a dissidência da esquerda dinástica, aceitando o cargo de embaixador em Londres. Mas é dominando por aquilo que Lopes d’Oliveira qualifica como os práticos tarimbeiros da política (homens cinzentos do aparelho do partido regenerador durante o governo de António Serpa.), ao contrário do sonho bismarkiano, então manifestado por Oliveira Martins.

- Lopo Vaz dissolve a câmara municipal de Lisboa, na altura liderada pelo progressista Fernando Palha

· Fevereiro

11 Comício republicano na Rua da Palma, em Lisboa, seguindo-se cortejo até ao Largo Camões. A manifestação é dissolvida pela campanha de apitos da Guarda Municipal, havendo apenas pranchadas.

· Março

- Régie dos tabacos é entregue a Burnay em troca de um empréstimo externo

23 O estudante republicano António José de Almeida publica um artigo com o escandaloso título de Bragança, o último.

29 Decreto sobre o direito de associação

30 Eleições gerais, onde ocorreram violentos incidentes. Dez mortos e cerca de 40 feridos. 5 049 729 habitantes no continente e ilhas. 1 315 473 cidadãos masculinos maiores de 21 anos. 951 490 eleitores (18,8% da população total; 72,3% da população masculina maior de 21 anos). 169 deputados. 79 por círculos uninominais no continente. 58 por círculos plurinominais no continente, um círculo por cada sede de distrito. 4 por círculos plurinominais nas ilhas. 12 pelo ultramar. 6 deputados por acumulação de votos. Vitória dos governamentais regeneradores. 115 deputados pelo continente e ilhas. Esquerda Dinástica desaparece e apoia o governo regenerador. 33 deputados progressistas pelo continente e ilhas. 3 deputados republicanos (Elias Garcia, Latino Coelho, Manuel de Arriaga), todos por Lisboa, com o apoio dos progressistas, em lista de protesto. No poder, o governo regenerador de António Serpa.

· Abril

5 Remodelação governamental. Criação do ministério da instrução pública, para onde vai João Arroio que é substituído na marinha e ultramar por Júlio de Vilhena

7 Lei das rolhas de Lopo Vaz

11 é posto à venda o Finis Patriae de Guerra Junqueiro. Aí se ataca directamente a figura do rei: Papagaio real, diz-me: quem passa? /– é alguém, é alguém que foi à caça/ Do caçador Simão!

14 Eleições para os pares

19 Reabrem as Cortes

· Maio

4 Realiza-se em Lisboa um comício operário na Rua Nova da Piedade, onde se invoca Karl Marx

6 Barros Gomes na Câmara dos Deputados pede ao governo a publicação de um Livro Branco

19 Governo apresenta propostas financeiras. Ai se prevê a arremetação do monopólio dos tabacos.

· Junho

1 Morte de Camilo Castelo Branco

· Julho

- Padeiros ameaçam aumentar o preço do pão

· Agosto

20 Assinatura do tratado de Londres. Será públicado no Diário do Governo do dia 30.

- Aparece a Liga liberal, movimento de protesto surgido durante o governo de António Serpa contra a assinatura do Tratado de Londres. O movimento, presidido por Augusto Fuschini e participado por João Crisóstomo chegou a mobilizar uma manifestação com cerca de 400 oficiais fardados. Em 14 de Outubro, João Crisóstomo constituiria um governo extrapartidário.

· Setembro

15 Tratado de Londres é apresentado na Câmara dos Deputados

20 Entre 20 e 24 de Setembro, arruaças em Lisboa duramente reprimidas pelo governador civil Paço d’Arcos. As sessões da Câmara dos Deputados e da Câmara dos Pares são suspensas por falta de quorum

· Outubro

14 Governo de João Crisóstomo. Depois de 28 dias de crise governamental, constitui gabinete João Crisóstomo. O governo vai ser apoiado pela Liga Liberal. Sofrerá os efeitos da revolta republicana de 31 de Janeiro de 1891.

- Os republicanos estão divididos, especialmente pela campanha jornalística de Homem Christo contra Elias Garcia. mas a unidade é estabelecida no congresso realizado no Porto de 5 a 7 de Janeiro de 1891. Aprovado novo programa para o partido que foi publiacdo em 11 de Janeiro de 1891.

· Novembro

24 Augusto José da Cunha substitui José de Melo Gouveia na fazenda

· Dezembro

10 Mariano Carvalho regressa de áfrica

17 Batalhão académico de Coimbra oferece-se a António Enes para combater em áfrica

· Ainda em 1890...

INTERNACIONAL

·

· Ainda em 1890...

- Com a extinção da linha masculina da família real holandesa, o grão-ducado passou para outro ramo da família Nassau.

 

 

III - ACONTECIMENTOS DO ANO

IV – BIBLIOGRAFIA

AUTORES

OBRAS

BASTOS, Teixeira

Princípios de Filosofia Positiva, 1890

BURGESS, John William

Political Science and Comparative Constitutional Law, 1890

CâNDIDO, António

Discursos e Conferências, 1890.

CASTRO, Pimenta de

Projecto de Lei Eleitoral, 1890

CATHREIN, Viktor

Sozialismus (Der), Friburgo, 1890

COELHO,Adolfo

Esboço de um Programa Antropológico,Patológico e Demográfico do Povo Português,Lisboa,1890

FERRY, Jules

Tonkin (Le) et la Mère Patrie, 1890

FOUILLé, Alfred

évolutionisme (L’) des Idées-Forces, 1890

JAMES, William

Principles of Psychology, 1890

JEVONS, William Stanley

Pure Logic, 1890.

MAHAN

Influence (The) of Sea Power upon History. 1660/1783, Boston, Little Brown, 1890

POLLOCK, Frederick

An Introduction to the History of the Science of Politics , 1890

QUEIROZ, Eça de

Campanha Alegre, 1890

QUENTAL, Antero de

- Tendências Gerais da Filosofia na Segunda Metade do Século XIX, 1890

SIMMEL, Georg

Soziale Differenzierung, 1890

SPENCER, Herbert

Essays, Scientific, Political and Speculative, 1890

TARDE, Gabriel

Lois (Les) de l'Imitation, 1890

TONNIES

Problem (Das) der Soziologie, 1890

WEBB, Sydney

Socialism in England, 1890

V - PERSONALIDADES DO ANO

Simmel, Georg (1858-1918) Filósofo alemão. Estuda em Berlim. Na senda de Diltthey, considera que a vida, além de procurar acrescentar-se (mehr-leben), visa também o transcender (mehr-als-leben), isto é, transformar-se em ideia. Procura uma sociologia pura que faz radicar nas interacções psicológicas que se dão entre os indivíduos. Adopta uma perspectiva atomicista e psicologista. Visa uma sociologia sistemática formal, pela procura daquilo que designa por forma (Gestalt), os invariantes constitutivos de qualquer instituição.

· La Tragédie de la Culture et autres Essais,Paris, Ed. Rivages

· Uber soziale Differenzierung. Sociologische und Psychologische Untersuchen

Leipzig, Duncker / Humblot, 1890.

· Die Probleme der Geschichtesphilosophie

Leipzig, Duncker / Humblot, 1892; (Problemas Fundamentais da Filosofia

Trad. Port. de Inah Oliveira do Amaral Aguiar, Coimbra, Atlântida, 1970.)

· Philosophie des Geldes,1900; (Trad. ingl. The Philosophy of Money, Londres, Routledge / Kegan Paul, 1955)

· Grundfragen der Soziologie,1917.

 

Quental, Antero de (1842-1891) Antero Tarquínio de Quental. Activista da Questão Coimbrã em 1865. Participa nas Conferências do Casino de 1871. Em Portugal perante a Revolução da Hespanha. Considerações sobre o Futuro da Política Portuguesa no Ponto de Vista da Democracia Ibérica, um folheto publicado em 1868, depois de Isabel II ter sido derrubada por Prim, dizia que a nacionalidade não passava de uma forma passageira e artificial, de um facto do mundo político e como ele transitório e alterável, que ela não seria o símbolo único, a forma mais perfeita do sentimento nobre, o amor da Pátria. Propunha então que nas nossas actuais circunstâncias o único acto possível e lógico de verdadeiro patriotismo seria renegar a nacionalidade. Para ele as forças mais moças e inteligentes, os elementos mais generosos da nossa sociedade estão comprimidas, as asfixiadas por esta forma estreita da velha nacionalidade. Entre uma coisa e outra é necessário escolher. Ora eu sustento que, entre as realidades eternas da natureza humana, de um lado e, do outro, a criação artificiosa e antiquada da política, não há que hesitar. Se não é possível sermos justos, fortes, nobres, inteligentes senão deixando cair no abismo da história essa coisa a que se chamou nação portuguesa, caia a nação, mas sejamos aquilo que nos criou a natureza, sejamos inteligentes, nobres, fortes, justos, sejamos homens, muito embora deixemos de ser portugueses. Era então que ele advogava um iberismo espiritual, defensor de uma Espanha, não como uma nação, mas como um aglomerado de elementos justapostos, mas não fundidos, integrados numa república democrática e federalista. Neste sentido, as nacionalidades eram consideradas como coisa velha e caduca, como um obstáculo desgraçado, resto das hostilidades fatais de séculos bárbaros. Em 1869 ainda advogava que Portugal está na classe dos povos extintos, como a Grécia: tem ainda habitadores que mantêm uma nacionalidade in nomine; mas esta utopia, formada sobre os in-fólios dos cronicões, tem de se desmoronar por si mesma. é triste, mas é verdade. No discurso de 27 de Maio de 1871, integrado nas Conferências Democráticas do Casino Lisbonense, Causas da Decadência dos Povos Peninsulares nos últimos Três Séculos, falava com nostalgia do tempo medieval, dado que neste o instinto político de descentralização e federalismo patenteia-se na multiplicidade de reinos e condados soberanos, em que se divide a Península, como um protesto e uma vitória dos interesses e energias locais, contra a unidade uniforme, esmagadora e artificial, acrescentando que esse espírito não é só independente: é, quanto a época o comportava,singularmente democrático.Terminava, propondo: oponhamos à monarquia centralizada, uniforme e impotente, a federação republicana de todos os grupos autonómicos, de todas as vontades soberanas, alargando e renovando a vida municipal, dando-lhe um carácter radicalmente democrático, porque só ela é a base e o instrumento natural de todas as reformas práticas, populares, niveladoras.Refira-se que entre Março e Maio de 1870 tinha ocorrido a Comuna de Paris e é nesse ambiente que, em Maio, era editado em Portugal o periódico A República, onde, para além de Antero, também pontificava Oliveira Martins. Dois anos depois, quando surgia a Fraternidade Operária, aconteciam em Portugal as primeiras greves. Nesse mesmo ano, em 10 de Março, o proselitismo de Antero e de Oliveira Martins, juntamente com o de José Fontana, emitiam novo jornal militante, O Pensamento Social, ao mesmo tempo que, no Porto, surgia o jornal católico A Palavra. Contudo, esta primeira vaga socialista não vão frutificar num país onde se vive uma certa euforia capitalista. Basta recordar que no ano de 1873, há uma aparente opulência, manifestada pela fundação de cerca de dois bancos por mês. No ano seguinte, o estado financeiro continua a ser admirável, graças à grande circulação de numerário. Só em 1875 é que podia fundar-se o Partido Operário Socialista, estruturando-se um movimento de pensamento que vai levar Costa Goodolphim a editar a obra A Associação. Contudo, a ideologia que vai ser predominante em toda essa geração será o positivismo de Augusto Comte cujas linhas vulgarizadoras, bem expressas na revista O Positivismo de Teófilo Braga (1843-1924) e Júlio de Matos, publicada entre 1878 e 1882, vão ser fundamentais na conformação do nosso movimento republicano. é também nesse ano de 1878, quando é eleito papa Leão XIII, que Oliveira Martins começa a inflectir o seu pensamento em As Eleições, depois completado pelo Portugal Contemporâneo de 1881, dois anos antes da morte de Karl Marx. Como o próprio Antero vai considerar em 1887, em carta dirigida a Wilhelm Storck, era um tempo em que vivia num paganismo intelectual requintado, numa religiosidade falsa e só aparente que não chegaria à essência das coisas. Era um tempo em que lia Proudhon e Michelet, bem como Hegel, a tal singular aliança ... do naturalismo hegeliano e do humanitarismo radical francês. E ao mesmo tempo ... conspirava a favor da União Ibérica, que seria feita por meio da República Federal, então representada em Espanha por Castellar, Pi y Margall e a maioria das Cortes Constituintes. O Iberismo era uma grande ilusão da qual porém só desisti (como de muitas outras desse tempo) à força de golpes brutais e repetidos da experiência. Tanto custa a corrigir um certo falso idealismo nas coisas da sociedade!. Em 1888, em carta dirigida a Fernando Leal, considera: parece que estamos num período análogo ao da dissolução do mundo romano, ao qual se deve seguir uma nova Idade Média. Quem sabe o que sairá dela, quando lhe soar a hora da sua Renascença? E talvez que só então valham e tenham utilidade de aplicação as doutrinas dos filósofos e publicistas de hoje. Foi assim que muitas ideias de Aristóteles e dos Estóicos só se vieram a realizar e a adquirir valor social no século XV e XVII!!. & Tendências Gerais da Filosofia na Segunda Metade do Século XIX,1890.

· Portugal perante a Revolução de Espanha. Considerações sobre o Futuro da Política Portuguesa no Ponto de Vista da Democracia Ibérica,1868.

· Causas da Decadência dos Povos Peninsulares nos últimos Três Séculos,1871

· Filosofia da Natureza dos Naturalistas,1886.

· Ensaio sobre as Bases Filosóficas da Moral ou Filosofia da Liberdade,1893.

· Prosas,Coimbra, Imprensa da Universidade, 3 vols., 1923, 1926, e 1931.

· Testamento Filosófico de Antero de Quental, Pref. e notas de Sant'Anna Dionísio, Lisboa, 1946).

· Textos Doutrinários e Correspondência, Org. de Álvaro Manuel Machado, Lisboa, Edições Círculo de Leitores, 1987).

 

Pollock, Sir Frederick (1845-1937) Professor de direito em Oxford. Admirador do juiz norte-americano Oliver Wendell Holmes.

· Principles of Contract, 1876

· Law of Torts, 1887

· An Introduction to the History of the Science of Politics , 1890

· Essays in the Law, Londres, 1922.

Mahan, Alfred Thayer (1840-1914).Historiador naval norte-americano. Oficial, professor do Naval War College e director da instituição de 1886 a 1889 e de 1892 a 1893. Influencia os defensores da supremacia do poder naval. Tem como seguidor o presidente norte-americano Theodor Roosevelt, eleito sucessivamente em 1901 e 1904, depois de ter sido secretário de Estado adjunto para a marinha. Outro dos seguidores da tese é o almirante alemão Alfred von Tirpitz, um dos instrumentos da Weltpolitik do Kaiser Guilherme II. Mahan está para a estratégia naval, como Clausewitz está para a estratégia militar em geral

· Influence of Sea Power upon History, 1660-1783, Boston, 1890

· The Influence of Sea Power upon the French Revolution and Empire, 1793-1812,1892

· The Life of Nelson,1897

· The Interest of America in Sea Power, Present and Future,1897

Alfred Jules Emile Fouillé (1838-1912) Professor em Bordéus e na Escola Normal Superior. Teoriza o conceito de ideias forças, que vai influenciar o institucionalismo de Maurice Hauriou.

Um dos criadores do organicismo, tentando criar uma terceira força capaz de combinar as ideias de contrato com as de organismo social, misturando biologismo e psicologismo, bem como determinismo com vontade livre, num sincretismo e ecletismo bem galicista.

No plano político, acaba por ser um estadualista, ao contrário das posições assumidas por Herbert Spencer, que tanto o influenciou. Assim considera que a sociedade é um organismo psíquico contratual que só existe através do indivíduo que é condicionado pela hereditariedade colectiva, pelo determinaismo social e pelo contrato livre

· L'Avenir de la Métaphysique fondée sur l'Expérience, 1889.

· La Philosophie de Platon, 1869.

· Histoire de la Philosophie, 1875.

· La Science Sociale Contemporaine, Paris, Hachette, 1880.

· La Proprieté Sociale et la Démocratie, 1884.

· L’évolutionisme des Idées-Forces, Paris, 1890.

· Psychologie des Idées Forces , Paris, 1893.

· La Démocratie Politique et Sociale en France, Paris, 1910.

VI - LIVROS DO ANO

& Political Science and Comparative Constitutional Law (1890). Obra de John William Burgess, marcada pelo hegelianismo da teoria geral do Estado. Considera este como o produto da progressiva revelação da razão humana através da história. Aí aborda as temáticas da nação, do Estado, da liberdade e das formas de governo, muito à maneira de Bluntschli.

VII - FALECIMENTOS E NASCIMENTOS

FALECIMENTOS

AMADEU I de Sabóia (1845-1890)

BRANCO, Camilo Botelho Castelo (1825-1890) 1º Visconde de Correia Botelho

CORVO, João de Andrade (1824-1890)

NEWMAN, John Henry, Cardeal (1801-1890)

SARAIVA DE MORAIS FIGUEIREDO, António Ribeiro (1800-1890)

STEIN, Lorenz von (1815-1890)

 

NASCMENTOS

BETTI, Emilio (1890-1968)

BRAGA, Luís Carlos de Lima de Almeida (n. 1890)

EISENHOWER, Dwight (1890-1969)

FIGUEIREDO, Mário de (1890-1969)

GAULLE, Charles André Joseph Marie de (1890-1970)

GUéHENNO, Jean-Marie (1890-1978)

HO CHI MIN (1890-1969)

LEWIN, Kurt (1890-1947)

MENESES, Afonso Augusto Falcão Cota de. Bourbon e (n. 1890)

PASSOS, Carlos de (1890-1958)

PASTERNAK, Boris (1890-1960)

SELVAGEM, Carlos (n. 1890)

 


Image
© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 01-05-2009 © José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 01-05-2009