Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

||Home

ANO:1894


SUMÁRIO:
Destaques Cronologia Acontecimentos Bibliografia Personalidades Livros do Ano Falecimentos e Nascimentos

I – DESTAQUES

PORTUGALMUNDO

Política

· Regresso da epidemia de Cólera (Fevereiro)

· Fim da Salamancada (Março)

· Eleições (Abril)

· Nasce a União Liberal (Julho)

· Morre Oliveira Martins (Agosto)

· Governo entra em ditadura (Novembro)

· Forma-se a Coligação Liberal, juntando progressistas e republicanos

· Em França, início do caso Dreyfus

·

·

Ideias

·

·

· Surge a revue de Droit Public et de la Science Politique

· O ano do psicologismo, político e sociológico, expresso pelas obras de Gustave Le Bom e Franklin Giddings, quando a nascente psicologia, aliada ao evolucionismo, reforça o positivismo e o organicismo, que se sentem ainda mais científicos

· Falar em raça torna-se tão científico que até justifica o anti-semitismo de Drumont que cria o jornal La France Juive.

· Thoreau publica Civil Desobedience, obra que vai influenciar o indiano Ghandi

II – CRONOLOGIA

NACIONAL

· Janeiro

- O cacique progressista do Porto Oliveira Monteiro declarou ou vamos para casa; ou vamos para a república; ou para o miguelismo. Outro progressista, Albano de Melo diz: se não formos um partido monárquico, seremos um partido republicano.

29 Manifestações das associações comerciais e industriais de Lisboa contra a política fiscal do governo. Anunciado comício para o dia 29 de Janeiro de 1894, é proibido

31 As eleições são adiadas sine die e surgem decretos dissolvendo a Associação Comercial de Lisboa, a Associação Industrial e a Associação de Lojistas.

· Fevereiro

12 Carlos Lobo de ávila cria a Câmara do Comércio e Indústria. Oliveira Martins está gravemente doente.

- Volta a epidemia de cólera.

· Março

5 Convocadas as Cortes para o dia 1 de Outubro.

11 Encerra a salamancada. Assinado o acordo sobre os caminhos de ferro que põe fim à questão da salamancada. Os bancos do Porto fundem-se, fiacando apenas dois: o banco Aliança e o banco Comercial.

· Abril

15 Eleições. Os progressistas quase desaparecem de Lisboa. 1894 é considerado o ano de tosquia dos progressistas. Eleições realizadas durante o primeiro governo de Hintze Ribeiro, com João Franco na pasta do reino. Os governamentais regeneradores que se apresentam como concentração monárquica obtêm uma vitória esmagadora, reduzindo os progresistas a 11 deputados e os republicanos a dois deputados eleitos por Lisboa. Um universo de 986 233 eleitores tem de escolher 169 deputados: 79 por círculos uninominais no continente e 58 por círculos plurinominais no continente. Há um círculo por cada sede de distrito. 14 deputados por círculos plurinominais nas ilhas. 12 pelo ultramar. 6 deputados por acumulação de votos. 2 deputados republicanos em Lisboa.

· Maio

4 O governo decreta a abertura da Câmara dos Deputados apenas para o dia 1 de Outubro.

27 O jornal Correio da Tarde observa: a Constituição está suspensa, a soberania nacional foi atacada nos seus foros e nas suas franquias mais valiosas, os direitos do povo foram ofendidos e conspurcados, o regime representativo foi suprimido, sob a responsabilidade do Rei, que, faltando aos seu juramento, se colocou for a da Constituição unicamente porque à sua vontade aprouve fazê-lo, porque assim lhe pareceu melhor, segundo declarou, para os altos interesses da Nação

· Junho

8 António Cândido anuncia o respectivo regresso aos progressistas a fim de continuar a pelejar pelas conquistas liberais.

· Julho

2 Constitui-se uma União Liberal entre progressistas e republicanos , enquanto os alemães ocupam Quionga no norte de Moçambique.

· Agosto

24 Morre Oliveira Martins. Tem, então 49 anos.

· Setembro

1 Lobo de ávila substitui Frederico Arouca nos estrangeiros. Artur Alberto Campos Henriques nas obras públicas

27 Reorganização das Alfândegas

· Outubro

1 Reabre o parlamento. João Franco considera: não é já com ficções constitucionais que o País vai. O País conhece-nos a todos! Conhece-nos a todos, sabe o que cada um de nós exerce, o que cada um de nós ganha. O País sabe bem que a oposição progressista é uma oposição bifronte.

· Novembro

28 Governo entra em ditadura. São encerradas as Cortes e deixa de haver parlamento até Janeiro de 1895. Situação semelhante apenas ocorrera em 1847.

· Dezembro

3 As oposições coligadas reunem-se na redacção do Correio da Noite. Neste dia, formava-se a Coligação Liberal, juntando progressistas e republicanos. Surgem importantes comícios anti-governamentais.

9 Grande comício no Campo Pequeno, com republicanos e progressistas juntos. José Maria de Alpoim proclama que a pátria está em perigo. No Porto, o conde de Samodães também preside a comício de protesto no teatro do Príncipe Real.

INTERNACIONAL

· Ainda em 1894...

- Em França, início do caso Dreyfus

- Francesco Crispi, Líder do executivo italiano em 1887-1891 e 1893-1896. Siciliano, seguidor de Mazzini e de Garibaldi e primeiro sulista a tornar-se num homem forte de Itália. Reprime as revoltas populares da Sicília neste ano.

III - ACONTECIMENTOS DO ANO

Coligação Liberal (1894) Nome dado à junção de progressistas e liberais, decidida na redacção do Correio da Noite em 3 de Dezembro de 1894, depois do governo de Hintze Ribeiro ter entrado, mais uma vez, em ditadura. Já antes, em Julho, as mesmas forças tinham criado uma União Liberal. A coligação promove imediatamente grandes comícios unitários de protesto, presididos em Lisboa por José Maria Alpoim e no Porto pelo conde de Samodães

Dreyfus, Caso (1894-1906) O oficial francês Alfred Dreyfus (1859-1935), depois de acusado de passar segredos para a Alemanha, foi condenado, num ambiente social e político antijudaico. Emile Zola em 13 de Janeiro de 1898 sai em defesa de Dreyfus em J’accuse, é apoiado pelo jonal L'Aurore de Clemenceau. A campanha, depois de denunciar o anti-semitismo, logo passa a movimento anticlerical, com movimentações dos radicais e da maçonaria, contando com o apoio de Anatole France. Do lado dos anti-Dreyfus, unem-se católicos e monárquicos, de Barrès a Maurras, destacando-se o jornal católico La Croix, que denuncia os judeus como inspiradores do anticlericalismo.. Neste ambiente, surge, a partir de 1899, a república radical, quando Waldeck-Rousseu constitui em Julho desse ano o governo de défense républicaine. Nas eleições de 1902 triunfa a république militante que leva à lei da separação.

IV – BIBLIOGRAFIA

AUTORES

OBRAS

BENOIST, Charles

La Politique, 1894

BRAGA, Teófilo

A Pátria Portuguesa. O Território e a Raça, 1894

CâNDIDO, António

Discursos Parlamentares. 1880 - 1885, Porto, 1894.

CASTRO, Pimenta de

Problema Eleitoral, A Mais Racional e a Mais Prática solução do,1894

DITHLEY

Ideen uber bescreibende und zergliedernde Psychologie, 1894 (Ideias sobre psicologia descritiva e analítica).

DUGUIT, Léon

Fonctions (Les) de l'Etat Moderne, 1894

GOMES, João Augusto Marques

Luctas Caseiras, 1894

LE BOM, Gustave

Lois Psychologiques de l'évolution des Peuples, Paris, Alcan, 1894.

MARX, Karl

Kapital (Das). Kritik der politischen Ökonomie, 1867-1894

MONTENEGRO, Artur

Questões de Direito Internacional Privado. Teoria da unidade e universalidade da fallencia, Coimbra, 1894.

PRAçA, Joaquim Lopes

II- Constituições Políticas de Portugal, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1894

QUENTAL, Antero de

A Filosofia da Natureza dos Naturalistas, Ponta Delgada, 1894

SOREL

D'Aristote à Marx,l'Ancienne et la Nouvelle Métaphysique,Paris,1894

STAMMLER

Theorie des Anarchismus, 1894

THOREAU

Civil Disobedience, 1894

TOLSTOI, Leão

O Reino de Deus está dentro de ti, 1894

WEBB, Sidney/

POTTER, Beatrice

History of Trade-Unionism, 1894

WINDELBAND

Geschichte und Naturwissenschaft, 1894

V - PERSONALIDADES DO ANO

Giddings, Franklin Henry (1855-1931) Fundador da primeira cadeira de sociologia norte-americana na Columbia University de Nova Iorque, no ano de 1894. Marcado pelo chamado evolucionismo psicológico. Define a sociologia como a ciência que procura conceber a sociedade na sua unidade e pretende explicá-la através das leis das causas cósmicas. A sociedade é vista como um fenómeno psíquico, condicionado por um processo físico. Há uma consciencialização da espécie, uma razão social. Depois de 1918 já considera que a sociologia é uma ciência estatística pelo método.

· The Principles of Sociology. An Analysis of the Phaenemona of association and Social Organization1899.

· The Elements of Sociology1892.

· Indutive Sociology1901.

· Studies in the Theory of Human Society1922.

· Scientific Study of Human Society1924.

 

Castro, Joaquim Pereira Pimenta de (1846-1918) Oficial do exército. Republicano de antes de 1910. Matemático. Publica em 1884 um estudo sobre leis eleitorais, editando um projecto sobre a matéria em 1890. Assume-se como simpatizante dos evolucionistas, sendo até amigo pessoal de Manuel de Arriaga. Ministro da guerra de João Chagas, de 4 de Setembro a 8 de Outubro de 1911. é então o mais antigo general português em exercício. Adversário frontal do grupo dos jovens turcos. Goza da simpatia de Machado Santos. Tem como chefe de gabinete o tenente-coronel Gomes Teixeira e logo se incompatibiliza com dois colegas ministros, Duarte Leite e Sidónio Pais, a quem chama duas sábias nulidades. Será substituído em 8 de Outubro, acusado de falta de zelo na defesa da República contra a incursão de Paiva Couceiro. Chagas temia, sobretudo, a intervenção espanhola. Chefe do movimento das espadas de Janeiro de 1915. Acede então a Presidente do Ministério (de 25 de Janeiro a 14 de Maio de 1915), com o apoio do presidente Manuel de Arriaga. Era o mais antigo general do exército português. Conforme Machado Santos, repontão para cima e protector para baixo, era especialmente idolatrado pelos sargentos.

· A Mais Racional e a Mais Prática Solução do Problema Eleitoral, 1884

· Projecto de Lei Aplicável a Todas as Nações, 1890; (Obra traduzida e editada em várias línguas).

· O Ditador e Afrontosa Ditadura, Weimar, Wagner Humbold, 1915.

 

Drumont, édouard Adolphe 1844-1917Escritor francês. Animador do jornal anti-semita La Libre Parole, aparecido em 1892. Defende o carácter inferior dos judeus, criticando os banqueiros apátridas e acusando o grupo de instigar a corrupção. A obra antecede a questão Dreyfus. Considera que foram os judeus que introduziram o capitalismo em França. Porque o semita é negociante por instinto, tem vocação para o tráfico, a genialidade para tudo o que for troca, para tudo o que for oportunidade de enganar o seu semelhante, enquanto o ariano é agricultor, mange e, sobretudo, soldado: a guerra é o seu verdadeiro elemento, ele corre alegremente para o perigo, desafia a morte. A partir de então o anti-semitismo passa para a esquerda, dado que tinha sido defendido por autores como Fourier, Blanc, Proudhon e Blanqui.

· La France Juive, 1886 (cfr. Paris, Flammarion, 1985).

· La Fin du Monde. Essai d'Histoire Contemporaine, 1888.

· De l'Or, de la Boue et du Sang, 1896.

 

 

 

Duguit, Léon (1859-1928) Pofessor em Bordéus. Começa por ser especialmente marcado pelo organicismo evolucionista, à maneira de Spencer, como se reflecte em Droit Contitutionnel et Sociologie [1883] e em Des Fonctions de l'état Moderne [1894]. Numa segunda fase, a partir de 1901, evolui para um sociologismo experimentalista, influenciado por Durkheim, como se nota em L'état, le Droit Objectif et la Loi Positive [1901], L'état, le Gouvernement et les Agents [1903] e na primeira edição do Traité de Droit Constitutionnel [1911]. Numa terceira fase, já nos anos vinte, adopta a filosofia solidarista e aquilo que qualificou como sindicalismo integral, admitindo uma correcção ao respectivo realismo pelo idealismo de valores como o da justiça, o que se reflecte na segunda edição do Traité [1921]. é então que assume a defesa de uma concepção social de direito em nome do respectivo aspecto objectivista e realista. Critica os modelos da teoria geral do Estado, defensores da soberania absoluta do Estado, assumindo a defesa jurídica do solidarismo. Vive-se o ambiente posterior ao caso Dreyfus, assiste-se ao nascente sindicalismo e à defesa da descentralização territorial.

VI - LIVROS DO ANO

Lois Psychologiques de l'évolution des Peuples [1894] ä Bon, Gustave O autor, influenciado pela psicologia nascente, utiliza o conceito de inconsciente para aplicá-lo à predestinação dos povos, acreditando que cada povo possui uma constituição mental tão fixa como os seus caracteres anatómicos e que daí derivam os seus sentimentos, os seus pensamentos e instituições, as suas crenças e a sua arte. Assim, os mortos conformam as raças, produzem o inconsciente dos vivos e geram as almas dos povos, numa sucessiva cadeia de determinações. Um povo é, pois, um organismo criado pelo passado, pois a era das multidões é a dos primitivos. A multidão é conduzida quase exclusivamente pelo inconsciente. Os seus actos estão muito mais sob a influência da medula espinal do que sob o cérebro. Neste sentido, aproxima-se mais dos seres inteiramente primitivos.

VII - FALECIMENTOS E NASCIMENTOS

FALECIMENTOS

MARTINS, Joaquim Pedro de Oliveira (1845-1894)

STEPHEN, James Fritzames (1828-1894)

NASCIMENTOS

CéLINE, Louis Ferdinand (1894-1961)

COUDENHOVE-KALERGI, Richard (n. 1894)

DéAT, Marcel (1894-1955)

GURVITCH, Georges (1894-1965)

HESS, Rudolf (n. 1894)

KHRUCHTCHEV, Nikita (1894-1971)

LOPES, Francisco Higino Craveiro (1894-1964)

MACMILLAN, Harold (1894-1986)

OLIVEIRA, Artur águedo de (1894-1978)

PADOVANI, Umberto Antonio (1894-1968)

ROLÃO PRETO, Francisco de Barcelos (1894-1977).

SIMõES, Nuno (1894-1975)

TOMáS, Américo (1894-1987)

VELOSO S.J:, Agostinho (1894-1970)

WIENER, Norbert (1894-1963)


Image
© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 01-05-2009 © José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 01-05-2009