Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

||Home

ANO:1897


SUMÁRIO:
Destaques Cronologia Acontecimentos Bibliografia Personalidades Livros do Ano Falecimentos e Nascimentos

I – DESTAQUES

PORTUGALMUNDO

Política

· Governo de José Luciano (Fevereiro)

· Eleições (Maio)

·

· Assassinato de Cánovas del Castillo (Agosto)

· Congresso mundial sionista

·

Ideias

·

·

· Treitschke publica Politik, onde defende alguns dos principais signos do prussianismo politico, desde a ideia de Machtstaat à projecção da Weltpolitik. Está assim lançada a senda do nacionalismo pangermanista e justificada a política colonial do Segundo Reich

·

 

II – CRONOLOGIA

NACIONAL

· Fevereiro

6 D. Carlos não sancionou a proposta de nomeação de novos pares do reino.

7 Governo de José Luciano. Até 26 de Junho de 1900 Presidente acumula o reino. numa primeira fase: Veiga Beirão na justiça; Frederico Ressano Garcia, na fazenda; Barros Gomes na marinha e ultramar; Augusto José da Cunha, antigo mestre de D. Carlos e director da Casa da Moeda, nas obras públicas. General Francisco Maria Dias da Cunha, antigo governador da índia e de Moçambique, na guerra. Matias de Carvalho e Vasconcelos nos estrangeiros

Numa segunda fase, a partir de 18 de Agosto de 1898, apenas se mantêm: José Luciano Veiga Beirão (nos estrangeiros).

8 Dissolução das Cortes. Amnistia para os crimes de imprensa

- Pedem a demissão o conde do Restelo, então presidente da Câmara Municipal de Lisboa, e o general Queirós, comandante da Guarda Municipal. Mantém-se, contudo, o juiz Veiga.

11 Alvarás aprovam os estatutos das Associação Comercial de Lisboa, da Associação dos Lojistas de Lisboa e da Associação Industrial Portuguesa. Estavam pendentes para aprovação governamental desde 20 de Março de 1894.

26 Decreto sobre o emprego de trabalhadores nas obras públicas

- Surge o Grande Oriente de Portugal, cisão do Grande Oriente Lusitano Unido

· Abril

12 Inaugurada na Escola Politécnica a Exposição Oceanográfica de D. Carlos

15 Reunião em Lisboa do Congresso Pedagógico dos professores do ensino primário.

20 Inauguração na Academia das Ciências de Lisboa do 7º Congresso da União Internacional do Direito Penal.

31 Elvino de Brito nomeado provedor da Casa Pia

· Maio

3 Eleições

23 Comício republicano na Praça da Alegria, contra a alienação de parcelas do Ultramar.

 

· Junho

10 Abrem as Cortes.

13 Comício republicano no Porto sobre a situação financeira.

29 Conselho de Ministros aprova medidas de fomento agrícola

· Julho

3 Eduardo Coelho eleito presidente da Câmara dos Deputados

8 Começam as comemorações de Vasco da Gama na Sociedade de Geografia de Lisboa. Em 7 de Março, o governo decidiu não apoiar financeiramente as comemorações.

12 Ressano Garcia apresenta na Câmara dos Deputados as propostas financeiras do governo

· Agosto

- Crise financeira na praça do Porto

14 Entrega do cruzador Adamastor

- Veiga Beirão apresenta proposta de nova lei de imprensa

18 Morre em Alhandra o Dr. Sousa Martins.

24 Publicados no Diário do Governo os relatórios de Mouzinho de Albuquerque.

29 Comício republicano no Porto.

· Setembro

4 Encerram as Cortes.

- Modificação dos contratos com o Banco de Portugal e as companhias de fósforos e de tabacos.

· Outubro

21 Reis do Sião visitam Lisboa.

· Novembro

8 Barros Gomes, ministro da marinha, mantendo esta pasta, substitui o diplomata Matias de Carvalho e Vasconcelos nos estrangeiros.

· Dezembro

2 Morre o marquês de Sabugosa.

15 Mouzinho de Albuquerque regressa a Lisboa.

23 Organização do ministério do reino.

- Bernardino Machado declara-se republicano.

· Ainda em 1897...

INTERNACIONAL

· 9 de Agosto Em Espanha, assassinado Canovas del Castillo

· Ainda em 1897...

- Congresso Mundial Sionista promovido por Theodor Herzl

III - ACONTECIMENTOS DO ANO

IV – BIBLIOGRAFIA

AUTORES

OBRAS

ARANA, Sabino

El Partido Carlista y los Fueros Vasco-Navarros,1897

BARRÈS, Maurice

De l' énergie Nationale Romance em três volumes: Les Déracinés (1897), L'Appel au Soldat (1900) e Leurs Figures (1902).

DURKHEIM

Le Suicide,1897

HOLMES JR., Oliver Wendel

The Path of the Law, 1897

JAMES, William

Will to Believe, 1897

MAHAN, Alfred Thayer

- Interest (The) of America in Sea Power, 1897

- Life of Nelson, The, 1897

MAITLAND, Frederick William

Domesday Book and Beyond,1897

RATZEL, Friedrich

- Staat und Sein Boden, 1897

- Politische Geographie, 1897

STAMMLER

Recht und Wirtschaft,1897

TARDE, Gabriel

L’Opposition Universelle,1897

WEBB, Sidney/ POTTER, B.

Industrial Democracy,1897

V - PERSONALIDADES DO ANO

Cánovas del Castillo, Antonio 1828-1897 Escritor e político espanhol. Ministro em vários governos liberais de 1864 a 1868. Promove o regresso ao trono de Alfonso XII em Dezembro de 1874. Primeiro ministro de 1875 a 1881. Era então chefe dos conservadores que tinham a oposição dos liberais, liderados por Sagasta. Inspirador da Constituição de 1876. Regressa ao cargo de primeiro ministro em 1884-1885, 1890-1892 e 1895-1897. Assassinado por um anarquista italiano em 8 de Agosto de 1897. Cria o sistema político da Restauração que esteve em vigor em Espanha até 1923. Considera que o Estado não é um ser, não é mais do que uma instituição ou instrumento, mas um instrumento da personalidade humana. Deste modo, se opõe às concepções panteístas que nascem da pretensão de substituir com uma unidade humana e terrena a grande unidade divina que se procura fazer desaparecer da consciência do homem.

· Problemas Contemporáneos.

Treitschke, Heinrich Gotthard Von (1834-1896) Professor de história e política em várias universidades alemãs, como Leipzig, Friburgo, Kiel, Heidelberg e Berlim. Deputado entre 1871 e 1884. Autor de uma História da Alemanha no Século XIX, em sete volumes, onde assume o nacionalismo, acreditando no espírito do povo como capaz de produzer a unidade e a potência do Estado. Defensor de um Estado prussiano forte e de uma Weltpolitik que deveria desprezar os tratados internacionais que vinculavam a Alemanha. Considera que a moralidade de um Estado passa por este assegurar formas de poder que lhe permitam defender os respectivos interesses. é inspirador de uma série de autores do pangermanismo como F. Wohltmann e Johannes Unold. as respectivas teses justificam a política colonial germânica.

· Politik, 1897.

Carneiro, Júlio César de Morais (1850-1916) Autor brasileiro. Depois de formado em direito em 1874 e de ficar viúvo por duas vezes, ingressa no seminário e é ordenado sacerdote em 1891, assumindoi o nome de Padre Júlio Maria. Politicamente, opõe-se ao abolicionismo e alinha no catolicismo reaccionário. Proclama em 1897 a necessidade de uma reacção católica que retempere o poder público, e restitua ao princípio autoritário monárquico a energia e o prestígio de que o despojaram as ideias ateísticas e anárquicas hoje em voga.

· Pensamentos e Reflexões,1882.

· Questões Políticas,1883.

· Apóstrofes,Niterói, Escola Tipográfica Salesiana, 1897.

· A Religião No Brasil,1900.

Webb, Sidney James (1859-1947 ) Sidney James Webb, 1º barão de Passfield. Licenciado em 1885, assume-se logo nesse ano como fabiano, por influência de George Bernard Shaw. Casa com Martha Beatrice Potter (1858-1943) em 1892. Colaboram nos Fabian Essays, de 1889. Estão ligados à fundação da London School of Economics em 1895 e do semanário New Statesman, em 1913, com um célebre suplemento mensal dito Blue Book, onde fazem um inventário de factos políticos. Sidney é deputado de 1922 a 1929 e secretário das colónias de 1929 a 1931. Em 1935 escreve uma obra favorável ao comunismo soviético.

· Facts for Socialists, 1887

· Facts for Londoners, 1889

· Socialism in England, 1890

· The Cooperative Movement in Great Britains, 1891. Com B. Potter

· History of Trade-Unionism, 1894 Com B. Potter

· Industrial Democracy, 1897 Com B. Potter.

· English Local Government, 15 vols, 1906-1922. Com B. Potter.

· Labour and the New Social Order, Londres, 1918.

· A Constitution for thr Socialist Commonwealth of Great Britain, Londres, 1920. Com B. Potter.

· The Consumer's Co-operative Movement, Londres, 1921. Com B. Potter.

· The Decay of Capitalist Civilization, Londres, 1923 (3ª ed. ) Com B. Potter.

· The Soviet Communism. A New Civilization?, 2 vols., 1935. Com B. Potter.

· Truth about Russia, 1942.

Barrès, Maurice (1862-1923) Começa como deputado da ala esquerda do boulangismo de 1889 a 1894, defendendo um programa simultaneamente nacionalista e socialista. Reage, sobretudo, contra a formação kantiana recebida, marcada por princípios absolutos e abstractos. Neste sentido, começa por fazer aquilo que então se designava pelo le culte du moi (título de um romance de 1888-1891). Abandona as teses nietzschianas e alinha na defesa das províncias francesas integradas na Prússia depois de 1871. Alinha com os anti-dreyfusards. Teórico do boulangismo e da Liga dos Patriotas, ataca o parlamentarismo, defendendo uma república presidencialista, baseada no plebiscito e no culto do exército, considerado como o exemplo a ser dado à nação. O plebiscito, permite que se manifeste, de uma forma maciça e indiscutível a vontade nacional, a qual, no sistema parlamentar, se encontra fragmentada em quinhentas eleições diferentes, sendo em cada uma delas posta em relevo uma determinada pessoa que se impõe na sua óptica pessoal. O parlamentarismo conduz de facto à constituição de uma oligarquia electiva que usurpa a soberania da nação. O plebiscito reconstitui esta soberania porque permite que esta se exprima de um modo simples, que é o único que lhe convém. Por outro lado, o plebiscito fundamenta a autoridade, porque investe um homem como representante da vontade nacional. A nação escolhe livremente um chefe e após tê-lo feito obedce-lhe como um exército. Advoga assim um nacionalismo republicano, onde defende não só o plebiscito como a descentralização, enquanto forma de salvaguarda das liberdades. Não deixa de defender um vago socialismo identificado com a melhoria das condições materiais da classe mais numerosa e mais pobre. A palavra chave do respectivo pensamento é o enraizamento. O alargamento do eu no tempo e no espaço, a procura de uma colectividade maior que a mera individualidade. Contra o racionalismo que generaliza, invoca a via e chega ao nacionalismo, em nome do determinismo, do particualrismo e do relativismo concreto. Considera que todo o ser vivo nasce de uma raça, de um chão, de uma atmosfera e o génio não se manifesta como tal a não ser que se ligue estreitamente à sua terra e aos seus mortos. Porque o nacionalismo é a aceitação do determinismo. Até nem há liberdade de pensamento. Não posso viver a não ser segundo os meus mortos. é que há toda uma sequência de descendentes que não faz senão um único ser. Este nacionalismo que faz apelo à noção da terra e dos seus mortos, considera a nação como um ser vivo como, uma substância nacional, utilizando, para o efeito, com frequência, a analogia da árvore: a pátria é o chão dos antepassados, é a terra dos nossos mortos . Se aceita um determinismo biológico bebido no darwinismo social, rejeita, contudo, o racionalismo dos desenraizados, assumindo um romantismo activista, que faz apelo a forças misteriosas e profundas. Com efeito, Barrès adopta um nacionalismo moral e educativo contra a decadência de uma França que ele considerava dissocié et décérebré; um nacionalismo que visa dar uma energia e um querer viver nacional à França de carne e osso. Ele próprio diz que não somos uma raça, mas uma nação; continua a fazer-se, e sob pena de nos diminuir, de nos destruir, nós, os indivíduos que ela enquadra, devemos protegê-la .

· De l' énergie Nationale,Romance em três volumes: Les Déracinés (1897), L'Appel au Soldat (1900) e Leurs Figures (1902)

· Lu Culte du Moi,Reed. Paris, UGE, s.d., 1986.

· Du Sang, de la Volupté et de la Mort, Reed., Paris, UGE, s.d., 1986.

· Scènes et Doctrines du Nationalisme, Paris, Librairie Plon, 1902 (reed. Paris, Trident, 1987).

· Mes Cahiers,Paris, Librairie Plon, 1929-1938 e 1949-1957. 14 vols. Reed. de textos escolhidos, Paris, Plon, 1963.

· La République et le Roi, Correspondance Inédit,Paris, Plon, 1970. Correspondência entre Charles Maurras e Maurice Barrès, com prefácio e notas de Guy Dupré.

VI - LIVROS DO ANO

& Industrial Democracy, 1897 Obra de Sidney e de Beatrice Webb, onde se exprimem as ideias fabianas. Defendem os movimentos cooperativo e sindicalista. Dentro do processo sindicalista, propõem três métodos: o estabelecimento de um seguro mútuo, nomeadamente o seguro de desemprego; o da negociação colectiva; o estabelecimento do salário mínimo. Consideram que se caminha instintiva e fatalmente para a sociedade industrial, que identificam com o socialismo, através da crescente intervenção do Estado. Deste modo, tanto contrariam o anterior socialismo britânico que, com Owen se assumira como anti-estatista, como o liberalismo. Defendem o estatismo e, na impossibilidade de introduzirem o ensino do socialismo na London School of Economics, indtrodusem o direito administrativo, considerando-o como o colectivismo embrionário.

VII - FALECIMENTOS E NASCIMENTOS

FALECIMENTOS

NASCIMENTOS

CáNOVAS DEL CASTILLO, Antonio (1828-1897)

KULISH, Panteleimon (1819-1897)

MARTINS, José Tomás de Sousa (1843-1897).

BARRIGA, António Pinto de Meireles (n. 1897)

BEVAN, Aneurin (1897-1960)

CLAY, General Lucius (1897-1978)

EHRARD,Ludwig (1897-1977)

ELIAS, Norbert (1897-1990)

ERHARD, Ludwig (1897-1977)

GOEBBELS, Paul Joseph (1897-1945)

LAPA, Manuel Rodrigues (n. 1897)

NUNES, Leopoldo (n. 1897)

OLIVEIRA, Padre Miguel de (n. 1897)

PAULO VI (1897-1978)

REICH, Wilhelm (1897-1957)


Image
© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 01-05-2009 © José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 01-05-2009