Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

||Home

ANO:1904


SUMÁRIO:
Destaques Cronologia Acontecimentos Bibliografia Personalidades Livros do Ano Falecimentos e Nascimentos

I – DESTAQUES

PORTUGALMUNDO

Política

· Eleições Gerais (Junho)

 

 

 

 

Ideias

 

 

 

 

 

 

 

II – CRONOLOGIA

NACIONAL

· Junho

26 Eleições.Vitória dos governamentais regeneradores, com acordos eleitorais com os progressistas

· Agosto

29 Reforma do Ensino Secundário de Eduardo José Coelho.

· Outubro

20 Os progressistas, subiram ao governo, onde permaneceram até 1 de Fevereiro de 1906. 

· Novembro

12 As Cortes estiveram encerradas desde esta data até 3 de Abril de 1905

- D. Carlos visita a Inglaterra

· Dezembro

Motins estudantis no seminário de Bragança

 

 

 

INTERNACIONAL

·

· Ainda em 1904...

 

III - ACONTECIMENTOS DO ANO

Entente Acordo ou aliança internacional. Ficou célebre a Entente Cordiale, assinada entre a França e o Reino Unido em 8 de Abril de 1904. Surge depois a Triple Entente, os dois primeiros mais a Rússia, a qual dura até 1917, base sobre a qual assentaram os Aliados que enfrentaram os chamados impérios centrais na Grande Guerra de 1914-1918. A primeira visa, sobretudo, a repartição de influências no Norte de áfrica, nomeadamente em Marrocos, e a neutralização do Canal do Suez, com a França a abandonar as suas pretensões face ao Egipto.

IV – BIBLIOGRAFIA

AUTORES

OBRAS

BLUM, Léon

Humanité (L’), 1904

BOUGLé, Célestin

Démocratie devant la Science, 1904

BRUNO, Sampaio

O Encoberto

CLARO, António José

Pelourinho, 1904

FREUD, Sigmund

Psychopatologie des Alltagslehren, 1904; (port. Psicopatologia da Vida Quotidiana)

HAECKEL

Die Lebenswunder; (port. As Maravilhas do Mundo)

HOBHOUSE,

Leonard Trelawney

Democracy and Reaction, 1904

MARQUES, Padre Pinheiro

O Socialismo e a Igreja

SANZ del RIO, Julián

- Lecciones para el Sistema de Filosofia Analítica de K. Ch. Krause

- El Idealismo Absoluto

VEBLEN

Bussiness Enterprise, 1904

WEBER, Max

Protestantische (Die) Ethik und der Geist der Kapitalismus, 1904-1905; (port. A ética Protestante e o Espírito do Capitalismo).

WORMS, René

Philosophie des Sciences Sociales

 

 

V - PERSONALIDADES DO ANO

Pavlov, Ivan Petrovich (1849-1936) Professor russo. Prémio Nobel da medicina em 1904. Descobre o processo dos reflexos condicionados, depois de várias experiências com cães, mas estende a teoria aos próprios seres humanos.

· Reflexos Condicionados e Inibições; (Ed. original de 1927. Trad. port., Rio de Janeiro, Zahar, 1972).

· Experimental Psychology and Other Essays, Moscovo, Foreign Language Press, 1932.

· Obras Escolhidas,São Paulo, Humus, 1970.

 

MacKinder, Halford (1861-1947). Geógrafo e estrategista britânico. Educado em Oxford, onde ensina geografia de 1887 a 1905. Director da London School of Economics and Political Science, de 1904 a 1908. Deputado de 1909 a 1922. Autor da teoria do heartland, estabelecida em 25 de Janeiro de 1904 e com sucessivas revisões, em 1919 e 1943. Estabelece o confronto entre a potência terrestre, a heartland e o vasto anel oceânico, world-island, considerando que quem controla a massa terrestre central, a zona pivot, controla o resto do mundo. Conclui pela superioridade dos impérios centrais, invocando o exemplo das invasões mongóis e das conquistas de Luís XIV e Napoleão Bonaparte. Influencia Haushofer e terá inspirado a invasão da Rússia por Hitler. A perspectiva foi desacreditada depois da derrota das tropas nazis em 1945. A perspectiva voltou a ter influência nos começos da guerra fria influenciando a doutrina de Truman do containment, de 12 de Março de 1947, quando os ocidentais se preocupavam com a intervenção soviética na Europa Central e do Leste.

 

Jaurès, Jean (1859-1914) Professor de filosofia em Toulouse, doutorado com uma tese sobre as Origens do socialismo alemão em Lutero, Kant, Fichte e Hegel. Militante socialista não marxista, invoca Proudhon e Blanc. Amigo de Péguy. Deputado desde 1885. Dirigente da II Internacional, sempre recusou cargos governamentais, de acordo com as directivas do movimento. Um dos principais dreyfusards. Funda em 1904 o jornal L’Humanité. Assassinado em 31 de Julho de 1914, quando tentava evitar a guerra, depois de ter um encontro com uma delegação do SPD. Influenciado por Espinosa, Kant e Hegel, tenta misturar idealismo e materialismo. Considera que há uma evolução necessária, um movimento da história, mas também um sentido ideal: há um sopro de lamento e de esperança que sai da boca do escravo, do servo e do proletário; é esse sopro imortal de humanidade que forma a alma do que chamamos de direito (1894). Tenta também assumir o individualismo, em nome dos direitos do homem: somente o socialismo dará à declaração dos direitos do homem todo o seu sentido e realizará o direito humano … o socialismo é o individualismo lógico e completo. Ele não é o produto da inveja, que é o mais baixo dos impulsos humanos, mas da justiça e da piedade, que são os mais belos. O socialismo, portanto, é uma moral e uma religião, tanto quanto uma doutrina.

· Histoire Socialiste de la Révolution Française,Paris, 1901 - 1904. Cfr. a antologia L'Esprit du Socialisme, Paris, Gonthier, 1964.

 

 

Hobhouse, Leonard Trelawney 1864-1929 Jornalista britânico. Desde 1907, professor de sociologia em Oxford (1887-1897) e na University of London (1907-1929). Um dos membros do chamado New Liberalism dos finais dos século XIX, juntamente com Thomas Hill Green e J. A. Hobson, corrente que usa . Esta corrente usa os argumentos dos individualismo para a defesa de um modelo de intervenção do Estado no social e no económico. Secretário da Free Trade Union (1903-05), escreve no Manchester Guardian e em Tribune (1905-07), aqui como editor político. Rejeita o laissez-faire, mas também se distancia dos fabianos, acusando-se de cederem ao burocratismo.

· Theory of Knowledge,1896.

· Democracy and Reaction,1904.

· Development and Purpose,1913.

· The Metaphysical Theory of State,Londres, 1918.

· The Rational Good, 1921

· The Elements of Social Justice,1922

· Social Development, 1924.

 

 

Freud, Sigmund (1856-1939) Médico austríaco, fundador da psicanálise. Nasce em Friburgo. De origens judaicas. Autor de Die Traumdeutung (a interpretação dos sonhos), de 1900. Em Totem e Tabu, de 1913, considera o homem como um animal de horda, dado que o grupo humano, nas suas origens não passaria de uma massa aglutinada em torno de um macho dominante, de um pai despótico e omnipotente, que se apropriava de todas as mulheres e perseguia os filhos quando estes cresciam. Certo dia, os irmãos, revoltaram-se, matando e comendo o pai, transitando-se, a partir deste parricídio, da horda biológica e instintiva, para a comunidade, diferenciada e orgânica. Num terceiro tempo, terá vindo o remorso, o sentimento de culpabilidade, gerando-se tanto o tabu (por exemplo, a proibição de tomar mulheres dentro do próprio grupo) como o totem , o culto do antepassado assassinado que, assim, se diviniza e idealiza. E nesse complexo de édipo estão os começos da religião, da moral, da sociedade e da arte. Neste sentido, o príncipe aparece como substituto do pai. Em Massenpsychologie und Ich-Analyse, de 1921, equipara a psicologia das multidões à psicologia individual, considerando que o condutor das mesmas, é não só o modelo, como também o adversário: uma multidão primária é uma soma de indivíduos que puseram um só e mesmo objecto em lugar do seu ideal do eu e estão por consequência, no seu eu, identificados uns com os outros. Em das Unbehagen in der Kultur, de 1929, considera o Ego como um lugar de fronteira dependente de duas forças: o inconsciente (Id) e o Superego. Os homens são sacudidos pelo choque das pulsões do Id com os ideais do Superego. Este último é um pequeno tribunal pessoal, produto da estrutura familiar e da interiorização das proibições pela criança. O Id é uma memória de pulsões reprimidas, onde a constituinte dominante é a pulsão da libido, a pulsão sexual que emana do corpo inteiro. A civilização resulta de uma tensão entre o princípio do prazer (Eros) e o princípio da realidade (Tanatos). O homem torna-se neurótico porque a sociedade lhe exige renúncia às pulsões sexuais em nome de um ideal cultural. Salienta também que qualquer "Kultur", expressão que deve traduzir-se, não por "cultura", mas não à regionalização! por "civilização", é essencialmente repressiva porque a ordem equivale à renúncia às pulsões (triebvezicht), à felicidade entendida como economia libidinal, como satisfação da tensão violenta das pulsões instintivas, através do terrorismo da repressão sexual levada a cabo pela religião, pela família e pela economia.

· Psychopathologie des Alltagslehren,, 1904. Cfr. Trad. Port. Psicopatologia da Vida Quotidiana, Lisboa, Estúdios Cor, 1974.

· Totem und Tabu, 1912; (Cfr. Trad. bras. Totem e Tabu, Rio de Janeiro, Delta, 1955).

· Jenseits des Lustprinzips,, 1919-1920

· Massenpsychologie und Ich-Analyse, 1921; (Cfr. Trad. fr. Psychologie des Foules et Analyse du Moi, Paris, Payot).

· Das Ich und das Es, 1923.

· Das Unbehagen in der Kultur, 1929 (trad. port. Mal-Estar na Civilização, Rio de Janeiro, Imago, 1973; trad. cast. El Malestar en la Cultura, Madrid, Alianza Editorial, 1984)

 

 

Bouglé, Célestin 1870-1940 Sociólogo francês, discípulo de Durkheim. Professor na Sorbonne. Um dos teóricos do solidarismo. Considera que a democracia republicana constitui um desenvolvimento do racionalismo cartesiano e dos progressos científicos, permitindo a afirmação dos direitos do homem, contra o elitismo, o autoritarismo e o racismo.

· La Démocratie dévant la Science¸Paris, PUF, 1904

· Essais sur le Régime des Castes en Inde 1900, 1908 ( pref. de Louis Dumont, Paris, PUF, 1993).

· Bilan de la Sociologie Française,Paris, PUF, 1935

· Cours de Sociologie économique,Paris, PUF, 1937.

· Humanisme, Sociologie, Philosophie, Paris, PUF, 1937.

 

 

Claro, António José (1863-1931) Advogado, jornalista e escritor. Implicado no 31 de Janeiro de 1891. Ministro do interior de 18 de Junho a 6 de Julho de 1926.

· O Pelourinho. Crítica da Nossa História Política desde 1817 a 1904, Porto, Figueirinhas, 1904.

 

 

VI - LIVROS DO ANO

Weber, Max, A ética Protestante e o Espírito do Capitalismo [ed. orig. 1904-1905], trad. port., Lisboa, Editorial Presença, 1979.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VII - FALECIMENTOS E NASCIMENTOS

FALECIMENTOS

NASCIMENTOS

GARCIA, Manuel Emygdio (1838-1904)

HERZL, Theodor (1860 - 1904)

LABRIOLA, Antonio (1843-1904)

RATZEL, Friedrich (1844-1904)

RATZENHOFER, Gustav (1842-1904)

SCHAFFLE, Albert (1831-1904)

TARDE, Gabriel de (1843-1904)

BARKER, Ernest (1904-1960)

BARROS, Henrique Teixeira Queirós de (1904-2000)

BROCHADO, Costa (1904)

CALOGERO, Guido (1904-1986)

CANGUILHEM, Georges (1904-1995)

DUMONT, René (n. 1904)

HEYDRICH, Reinhard (1904-1942)

La PIRA, Giorgio (n. 1904)

KIESINGER, Kurt Georg (n. 1904)

KOSSYGUINE, Alexei (1904-1980)

MARC, Alexandre Lipianski (n.1904)

MARINHO, José Carlos de Araújo (1904-1975)

MELO, Pedro Homem de (1904-1984)

NAVARRO, André Francisco (1904-1989)

NEUMAN, Sigmund (n. 1904)

PINA, Luís Maria da Câmara (1904-1980)

RAHNER, Karl (1904-1984)

SALGUEIRO, Eduardo (n. 1904)

SKINNER, Burrhus Frederic (1904-1990)

WEIL, Eric (1904-1977)


Image
© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 02-05-2009 © José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 02-05-2009