Respublica     Repertório Português de Ciência Política         Edição electrónica 2004

||Home

ANO:1910


SUMÁRIO:
Destaques Cronologia Acontecimentos Bibliografia Personalidades Livros do Ano Falecimentos e Nascimentos

I – DESTAQUES

PORTUGALMUNDO

Política

· Eleições (Agosto)

· Proclamação da República (Outubro)

· Suprimido o ensino da doutrina cristã (Outubro)

· Lei do Divórcio (Novembro)

· Em Inglaterra, morte de Eduardo VII (Maio)

· Em França, queda do governo de Briand (Novembro)

·

Ideias

· Surge a revista Alma Nacional sob a direcção de António José de Almeida. Aí se considera que há um povo, uma nação, uma pátria, prisoneiras da monarquia, do clericalismo, bem como dos maus partidos, com as suas coligações e o seu caciquismo. Os republicanos, fiéis ao espírito nacional, querem destruir o velho e construir o novo, utilizando para tanto o instrumento do partido republicano.

· Surge o jornal diário O Intransigente de Machado Santos, dito diário republicano radical.

· Adesivos. Nome dado aos antigos políticos monárquicos que trataram de declarar a sua adesão ao novo regime republicano.

· Saudosismo. Corrente de pensamento iniciada por Teixeira de Pascoaes a partir da Renascença Portuguesa e da revista portuense A águia, publicada entre 1910 e 1932. A saudade é entendida como o sangue espiritual da raça, um sentimento-ideia, uma emoção reflectida. Ligado a ideia de saudade ao autonomismo quinhentista e ao processo de resistência sebastianista, o movimento, que defendia uma democracia religiosa e rural, foi injustamente acusado de passadista, quando era um activismo vitalista, anti-intelectualista e antimecanicista, conforme assinala Pinharanda Gomes. Entre os intelectuais da corrente, Leonardo Coimbra, Jaime Cortesão e Afonso Lopes Vieira, bem como o pintor António Carneiro. Já D. Duarte no Leal Conselheiro definia a saudade como sentido do coração que vem da sensualidade e não da razão. E Garrett em Camões entendia-a como dor que tem prazeres.

· Surge, no Porto a revista, A águia, órgão do movimento da renascença portuguesa.

· Contra o positivismo de Manuel de Arriaga, reage um jovem estudante de direito, Manuel Merêa, numa conferência sobre Idealismo e Direito, onde proclama a necessidade de uma filosofia crítica, anti-intelectualista, pluralista e eminentemente humana.

· Morte de Tolstoi

· Neopositivismo lógico. Bertrand Russell começa a destacar-se como matemático, publicando Principia Matemathica, base daquilo que irá ser o neopositivismo lógico da Escola de Cambridge.

· O Papa Pio X condena o mivmento democrat-cristão Le Sillon, acusando a hipótese de um democratismo de direito divino. O fundador do movimento, Marc Sangnier, considerava que a democracia era a forma de governo favorável à Igreja.

· Roscoe Pound começa a ensinar direito em Harvard, onde não só lança o movimento da sociological jurisprudence como inspira muitas das teses do futuro New Deal rooseveltiano.

· Guyot, herdeiro de Bastiat, teoriza a concorrência perfeita, falando numa moral de concorrência, que não só rejeita a intervenção estatal como as próprias associações económicas, nomeadamente as associações de consumidores.

 

 

 

 

II – CRONOLOGIA

NACIONAL

· Janeiro

2 Abertura das Cortes

· Fevereiro

14 Decreto confirma a demissão dos irmãos Ançã

- Surge a revista Alma Nacional de António José de Almeida.

· Abril

22 Questão Hinton na CD. Afonso Costa lê cartas comprometedoras de pessoas ligadas ao paço 

29 e 30 Congresso do Partido Republicano no Porto

· Maio

1 Escândalo da Companhia do Crédito Predial. Desfalque na empresa presidida por José Luciano. O franquista Melo e Sousa, então governador do Banco de Portugal decide, com rigor, não apoiar a companhia.

14 D. Manuel II preside à sessão inaugural do Congresso Nacional, na Sociedade de Geografia de Lisboa.

Organizado pela Liga Naval e tendo como objectivo o estudo dos problemas nacionais for a da acção mesquinha da política. Segundo o então presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa, Consiglieri Pedroso, em Portugal não havia apenas interesses políticos, mas sim, ao lado destes, outros que igualmente deviam ser atendidos.

16 a 27 D. Manuel II ausente do país para participar nos funerais de Eduardo VII.

· Junho

27 Dissolução das Cortes. No Conselho de Estado, votaram contra a dissolução Júlio de Vilhena, Veiga Beirão e José Novais. Foram de parecer favorável Pimentel Pinto, António de Azevedo, Melo e Sousa e Wenceslau de Lima. Os regeneradores afectos a Teixeira de Sousa tinham 30 deputados e os dissidentes progressistas, apoiantes do novo governo, apenas oito deputados, num total de 155 membros.

- Governo convida Léon Poinsard a fazer um estudo sobre Portugal.

· Julho

9 Portaria governamental censura a supressão da folha franciscana Voz de Santo António que fora ordenada por Roma

22 José Relvas, Magalhães Lima e Alves da Veiga são enviados pelo partido republicano para contactos diplomáticos em Paris e Londres.

- Neste mês, deu-se a solene instalação das oposições monárquicas.

· Agosto

7 Grande comício republicano em Lisboa.

19 Governo, dizendo temer movimento revolucionário das oposições monárquicas, põe as tropas de prevenção.

28 Eleições.

- Ordenado inquérito à residência dos jesuítas no Quelhas

· Setembro

3 Morte de Consiglieri Pedroso.

17 Amnistia para os crimes de liberdade de imprensa.

23 Abre o parlamento. Logo no dia seguinte as cortes são adiadas

27 Comemorações do centenário da batalha do Buçaco.

29 Greves de corticeiros, tanoeiros e garrafeiros.

· Outubro

1 Visita Lisboa o presidente do Brasil, Hermes da Fonseca

3 Assassinado Miguel Bombarda, cerca das 11 horas. O acto foi executado por um antigo doente, oficial do Exército. Mal a nótícia circulou, tiveram lugar manifestações espontâneas.

- Portaria governamental manda encerrar a residência dos jesuítas do Quelhas. Correio da Manhã acusa o rei de entrar num caminho abertamente revolucionário.

5 Proclamação da República em Lisboa (quarta-feira). Eusébio Leão assume as funções de governador civil da capital. Constituído o governo provisório. . Dominava a aliança entre Afonso Costa, Bernardino Machado e os jovens turcos, contando, nos primeiros tempos com a colaboração de António José de Almeida. Basílio Teles recusou tomar posse (nomeado para as finanças, exigia também acumular a pasta do interior…). O governo provisório era obrigado a reunir semanalmente com o directório e a junta consultiva do partido republicano, a efectiva trindade governativa da república.

- Machado Santos assume-se na oposição desde a primeira hora, exigindo o saneamento de altos funcionários das repartições, mas o governo apenas demitiu ou aposentou cerca de meia centena deles. é apoiado pelos oficiais da marinha que participaram no 5 de Outubro, como Ladislau Parreira, nomeado comandante do quartel de marinheiros de Alcântara, José Carlos da Maia, Sousa Dias, João Stockler, Mendes Cabeçadas e Tito de Morais. Assumiam-se como os verdadeiros revolucionários.

6 Proclamada a República no Porto. Paulo Falcão assume as funções de governador civil.

- Surge um conflito entre os provisórios e o grupo dos republicanos históricos do Porto, ligados ao 31 de Janeiro de 1891 que exigiam a imediata eleição de uma assembleia constituinte, afrontando especialmente Afonso Costa.

7 Liberdade para os presos pertencentes a associações secretas.

8 Expulsão das ordens religiosas. Reposta em vigor a legislação pombalista de 3 de Setembro de 1759 e de 28 de Agosto de 1767 sobre a expulsão dos jesuítas e a legislação de 28 de Maio de 1834 que extinguia as casas religiosas e todas as ordens regulares. Se este último não expulsava as ordens religiosas femininas, o novo decreto abrange-as quando torna nulo o decreto de 18 de Abril de 1901. O diploma de 8 de Outubro foi mantido pelo nº 12 do artigo 3º da Constituição de 1911

- No mesmo dia, a designação de ministérios do interior, das finanças e do fomento foi oficializada

10 Bernardino Machado é investido e proclamado no cargo de presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa.

- Também neste dia, José Relvas assume a pasta das finanças.

- Ainda a 10, assaltados os jornais O Liberal e Portugal.

12 Início das hostilidades do grupo dominante dos provisórios, liderado por Afonso Costa e Bernardino Machado, com os membros do directório, como Relvas, Inocêncio Camacho, Eusébio Leão e José Barbosa, e o grupo de A Luta, com Brito Camacho, João Duarte de Meneses e Tomé de Barros Queirós.

- Igualmente a 12, Guarda Municipal passa a designar-se Guarda Republicana

13 Já estão presos 128 padres em Caxias, visitados pessoalmente por Afonso Costa. Nesse período são assassinados os padres lazaristas Bernardino Barros Gomes, irmão do antigo ministro da monarquia, e o francês Alberto Fragues, na residência de Arroios

- No mesmo dia, Grupo afonsista acusado de ligação aos monárquicos. O jornal O País fala em Afonso Costa e Bernardino Machado como os amigos de Teixeira de Sousa e de José Alpoim.

14 é restabelecido o código administrativo de Rodrigues Sampaio de 1878

- No mesmo dia, surge o jornal diário A República Portuguesa defende a ditadura revolucionária, criticando os provisórios e os adesivos. Reúne antigos grevistas de 1907, como Manuel Bravo, Tomás da Fonseca, Santiago Prezado, Alfredo Pimenta, Luís da Câmara Reis, Francisco Pulido Valente, Alberto Xavier e Lopes de Oliveira¨

- Ainda a 14, Campanha de Camacho contra os adesivos. Em A Luta, Brito Camacho diz que a República não pode ser a monarquia com outro nome, numa campanha contra os chamados adesivos, onde se incluíam os antigos apoiantes de Teixeira de Sousa e de José Maria de Alpoim, que apareciam ligados a Afonso Costa. Continua uma série de artigos neste tom, especialmente em 20, 22, 23 e 25 de Outubro. No dia 23 chega a perguntar se não é necessária outra revolução. Defende que se deve manter intacto o directório do partido republicano, para garantir o regime. Contrariava deste modo as posições de O Mundo, defensor da realização do congresso do partido, com renovação do directório.

16 Funerais de Cândido dos Reis e Miguel Bombarda

17 Polícia Civil de Lisboa, criada e por decreto de 28 de Agosto de 1893 passa a designar-se Polícia Cívica

- No mesmo dia, Incidentes na Universidade de Coimbra. Vaiados lentes monárquicos em Coimbra. Segue-se a destruição da sala dos Capelos, sendo baleados os retratos dos dois últimos reis. Dão-se vivas à universidade livre contra a universidade fradesca .

- Circulação fiduciária. Decreto de 17 de Outubro (José Relvas) mantém o limite de 72 000 contos de réis para a circulação fiduciária de notas representativas de moeda de ouro. Era o limite constante da lei de 30 de Junho de 1898.

- Ainda a 17, nomeada comissão para reorganização do exército presidida por José Estevão de Morais Sarmento

18 Abolição dos títulos nobiliárquicos.

- Também neste dia, extinção formal do Conselho de Estado e da Câmara dos Pares

- Igualmente a 18, proibido o juramento religioso nos actos civis, para satisfazer o sentimento liberal e as aspirações dos sentimentos republicanos da nação portuguesa .

19 Manuel de Arriaga nomeado reitor da Universidade de Coimbra. No acto de posse, o discurso utiliza ideologismos .

21 Suspensão do bispo de Beja, D. Sebastião Leite de Vasconcelos. Havia fugido para Espanha, porque ameaçado de morte. Será destituído em 18 de Abril de 1911.

22 Proibição do juramanento religioso Supressão do ensino da doutrina cristã nas escolas primárias, substituindo-a pela educação cívica, mas enquanto não forem aprovados novos livros segundo o espírito democrático da República será feita por prelecções do professor que se deverá inspirar sempre nos sentimentos da Pátria, amor ao lar, do trabalho e da liberdade .

- Brasil reconhece a República. Ministro Costa Mota entrega credenciais em 15 de Novembro

23 Suprimida a Faculdade de Teologia.

- No mesmo dia, a bolido o foro académico e o uso de capa e batina tornou-se facultativo.

- Também neste dia, Argentina reconhece o novo regime

24 Carta pastoral do episcopado redigida pelo arcebispo de évora, D. Augusto Eduardo Nunes.

- Ainda a 24, prisão de Homem Christo

26 Acabam os dias santificados que passam a ser considerados dias de trabalho, à excepção do domingo.

- Jornal O Mundo, na sua edição do dia 26, elogia Alpoim pelos serviços prestados à revolução em 28 de Janeiro de 1908.

27 Brito Camacho em A Luta considera que os monárquicos se preparam para pintar de vermelho os seus caciques.

- Nesse dia, os jornalistas franquistas Álvaro Pinheiro Chagas, Aníbal Soares e Joaquim Leitão começam a publicar o Correio da Manhã. Queriam assumir-se como os representantes das classes conservadoras

29 Publicada nova lei de imprensa. Deixa de punir os ataques à religião.

- Na mesma data, assiste-se ao reconhecimento do novo regime por parte daNicarágua.

30 Prisão de João Franco em Sintra.

- Salazar matricula-se na faculdade de direito de Coimbra

31 Aprovada a redacção definitiva da lei do divórcio

- Por decreto de 31 de Outubro, protecção dos filhos ilegítimos.

- No mesmo dia, Magalhães Lima, grão mestre da maçonaria, regressa a Lisboa, vindo de Paris, sendo aclamado por cerca de 100 000 pessoas.

- Também no último dia do mês, Uruguai reconhece o novo regime.

· Novembro

2 Estados Unidos da América e China declaram a manutenção das relações regulares.

3 Lei do divórcio.

9 Reino Unido, França, Espanha e Itália declaram a manutenção de relações regulares com Lisboa.

10 Chega a Lisboa o embaixador britânico. Manifestação de regozijo de cerca de 200 000 pessoas.

11 Perseguição aos jesuítas. Afonso Costa propõe em conselho de ministros que se divulguem os nomes e as notas biográficas dos 375 jesuítas que viviam em Portugal.

12 Surge o jornal diário O Intransigente de Machado Santos, dito diário republicano radical. Começou por proclamar-se órgão dos verdadeiros carbonários. Combatia os provisórios e os adesivos. Tem a colaboração de Basílio Teles, Sampaio Bruno e António Claro, autores de alguns dos editoriais que, depois, Machado Santos assinava.

Segundo Cunha Leal, Machado Santos tinha a República metida no corpo e na alma, mas foi centro de episódicas concentrações de individualidades.

14 Extinta a 11ª cadeira da Faculdade de Direito, a de direito eclesiástico, surgindo nesse lugar a de sociologia criminal e direito penal.

16 Comício no Rossio contra as greves. Tinha havido greve dos eléctricos de Lisboa. Protestos e manifestações de 4 000 sapateiros e padeiros, obrigando o governo a recorrer à Manutenção Militar, para abastecer a cidade de pão. Greve nos caminhos de ferro da Póvoa, no Porto.

- No mesmo dia, Decreto permite o ensino primário particular por professores que tenham o segundo grau da instrução primária com boa classificação em escolas a cargo de instituições republicanas

17 Basta de greves! França Borges escreve um artigo no Mundo, dizendo basta de greves. Tinha havido 21 em Outubro e 48 em Novembro. O jornal monárquico Correio da Manhã dizia em 8 de Dezembro que a República vai principiando por onde a monarquia acabou.

23 Manifestação de apoio ao directório em Lisboa, no Largo de S. Carlos. Discursos de Eusébio Leão e Malva do Vale. Aparecem Machado Santos, Ladislau Parreira, Vasconcelos e Sá, Sousa Dias e Tito de Morais. Críticas aos provisórios.

- A Luta propõe um banquete de republicanos históricos, respondendo a um convite de O Mundo para uma merenda em 28 de Janeiro, reunindo republicanos e dissidentes progressistas.

25 Greve dos caminhos de ferro do Estado, linhas do Minho e Douro

27 Manifestação de caixeiros de Lisboa frente ao ministério do interior, protestando contra o horário de trabalho.

28 As forças armadas são proibidas de participar em solenidades e cerimónias religiosas, a não ser para manter a ordem, depois de requisitadas por autoridades civis.

- Reunião dos bispos portugueses em S. Vicente de Fora. Redigida pastoral criticando a política religiosa do governo.

· Dezembro

6 Regulamento da greve e do lock out, da autoria de Brito Camacho: garantido aos operários, bem como aos patrões o direito de se coligarem para cessação simultânea do trabalho. O diploma foi inspirado na legislação espanhola e os sindicalistas logo lhe chamam o decreto burla. Não tarda que o ministro em causa tente assumir-se como o conciliador dos conflitos sociais, recebendo inúmeras comissões de trabalhadores e deslocando-se ao terreno, para tentar impedir as greves.

12 Instituídos o Instituto Superior de Agronomia, na Tapada da Ajuda, e a Escola Superior de Medicina Veterinária

21 Conflito entre o governo e o poder judicial. Juízes transferidos por invocarem a Carta Constitucional. Os quatro juízes que despronunciaram João Franco e Malheiro Reimão são transferidos para Luanda e Goa. Invocaram formalmente a Carta Constitucional.

25 Leis da Família.

29 Lei de Defesa da República. Manda julgar por um júri os delitos políticos contra o novo regime.

31 Decreto sobre as associações religiosas. Os respectivos membros não podem exercer o ensino nem usar em público hábitos talares, sob pena de prisão por toda a pessoa do povo.

- Começa a depuração política do Exército. Correia Barreto é auxiliado pelos Jovens Turcos. Mas, de 13 de Outubro de 1910 a 31 de Dezembro de 1911, apenas são demitidos 30 oficiais, enquanto 6 desertam. Grande parte dos restantes decidem inscrever-se nas folhas de adesão à República.

· Ainda em 1910...

- Campolide, Colégio de. Colégio dos jesuítas de Lisboa até 1910. No local encontram-se hoje algumas escolas da Universidade Nova de Lisboa.

 

 

 

INTERNACIONAL

· 6 de Maio Morte de Eduardo VII.

· 14 de Junho Reforma agrária na Rússia Segundo diploma de Stolipine sobre a libertação dos servos. Permite a divisão do mir em lotes, susceptíveis de propriedade privada. Os kulaks, entre 1906 e 1915 acabam por comprar dois terços da terra distribuída aos grandes proprietários

· 30 de Agosto O papa Pio X condena o movimento democrata-cristão francês de Le Sillon, dirigido por Marc Sangnier que decidiu logo submeter-se

· Novembro

1 Queda do governo de Briand em França. O líder dos radicais tinha-se apresentado nas eleições de 10 de Maio com um programa mais moderado, principalmente quanto à questão anticlerical

2 Estados Unidos da América e China declaram a manutenção das relações regulares.

5 Encontro do czar Nicolau II com o Kaiser Guilherme II

20 Morte de Tolstoi

· Ainda em 1910...

- Greve dos caminhos de ferro em França, com intervenção de forças militares

- Montenegro (Crna Gora). Unidade autónoma dentro do império otomano, foi reino independente entre 1910 e 1918;

 

 

 

III - ACONTECIMENTOS DO ANO

Jovem Turquia. Grupo dos jovens turcos, liderado por Álvaro de Castro. O respectivo chefe de gabinete é o capitão Alfredo Sá Cardoso; o ajudante de campo do ministro, o tenente Helder Ribeiro; o chefe de estado maior da 1ª divisão, o capitão João Pereira Bastos, apoiados por outros tenentes como Álvaro de Castro, Álvaro Poppe, Américo Olavo e Vitorino Guimarães, quase todos membros da loja Portugal criada em 1908 e transformada, depois de 1910, na Jovem Turquia, sob a liderança de Álvaro de Castro). O grupo tinha desistido de apoiar os revolucionários da Rotunda, depois de conversas com Ribeira Brava, o que fez Machado Santos irar-se.

 

Expulsão das ordens religiosas (1910) Logo em 8 de Outubro de 1910, o governo provisório repõe em vigor a legislação pombalista de 3 de Setembro de 1759 e de 28 de Agosto de 1767 sobre a expulsão dos jesuítas, bem como a legislação de 28 de Maio de 1834 que extinguia as casas religiosas e todas as ordens regulares. Se o este último, que deu a Joaquim António de Aguiar o epíteto de mata-frades, não expulsava as ordens religiosas femininas, o novo decreto abrange-as quando torna nulo o decreto de 18 de Abril de 1901. O diploma de 8 de Outubro foi mantido pelo nº 12 do artigo 3º da Constituição de 1911.

 

IV – BIBLIOGRAFIA

AUTORES

OBRAS

Trauctado da Uirtuosa Benfeiturya, ou Livro da Virtuosa Bemfeitoria (1418) (cfr. 3ª ed., Biblioteca Pública Municipal do Porto, 1946, Joaquim Costa, introd. e notas; 1ª ed., por Sampaio Bruno, Lisboa, 1910)

ALMEIDA, Fortunato de

História da Igreja em Portugal, Em seis volumes, 1910-1922.

ALPOIM, José Maria de

Reformas Políticas, Lisboa, 1910

AZEVEDO, J. Lúcio

A Evolução do Sebastianismo, Lisboa, 1910

BARBOSA, Rui

Excursão Eleitoral aos Estados da Bahia e Minas Gerais, 1910

BEBEL, August

Aus meinem leben, 1910-1914 (memórias).

COELHO, José Maria Trindade

Autobiografias e Cartas, Lisboa. Edição de Henrique Trindade Coelho, 1910

DITHLEY

Der Aufbau der geschichtkichen Welt in den Geisteswissenchaft, 1910 (A construção do mundo histórico nas ciências do espírito).

FOUILéE

La Démocratie Politique et Sociale en France, Paris, 1910.

GIDE, Charles

Les Societés Cooperatives de Consommation , 1910.

GLADSTONE

Letters on Church and Religion, 1910.

GUYOT, Yves

Morale de la Concurrence, 1910.

HARIOU, Maurice

Principes de Droit Public, Paris, éditions Sirey, 1910.

HILDERFING, Rudolf

Das Finanzkapital, Viena, Wiener Volksbuchandlung, 1910.

KANTOROWICZ, Hermann

Rechtswissenschaft und Soziologie, 1910

LéON, Poinsard

Le Portugal Inconnu, Paris, 1910 (relatório solicitado por D. Manuel II)

LéVY-BRUHL, Lucien

Les Fonctions Mentales dans les Societés Inférieures, 1910.

MERêA, Paulo

Idealismo e Direito (1910) (conferência publ. em 1913; cfr. reed. no Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, vol. XLIX, pp. 285-327, Coimbra, 1973).

NABUCO, Joaquim

L’Option, 1910.

NATORP, Paul

Fundamentos Lógicos da Ciência Exacta, 1910.

ROOSEVELT, Theodor

The New Nationalism, Nova Iorque, Outlook, 1910.

RUSSEL, Bertrand

Principia Mathematica, Cambridge, Cambridge University Press, 1910-1913. Obra em três volumes, escrita em colaboração com Alfred North Whitehead.

SOUSA, Marnoco e

Direito Político. Poderes do Estado. Sua Organização segundo a Sciencia Política e o Direito Constitucional, Coimbra, Livraria França Amado, 1910.

VILHENA, Ernesto Jardim

Questões Coloniais. Discursos e artigos, Lisboa, Tipografia do Anuário Comercial, 1910.

 

 

 

V - PERSONALIDADES DO ANO

Sangnier, Marc (1873-1950) Líder político católico. Funda em 1 de Julho de 1903 Le Sillon, um movimento servido por um jornal com o mesmo nome que, à semelhança do populismo russo, se assumiu como um movimento de educação popular, a partir de intelectuais burgueses. Pretendia reunir os chamados democratas católicos, salientando que Cristo foi o mais temerário dos democratas do seu tempo. Em 1906, Sangnier considera que o movimento tem como fim realizar em França a República democrática, salientando que a democracia e a forma de governo mais favorável para a Igreja. Condenado em 25 de Outubro de 1910 pelo papa Pio X. O movimento assumia-se contra o conservadorismo hierarquista de outros católicos e estava a dividir os fiéis franceses. Apesar de acatar a decisão papal, eis que, em 1912, Sangnier funda um movimento exclusivamente político Jeune République, base dos movimentos democratas-cristãos franceses. Depois da Grande Guerra tem o apoio do papa Bento XV.

 

 

Pound, Roscoe (1870-1964) Nasce no Nebraska. Inicia-se no estudo da botânica, doutorando-se nesta especialidade em 1897. Só depois estuda direito em Harvard, em 1889-1890. Advogado e professor de direito na terra natal de 1890 a 1903, ao mesmo tempo que dirige um instituto estadual de investigação botânica. Professor de direito em Chicago entre 1907 e 1910. Finalmente passa para Harvard, entre 1910 e 1937, onde durante vinte anos será o director da escola de direito. Um dos inspiradores do New Deal. Funda o movimento da sociological jurisprudence. Reorganiza o sistema chinês de administração da justiça em 1945-1949.

 

 

Russell, Bertrand 1872-1970 Arthur William Bertrand Russell. Estuda em Cambridge, onde se forma em matemática e filosofia moral. Professor em Cambridge (1895-1916), Oxford, Harvard, Pequim, Londres, Chicago e Los Angeles. Prémio Nobel da Literatura em 1950. Demitido em 1916, por se opôr à entrada dos britânicos na Grande Guerra. Emigra para os Estados Unidos, onde também é impedido de ensinar em Nova Iorque. Assume o pacifismo depois da Segunda Guerra Mundial. Presidente da Campanha pelo Desarmamento Nuclear de 1958 a 1960, funda em 1966 um Tribunal Internacional para os Crimes de Guerra, o célebre Tribunal Russell. Neopositivista. Considera que não há um conhecimento especificamente filosófico, pois questões de facto só podem decidir-se mediante os métodos empíricos da ciência. Volta-se assim àquela perspectiva segundo a qual as questões que não são possíveis de decisão sem o recurso à experiência são matemáticas ou linguísticas, pelo que importa reconciliar o empirismo com a matemática pura, que se tinham vindo a guerrear desde o tempo de Leibniz e de Locke.

· German Social Democracy, 1896.

· Principia Mathematica

Cambridge, Cambridge University Press, 1910-1913. Obra em três volumes, escrita em colaboração com Alfred North Whitehead.

· Mysticism and Logic

Londres, 1917. Trad. port. Misticismo e Lógica, Rio de Janeiro, Zahar, 1977.

· Roads to Freedom

1918.

· Bolshevism. Practice and Theory

Nova Iorque, 1920.

· What I Believe

1925.

· The Conquest of Happinness

Londres, 1930. Ver a trad. Port. A Conquista da Felicidade, Amadora, Bertrand, 1997.

· Power, a New Social Analysis

1938 cfr. trad. port., Lisboa, Editorial Fragmentos, 1990.

· A History of Western Philosophy

1946.

· Philosophy and Politics

Londres, 1947.

· Human Knowledge

1948.

· Unpopular Essays

Nova Iorque, Simon and Schuster, 1950

· Human Society in Ethics and Politics

1954.

· Why I am not a Christian and Other Essays

1957.

· A Autoridade e o Indivíduo

São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1956.

· Princípios de Reconstrução Social

São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1958.

 

 

VI - LIVROS DO ANO

 

 

VII - FALECIMENTOS E NASCIMENTOS

FALECIMENTOS

NASCIMENTOS

BOMBARDA, Miguel (1851-1910)

CALISTO, Avelino César Augusto Maria (1843-1910)

DUNANT, Henri (1828-1910)

JAMES, William (1842-1910)

LARANJO, José Frederico (1846 - 1910)

NABUCO, Joaquim (1849-1910)

REIS, Carlos Cândido dos (1852-1910)

SANTANA, Manuel Fernandes (1864-1910)

SUMNER, William Graham (1840 - 1910)

TOLSTOI, Conde LEV ou LEO Nikolayevich (1828-1910)

WALRAS, Léon (1834-1910)

AFLAK, Michel 1910-1988

GOMES, Joaquim Soeiro Pereira (1910-1949)

MERTON, Robert King (n. 1910)

MONOD, Jacques (1910-1976)

NOCE, Augusto del (1910- 1989)

REALE, Miguel (n. 1910)

SPINOLA, António Sebastião Ribeiro de (1910-1996)

ULLMANN, Walter (1910-1983)


© José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 02-05-2009 © José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados. Cópias autorizadas, desde que indicada a proveniência: Página profissional de José Adelino Maltez ( http://maltez.info). Última revisão em: 02-05-2009