/span>
  || Governos || Grupos || Eleições || Regimes || Anuário || Biografias ||

  Ciclos Políticos 1901-1906


 

1901

Hintze (1578 dias)

1902

1903

1904

   

1905

Luciano (516 dias)

1906

 

Hintze (62 dias)

Franco (627 dias)

 

1901

Dissidência franquista, ignóbil porcaria e questão anticlerical

Regresso do anticlericalismo

(Ver pormenores em anuário CEPP)

Ruptura formal entre Hintze e João Franco (12 de Fevereiro)

Incidente Calmon (17 de Fevereiro)

Decreto anticongreganista e encerramento de várias casas (Março)

Católicos criam um Centro Nacional Académico (11 de Abril)

Dias Ferreira cria uma Comissão Liberal (25 de Abril)

Miguel Bombarda cria uma Junta Liberal Republicana (30 de Abril)

João Franco, apoiado por 25 deputados, cria o Centro Regenerador Liberal (16 de Maio)

João Arroio abandona o governo (1 de Junho)

Autonomia da Madeira (Agosto)

Dantas Baracho abandona os regeneradores (18 de Outubro)

Congresso Colonial Nacional (2 de Dezembro)

Tumultos em Torres Vedras por causa da questão vinícola (31 de Dezembro)

Em Maio é constituída a dissidência dos Regeneradores Liberais, liderada por João Franco, com 25 deputados.

Fundado o Centro Nacional Académico que, no ano seguinte, passa a designar-se CADC.

Em 8 de Agosto, reforma eleitoral de Hintze, a que João Franco vai chamar a ignóbil porcaria.

  Eleição nº 39 (6 de Outubro). Vitória dos regeneradores hintzáceos. Não há deputados republicanos. 1 deputado franquista.

1902

Suicídio de Mouzinho de Albuquerque e motins estudantis

Luz eléctrica em Lisboa

Elitismo e imperialismo

(Ver pormenores em anuário CEPP)

Suicídio de Joaquim Mouzinho de Albuquerque (8 de Janeiro)

Jacinto Cândido anuncia na Câmara dos Pares a formação de um Partido Nacionalista (Janeiro)

Motins estudantis em Lisboa, Porto e Coimbra (Março e Abril)

João Arroio abandona os regeneradores (Março)

Eleições municipais. Hintzáceos vencem em Lisboa (2 de Novembro)

1903

Revolta do grelo, aparecem os nacionalistas, greves e protestos de viticultores

Vapores para Moçambique

Democracia-cristã

Bolcheviques

(Ver pormenores em anuário CEPP)

Revolta do grelo e greve geral em Coimbra (começa em 13 de Março)

Eduardo VII visita Lisboa (2 de Abril)

Manifestação de protesto de viticultores (18 de Maio)

Congresso do Partido Nacionalista em Viana do Castelo (Junho)

Greves operárias no Porto (Julho)

Greve dos metalúrgicos em Lisboa (Dezembro)

Fundado o Partido Nacionalista, com Samodães, Bertiandos e Jacinto Cândido.

João Arroio abandona as fileiras dos regeneradores hintzáceos.

Associação Comercial de Lisboa em rebeldia contra o governo que, em sua substituição, cria uma Câmara do Comércio.

Manifestação de protesto dos viticultores (18 de Maio)

Greve dos metalúrgicos (Dezembro)

Bernardino Machado desdobra-se em sucessivos discursos e confer ências oposicionistas.

1904

Do fracasso hintzáceo às mil e uma maravilhas dos lucianistas

Telefones entre Lisboa e o Porto

(Ver pormenores em anuário CEPP)

Comícios republicanos contra o governo, em Fevereiro e Março.

Ataque dos cuanhamas em Angola a colunas militares.

Eleição nº 40 (26 de Junho). Vitória dos regeneradores hintzáceos, depois de prévio acordo com os progressistas.

Questão dos contratos de tabacos e fósforos levam à queda do governo.

  Governo nº 46 (20 de Outubro) José Luciano (516 dias) . O ministério das mil e uma maravilhas

Grupos pol íticos

1905

Da questão dos tabacos à dissidência de Alpoim

Estuda-se a questão social

(Ver pormenores em anuário CEPP)

Eleição nº 41 (12 de Fevereiro). Vitória dos governamentais progressistas, que mantêm a ignóbil porcaria da lei eleitoral de 8 de Agosto de 1901. Regeneradores liberais, os franquistas, com 3 deputados.

Rainha Alexandra de Inglaterra em Lisboa (22 de Março)

Kaiser Guilherme II em Lisboa (27 a 30 de Março)

Dissidência de José Alpoim por causa do contrato dos tabacos (2 de Maio)

Manigância dos sobrescritos no concurso dos tabacos.

Fundada a Dissidência Progressista de José Maria Alpoim (10 de Maio).

Presidente francês visita Lisboa (27 de Outubro)

No fim do ano, sucessivos comícios de republicanos e dissidentes.

Grupos políticos

 

1906

Depois de novo falhanço de Hintze, João Franco governa à inglesa, com apoio dos lucianistas

Escola colonial

Anarco-sindicalismo

(Ver pormenores em anuário CEPP

 

Governo nº 47 (20 de Março) Hintze (62 dias).

Criada a Concentração Liberal entre José Luciano e João Franco (4 de Abril)

Amotinação do cruzador D.Carlos I (8 de Abril). 

Sublevação no couraçado Vasco da Gama (13 de Abril).

Comícios republicanos na Estefânia e nos Olivais (22 de Abril). Apreendidos jornais do partido, dois dias depois.

Eleição nº 42 (29 de Abril). Vitória dos regeneradores hintzáceos, com 107 deputados. Progressistas lucianistas, 17. Dissidentes progressistas, 9. Regeneradores-liberais, 7. Nacionalistas, 6. Republicanos, 1.

Incidentes com republicanos no Rossio (4 de Maio)

Novos incidentes na praça de touros do Campo Pequeno: os espectadores voltam as costas à família real e ovacionam Afonso Costa (6 de Maio).

Governo nº 48 (19 de Maio) João Franco (627 dias). Começa por governar à inglesa, com dois ministros progressistas lucianistas.

Eleição 43 (19 de Agosto) Vitória dos governamentais, da aliança entre franquistas e lucianistas.

Republicanos vencem eleições municipais no Porto (4 de Novembro)

Questão dos adiantamentos no parlamento (Novembro)

Grupos pol íticos

         
  1820-1825 1826-1832 1833-1836 1837-1841 1842-1851
1851-1865 1865-1867 1868-1876

1877-1879

1880-1886

1887-1900
1901-1906 1907-1910 1910-1915 1916-1918 1919-1926 1927-1931
1932-1944 1945-1950 1951-1957 1958-1960 1961-1973 1974-