/span>
 || Governos || Grupos || Eleições || Regimes || Anuário || Biografias || Revoltas

  Anuário 1937

1937

 

Atentado anarquista contra Salazar, morte de Afonso Costa e oposição de Paiva Couceiro

Papa contra o comunismo

Da Falange franquista ao condicionamento industrial

Bombas em Lisboa (Janeiro)

Atentado anarquista contra Salazar (4 de Julho)

Greve de Agosto

Carta de Paiva Couceiro contra Salazar

Basílio Perlira lidera o grupo de acção Antifascista, Antimilitarista Anticlerical

Remodelação em 13 de Dezembro

Bombas em Lisboa. São colocadas no Rádio Clube Português, na Casa de Espanha, nos Ministérios da Educação Nacional, Interior e Guerra, bem como no depósito da Vacuum Oil Company, em Alcântara (20 de Janeiro)

 

Atentado anarquista contra Salazar (4 de Julho). Atentado bombista falhado contra Salazar na Avenida Barbosa du Bocage em Lisboa, organizado pelo anarco-sindicalista Emídio Santana, com o apoio da Legião Vermelha. Nas investigações que levam à detecção dos implicados, destaca-se o director da PVDE, capitão Agostinho Lourenço, e o subdirector, tenente José Catela (4 de Julho). Como assinala Costa Brochado, os governos militares saídos do 28 de Maio serviram-se dos polícias que vinham da 1ª República, porque polícias não se improvisam...

Morte de Afonso Costa, no exílio parisiense, no hotel onde residia às 0 h do dia 11 de Maio, em virtude de uma angina de peito. Pouco antes tinha sido indigitado para Grão-mestre do Grande Oriente Lusitano.

Comunistas – Pavel e Álvaro Cunhal regressam a Portugal, vindos da URSS, através de Marselha, por via marítima. Ambos passam a integrar o secretariado do PCP, tornando-se o primeiro o principal dirigente da organização (Janeiro). Já o segundo é preso pela polícia política (20 de Julho), sendo libertado onze meses mais tarde. Passa a ter más relações com a Internacional Comunista, sendo acusa de ter denunciado à polícia a tipografia onde se imprimia o jornal Avante. Luta dos aprendizes da fábrica de loiça de Sacavém, reprimida policialmente (Agosto). Greve dos salineiros de Alcochete (22 de Outubro).

Bombas AAA – Basílio Lopes Perlira lidera um grupo de acção reviralhista, não comandado pelos comunistas, com boa penetração no meio estudantil e com esporádicos atentados bombistas que se intilutla Antifascista, Antimilitarista e Antclerical.

Racismo no Exército. A Lei nº 1960, de 1 de Setembro de 1937 reserva a pertença ao Exército a portugueses, originários ou naturalizados, filhos de pais europeus e, como condição para o ingresso na Escola do Exército, impõe o ser português, solteiro, filho de pais portugueses e europeus.

Na sequência desta lei, surgem boatos sobre nova intentona (1 de Setembro). Forças policiais e Legião Portuguesa são colocadas em estado de alerta. Durante o protesto, o governador militar de Lisboa, general Domingos de Oliveiraö, chega a ir a Belém pedir a demissão de Salazar, mandando fechar os quartéis com os soldados lá dentro. Carmona diz que também se demitiria e manda-o falar com o Salazar que o convence a aderir à reforma.

Carta de Paiva Couceiro a Salazar (22 de Outubro). Salazar publica nota oficiosa sobre o líder monárquico que, em Dezembro, é deportado para Espanha (23 de Outubro).

Criada a Mocidade Portuguesa Feminina, pela Obra das Mães para a Educação Nacional, por incumbência do Ministro da Educação Nacional. Maria Guardiola é nomeada comissária nacional em 1938, aparecendo as novas filiadas pela primeira vez em 28 de Maio de 1938 (8 de Dezembro).

Remodelação – Em 13 de Dezembro: Costa Leite substitui Garcia Ramires no comércio e indústria.

Começam as emissões da Rádio Renascença, a segunda estação radiofónica católica do mundo, depois da Rádio Vaticano (Dezembro). No Natal de 1937 o cardeal Cerejeira emite uma mensagem contra o comunismo e o estatismo totalitário que desfraldando a bandeira da guerra santa ao comunismo, oprime as consciências no culto excessivo da raça ou da nação, esmagando as legítimas liberdades da pessoa humana e adorando a força.