|| Governos|| Grupos|| Eleições|| Regimes|| Anuário|| Classe Política

  Anuário de 1980

 

1980

Do segundo mandato de Eanes à morte de Sá Carneiro

Da eleição de Reagan à greve de Lech Walesa  Morte de Tito  Guerra Irão-Iraque  Morte de Sartre  Ocidentais boicotam Jogos Olímpicos de Moscovo  Novo aumento dos preços do petróleo

A tirania do status quo

g 115º Gov. Sá Carneiro

e67 (5 Out. )

ep9 (7 Dez. )

( Tradição e Revolução, vol. II)

Cosmopolis


 

Governo nº 115 I Governo da AD, de Francisco Sá Carneiro (3 de Janeiro), VII Governo Constitucional. Com a participação de Diogo Freitas do Amaral (vice-primeiro ministro e dos negócios estrangeiros).

Entre os ministros: Francisco Pinto Balsemão (adjunto do primeiro-ministro), Amaro da Costa (defesa nacional), Eurico de Melo (administração interna), Mário Raposo (justiça), Aníbal Cavaco Silvaö (finanças e plano), Vítor Pereira Crespo (educação e ciência), Eusébio Marques de Carvalho (trabalho), João António Morais Leitão (assuntos sociais), Cardoso e Cunha (agricultura e pescas), Basílio Horta (comércio e turismo), Álvaro Barreto (indústria e energia), João Lopes Porto (habitação e obras públicas) e Viana Baptista (transportes e comunicações).

Tensões no PS – Reunião da Comissão Nacional do PS, com forte tensão entre Mário Soares e um grupo constituído por Francisco Salgado Zenha, António Guterres e Jorge Sampaio e a maioria do Secretariado Nacional (20 de Janeiro).

Televisão a cores – RTP inicia a transmissão a cores (7 de Março).

Otelo funda a Força de Unidade Popular (28 de Março)

PS e presidenciais – Mário Soares, de visita ao Rio de Janeiro, a convite de Lionel Brizzola, declara, em conferência de imprensa, que não está no meu horizonte político a candidatura às próximas eleições presidenciais portuguesas.

Pouco tempo depois, o PS, através de Vítor Constâncio e Eduardo Pereira, inicia negociações com Ramalho Eanes, através do chefe da casa civil, Fernando Reino, para apoio à recandidatura do Presidente da República, desejada pela maioria dos membros do Secretariado Nacional do partido (3 de Abril).

O PS corria o risco da italianização. Conforme observa Vergílio Ferreira: o grande erro deste partido chama-se Mário Soares. Este homem ainda não teve notícia de que não vivemos na I República.

Forças Populares 25 de Abril Anunciada a formação das FP25 (20 de Abril). Em 3 de Fevereiro de 1981 lançam bomba contra o Banco do Brasil. Rebenta novo petardo com assinatura da mesma organização em Felgueiras (27 de Setembro de 1981). Assumindo inequivocamente a via terrorista, a mesma organização desencadeará uma série de assassinatos políticos, sendo vítimas do processo, tanto Cunha e Sá, gestor em Sacavém, em 6 de Outubro de 1982, como o director-geral dos serviços prisionais, Castelo Branco, em 15 de Fevereiro de 1986. Começam a ser julgadas em 3 de Outubro de 1986. Otelo, provado autor moral dos actos terroristas, acaba condenado a 15 anos de prisão em 20 de Maio de 1987, sendo, depois, agraciado com a libertação.

Soares Carneiro aceita a candidatura presidencial da AD (25 de Abril).

APU – PCP e MDP assinam acordo visando reconstituir a Aliança Povo Unido (6 de Maio).

Surge a Frente Republicana e Socialista, coligação do PS, UEDS e ASDI (10 de Junho).

Comunistas difamam Sá Carneiro – Intervenção de Francisco Sá Carneiro na RTP, no dia 15 de Agosto, ladeado pelos ministros, onde nega a dívida à banca, difundida pelo jornal comunista O Diário, desde Agosto de 1979 e que está a ser julgada pelos tribunais, depois de Sá Carneiro ter apresentado uma queixa à Polícia Judiciária. Outra forma larvar de combate a Sá Carneiro passa pela denúncia da respectiva união de facto com Snu Abecasis. Os assessores de Eanes chegam a rejeitar a presença da companheira do Primeiro-Ministro num jantar oficial, por ocasião da visita de Carter e Mário Soares chega a denunciar a circunstância publicamnete, em plena campanha eleitoral, ao mesmo tempo que o arcebispo de Braga, D. Eurico Nogueira, denuncia a evidência.

Nova Direita – Lançada a edição de Nova Direita, Nova Cultura, da autoria de Alain Bénoist, por Fernando Ribeiro de Melo, com prefácio de José Miguel Júdice e tradução de Diogo Pacheco de Amorim (14 de Setembro).

 

Eleição nº 67 Eleição da Assembleia da República (5 de Outubro). 7 179 023 eleitores. 6 026 395 votantes. AD: 44,91%, 126 deputados. PSD nas ilhas, 8 deputados (total de deputados do PSD, 90 deputados; do CDS, 46; do PPM, 6). FRS: 74 deputados, 28% (66 do PS; 4 da ASDI; 4 da UEDS). APU: 41 deputados, 16,75% (39 do PCP e 2 do MDP). UDP: 1 deputado, 1,4%.

O que derrotou a esquerda foi o seu triunfalismo precoce e a sua agressividade que instintivamente leva os indecisos a desejar a sua derrota; o estilo comicieiro e desactualizado do berro e palanfrório...(Vergílio Ferreira).

Campanha das presidenciais – Eanes anuncia recandidatura (4 de Setembro). Porque um presidente militar é o substituto do rei...um presidente é alguém que tem de estar muito acima, para que ele, povo, não esteja tão em baixo (Vergílio Ferreira). Soares decide auto-suspensão de funções no PS, por discordar do apoio a Eanes, assumido pela maioria do secretariado do partido, principalmente por Salgado Zenha (18 de Outubro). Sá Carneiro declara que votar em Eanes é, no fundo, votar nos comunistas (21 de Outubro). Repete o dito ainda em 2 de Dezembro.

Morte de Marcello Caetano no Rio de Janeiro (26 de Outubro). Numa das suas últimas cartas, refelectindo um cepticismo que até o terá tornado agnóstico, nos últimos tempos de vida, confessa a Veríssimo Serrão: estou cansado dos males e dos remédios.

Morte de Sá Carneiro e Amaro da Costa em Camarate (4 de Dezembro). O pequeno avião que largara do Aeroporto da Portela, de Lisboa, despenha-se às 20 horas, 16 minutos e 20 segundos. No mesmo também seguiam Snu Abecasis, a esposa de Amaro da Costa e o chefe de gabinete do Primeiro-Ministro, António Patrício Gouveia. Funerais de Sá Carneiro e Amaro da Costa (6 de Dezembro).

9ª Eleição presidencial (7 de Dezembro). Ramalho Eanes vence Soares Carneiro nas eleições presidenciais portuguesas (56,4% contra 40,35). Otelo, 1,5%; Galvão de Melo, 0,8%.

Demite-se o governo; Freitas do Amaral vai a Belém e declara-se indisponível para integrar novo governo (9 de Dezembro).

Soares retoma as funções de secretário-geral do PS. Declara ser completamente inoportuno um governo de coligação com o PSD (10 de Dezembro).

A ascensão de Balsemão – Eanes inicia consultas aos partidos com representação parlamentar (11 de Dezembro). Pinto Balsemão é eleito Presidente do PSD pelo Conselho Nacional. (13 de Dezembro). Eurico de Melo não é escolhido para continuar na liderança do governo, como defendem algumas sensibilidades. CDS, sem pôr reservas formais, lamenta que a decisão não tenha nascido de um consenso entre os dois partidos. Eanes nomeia Pinto Balsemão como Primeiro-Ministro (22 de Dezembro). Há uma prévia cimeira da Aliança Democrática que formaliza a escolha e opta pela via de cooperação institucional com Eanes. Balsemão declara então, sobre as relações com Belém, que nem guerra, nem trégua.