Ferreira, Jacinto  (n. 1906).

Professor catedrático da Escola de Medicina Veterinária da Universidade Técnica de Lisboa. Destacado militante da Causa Monárquica. Director do semanário O Debate. Símbolo do conservadorismo tradicionalista português, marcado pela autenticidade na defesa da tríade Deus, Pátria, Rei. Continuando a tradição miguelista de defesa da descentralização e da demofilia, de acordo com a reinterpretação integralista.  Foi deputado das listas da União Nacional, sendo bastante crítico para o regime. Chega a apresentar em plena Assembleia Nacinal uma demolidora e desassombrada crítica à Mocidade Portuguesa. Quer combater o apoliticismo, sem cair na defesa de uma constante agitação política. Teme o grande mal desta geração em que as massas foram solicitadas, quase arrastadas, a apoiar governantes ocasionais, saídos dos acasos das eleições, ou do jogo dos golpes de Estado. Neste sentido, critica o indiferentismo, a abstenção, a apatia. Subscreve a tese de Pio XI, segundo a qual a política bem entendida é uma forma de Caridade. Em Para um Verdadeiro Governo do Povo, Lisboa, 1963, cita os integralistas e a doutrina social da Igreja, bem como Cabral de Moncada e Francisco Sousa Tavares, invocando o testemunho de alguns politólogos como Georges Burdeau e Bertrand de Jouvenel.

                   

Projecto CRiPE- Centro de Estudos em Relações Internacionais, Ciência Política e Estratégia. © José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 21-04-2007