Lumiares, 4º Conde. José Manuel Inácio  da Cunha e Meneses da Gama e Vasconcelos Carneiro de Sousa Portugal e Faro (1788-1849). 

Maçon. Oficial da marinha e do exército. Participa na guerra peninsular. Brigadeiro desde 1833. Comandante do corpo de voluntários nacionais de 1832 a 1834.

Um dos principais compradores dos bens da fazenda nacional em 1835.

Presidente do conselho e ministro da marinha do primeiro governo setembrista, de 10 de Setembro a 4 de Novembro de 1836.

Grão-mestre da chamada maçonaria do sul em 1835-1836. Segundo Fronteira tinha-se feito pedreiro-livre depois de velho.

Tradição e Revolução, vol. I:

Governo nº 10 de Lumiares (55 dias, desde 10 de Setembro de 1836). Gabinete integralmente composto por maçons que assume um reformismo nomocrático e a autenticidade das reformas financeiras, tudo em nome de um mítico regime de soberania nacional. O gabinete terá sido efectivamente organizado por Sá da Bandeira que, segundo Vasco Pulido Valente assumiu a ambiguidade da Esquerda moderada: queria e não queria, era e não era, tomava o Estado com poder da rua e pretendia anulá-lo sem o destruir, para conservar o Estado.

●O presidente José Manuel Inácio da Cunha e Meneses da Gama e Vasconcelos Carneiro de Sousa Portugal e Faro (1788-1849), 4º conde de Lumiares, acumula com a guerra e a marinha. Passos Manuel (1801-1862) no reino; António Manuel Lopes Vieira de Castro (1796-1842) na justiça; Sá da Bandeira na fazenda e nos estrangeiros.

 

Ver Portal da História

                   

Projecto CRiPE- Centro de Estudos em Relações Internacionais, Ciência Política e Estratégia. © José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 22-04-2007