|| Governos || Grupos || Eleições || Regimes || Anuário || Biografias ||

  Eleições de 1861

Eleições de 1861 (22 de Abril)

4 035 330 habitantes no continente e ilhas. Eleição de 177 deputados (152 círculos uninominais no continente, 13 nas ilhas e 12 no ultramar, de acordo com a nova lei eleitoral de 23 de Dezembro de 1859). Vitória dos históricos. Oposição regeneradora elege 40 deputados. Segundo governo histórico desde 4 de Julho de 1860 até 1865, sob a presidência de Loulé que acumula a pasta do reino, onde será substituído por Anselmo Braamcamp em 21 de Fevereiro de 1862 (1749 dias).

17ª eleição geral

9ª eleição da 3ª vigência da Carta

6ª eleição da Regeneração

 

Dissolução da CD em 27 de Março de 1861, por pressão da oposição regeneradora (as cortes não estavam reunidas)

Decreto de 30 de Março de 1861 manda proceder a eleições

Legislatura de 20 de Maio de 1861 a 18 de Junho de 1864.

22 de Abril de 1861

Eleição para a Câmara dos Deputados

Vitória dos governamentais históricos

 

179 deputados

Vitória dos históricos.

Oposição regeneradora elege 40 deputados.

 

Nas eleições legislativas suplementares de Outubro de 1860, vitória dos governamentais.

· Segundo governo histórico desde 4 de Julho de 1860 até 1865, sob a presidência de Loulé que acumula a pasta do reino, onde será substituído por Anselmo Braamcamp em 21 de Fevereiro de 1862. Demissão de Braamcamp em Dezembro de 1863 e regresso de Loulé à pasta do reino.

Em 1863 surgiu a Federação Maçónica Portuguesa, uma cisão da Confederação Maçónica, encabeçada por José Elias Garcia, defendendo a criação de um novo partido político. A Confederação Maçónica Portuguesa tinha, então como grão mestre, Tomás António Lobo de Ávila. A Federação Maçónica Portuguesa desaparecerá em 1869.

Dentro da Confederação Maçónica, eis que logo em Fevereiro de 1864, Inocêncio Francisco da Silva atacou a liderança de Lobo de Ávila, defendendo o regresso de Loulé. Em Março de 1864, Loulé era eleito grão-mestre, em disputa com Lobo de Ávila. Mas Loulé não quis tomar posse e durante dois anos o cargo foi interinamente ocupado por José Joaquim de Abreu Viana. Só em Janeiro de 1866 é que foi eleito como grão mestre Mendes Leal.

Entretanto, em Maio de 1864, Lobo de Ávila constituiu a Confederação Maçónica Progressista de Portugal. Foi então acompanhado por Mendes Leal que, entretanto, abandonará o grupo. Aliás, em Abril de 1865, António César Vasconcelos Correia também recusou ser grão-mestre do grupo.

Morte de D. Pedro V em 11 de Novembro de 1861.

Tumultos do Natal de 1861.

Revolta da Maria Bernarda no Minho em Setembro de 1862.