|| Governos || Grupos || Eleições || Regimes || Anuário || Biografias ||

  Eleições de 1869

1869 (11 de Abril ) 4 309 081 habitantes no continente e ilhas. 394 377 eleitores (9,1% da população total). Decreto eleitoral de 18 de Março de 1869. Eleição de 107 deputados. 92 no continente (em vez dos anteriores 152). 8 nas ilhas. 7 no ultramar. Vitória de avilistas e reformistas. 79 deputados governamentais no continente e ilhas. 20 deputados da oposição (2 nas ilhas). 5 deputados regeneradores. Sob o Governo reformista de Sá da Bandeira, desde 22 de Julho de 1868. Alves Martins no reino (386 dias). Começa a estruturar-se o partido reformista, como forma de apoio ao governo.

Decreto eleitoral de 18 de Março de 1869 ( Sá da Bandeira/ Alves Martins)

Redução em cerca de sete dezenas dos círculos uninominais. De 156 para 92 círculos eleitorais no continente. Oito círculos eleitorais nas ilhas e 7 no ultramar. 107 deputados no total nacional (92 no continente e 8 nas ilhas).

A reforma foi feita em nome das economias. O próprio rei diminuiu em 10% a respectiva lista civil em 23 de Janeiro. Em 26 de Janeiro diminuíam as próprias remunerações dos funcionários públicos.

22ª eleição geral

13ª eleição da 3ª vigência da Carta

10ª eleição da Regeneração

 

Decreto mandando proceder a eleições em 18 de Março de 1869

Legislatura de 26 de Abril de 1869 a 20 de Janeiro de 1870

11 de Abril de 1869

Eleição da Câmara dos Deputados

Vitória dos governamentais.

Eleitores

368 237 eleitores no Continente e ilhas

Votantes

222 055 votantes no Continente e Ilhas (60,3%)

 

107 deputados (92 no continente 8 nas ilhas)

Governamentais

79 deputados governamentais (73 no continente)

Oposicionistas

20 deputados oposicionistas (18 no continente e 2 nas ilhas).

5 deputados regeneradores

Lisboa

9 governamentais e 1 oposicionista

Porto

Oito governamentais e 1 oposicionista

Governo

·Governo reformista de Sá da Bandeira, desde 22 de Julho de 1868. Alves Martins no reino.

Movimento partidário

Começa a estruturar-se o partido reformista, como forma de apoio ao governo.