Governo nº 98 de Óscar Carmona (649 dias, desde 9 de Julho de 1926). Golpe de Estado de Óscar Carmona e Sinel de Cordes. Gomes da Costa, pela manhã, ainda visita quartéis, mas este recusam-lhe obediência, recolhendo a Belém, onde uma força da Cavalaria 2 vai cercar o palácio. Constituído o governo de António Óscar Fragoso Carmona às 16 horas.

Presidência de Carmona, também na pasta da guerra. No interior, José Ribeiro Castanho. Na justiça, Manuel Rodrigues. Nas finanças, o general João José Sinel de Cordes. Na marinha, Jaime Afreixo. Nos estrangeiros, António Maria Bettencourt Rodrigues (1854-1933). Nas colónias, João Belo (1876-1928), antigo colaborador de Mouzinho de Albuquerque e Brito Camacho e parente de Afonso Lopes Vieira. Na instrução, Ricardo Jorge. No comércio, Abílio Valdez Passos e Sousa (n. 1881). Na agricultura, Alves Pedrosa. Em 16 de Novembro: Carmona assume as funções de Presidente da República, a título interino, sendo substituído na pasta da guerra pelo coronel Passos e Sousa.

Remodelação. Morte de João Belo, ministro das colónias (2 de Janeiro). Ivens Ferraz assume a pasta, que já exercia interinamente. Alfredo Augusto de Oliveira Machado e Costa é o novo ministro do comércio e comunicações (5 de Janeiro).

  Governo anterior

Governo posterior  

 

Projecto CRiPE- Centro de Estudos em Relações Internacionais, Ciência Política e Estratégia. © José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 31-03-2009