Revolta do Conde de Amarante 23 de Fevereiro de 1823

 

Em 23 de Fevereiro de 1823, por ocasião da procissão do Senhor dos Passos, revolta do conde de Amarante, Manuel da Silveira Pinto da Fonseca, em Trás-os-Montes. Dão-se gritos de viva El-rei Absoluto! Morra a Constituição! Gaspar Teixeira nomeado comandante militar dos revoltosos. Constituída junta de governo, com António da Silveira e D. José Luís de Sousa, morgado de Mateus e futuro conde de Vila Real. Pouco antes, em 28 de Janeiro, Luís XVIII anunciava no parlamento francês a invasão de Espanha pelos cem mil filhos de São Luís: para conservar no trono de Espanha um neto de Henrique IV, preservar este belo reino da sua ruína e reconciliá-lo com a Europa. O intento será conseguido em 23 de Maio, quando o duque de Angoulême repõe no trono espanhol Fernando VII. Os franceses entram em Cádis em 31 de Agosto. Em 27 de Fevereiro, as Cortes decretam a suspensão das garantias constitucionais. Em 13 de Março, Silveira derrota Pamplona em Santa Bárbara, mas comete o erro de não ocupar a cidade do Porto. Em 27 de Março, revoltosos derrotados na batalha da Ponte de Amarante pelo general Luís Rego, sogro de Rodrigo da Fonseca Magalhães. Revoltosos retiram para Espanha, com cerca de dois mil homens. Afinal, não era desta que os portugueses se reconciliavam com a Europa da Santa Aliança...