ACTIVIDADE CÍVICA



Breve
mensagem
Militância partidária
Cooperação com fundações partidárias internacionais
Organizações partidárias internacionais
Grupo de Ofir
Actividade política como estudante universitário

Intervenção cívica em geral e artigos de combate político

 

Breve mensagem

Como professor de ciência política, posso dizer que também "sujei as mãos" na militância política e político-partidária.

 

Com cerca de meio século de vida e mais de trinta com militância político-doutrinária, tive apenas cinco anos de activismo político-partidário, entre 1983 e 1988. Mas nem por isso assumo a olímpica atitude dos chamados independentes, preferindo o modelo do observador comprometido. Daí que tenha aparecido como activista do movimento Portugal Plural, que tenha sido um dos fundadores da organização cívica Intervenção Radical e que seja um dos fundadores do Partido Nova Democracia.

 

Quem tem a profissão de pensar a política só pode assumir a dimensão científica se viver a verdade de dizer o que pensa. Porque a ciência, enquanto esforço racional que visa substituir a opinião pelo conhecimento, não exlui a opinião. Antes pelo contrário, permite que pessoas com diversas e contraditórias opiniões possam comunicar através dos lugares comuns do conhecimento.

 

Ao largar a vida político-partidária, nos finais da década de oitenta, declarei-me conservador nos princípios, reformista nas metodologias e radical nos objectivos.

 

Por outras palavras, conservador do que deve-ser contra o conservadorismo situacionista, dos que pretendem conservar o que está, especialmente no plano social português, onde a inércia banco-burocrática e um burguesismo "jet set" nos continua a castizar.

 

Reformista, isto é, anti-revolucionário, e logo contra os mitos da Revolução Francesa e da sua filha dilecta, a revolução soviética, que só terminou em 1989, com a queda do Muro.

 

Radical, porque, procuro ser fiel à militância de cada um viver  como pensa sem pensar como vive, contra o maquiavelismo, o utilitarismo e o pragmatismo que nos dominam.

 

Não me repugnam, pois, os epítetos de conservador e de liberal, à maneira daquela herança contra-revolucionária que, em vez de uma revolução ao contrário, sempre quis o contrário de uma revolução, numa perspectiva mais "wigh" do que "tory", onde o tradicionalismo impõe a procura do consensualismo anti-absolutista que os neo-românticos e regeneradores procuram nos originais factores democráticos da política, com a "polis" grega, a "res publica" romana e o "regnum" medieval.

 

Quando fiz política partidária atingi as raias da frustração, porque, cedendo às razões do coração e ao apelo das convicções, sempre me enfileirei nas causas perdidas do clube dos políticos mais ou menos mortos. Sempre me fascinou o chamado "poder dos sem poder" esse supremo poder de nos colocarmos acima das materialidades do poder, desprezando as respectivas cortes, assessorias e corredores, onde proliferam os pretensos excelências que, dizendo ter lido Nicolau Maquiavel pela via dos "Chicago boys", querem ser homens de sucesso em grupos de sucesso.

 

Acresce que quando era moda ser de esquerda sempre me declarei de direita e que agora, continuando a acreditar nos mesmos valores, não sou capaz de alinhar com a direita que se vai manifestando e que é, nada mais, nada menos, a direita que convém à tribo da esquerda que, intelectualoidemente, vai abusando.

 

Apenas me apetece poder dizer como Afonso Lopes Vieira, que consegui ser político, sem deixar de ser poeta.

Dirigente Nacional do CDS

Entre 1983 e 1988 exerci actividades de militância partidária no Centro Democrático e Social, onde assumi funções de dirigente nacional, eleito em vários congressos da organização. Fui membro da Comissão Política Nacional (1983-1984), sob a presidência de Francisco Lucas Pires, e das Comissões Directiva e Permanente (1985-1987). 

 

No governo geral do partido, sob a presidência do Professor Doutor Adriano Moreira, de 1985 e 1987, fui, sucessivamente, responsável pelos pelouros da comunicação social e da cultura e formação doutrinária. Desenvolvi também funções técnicas na coordenação das campanhas eleitorais de 1983, 1985 e 1987. Veja-se a minha intervenção como militante do partido, num comício de Braga. Como resultado do trabalho doutrinário desse período, destaque para o documento Democracia Cristã para Portugal. CDS. Exigências Políticas Imediatas, emitido em 13 de Setembro de 1986, de que fui um dos coordenadores.

 

A minha relação com o CDS foi cortada logo em 1988, com o regresso de Diogo Freitas do Amaral, quando imediatamente suspendi a militância do partido. Sem nunca ter pedido a formal desfiliação, tomei diversas posições públicas de desvinculação, muito principalmente quando o grupo se transformou em Partido Popular. Tudo explicitei em cartas que, então, enviei a Manuel Monteiro

Candidato a deputado

Fui candidato a deputado à Assembleia da República pelos círculos de Beja (1985) e Braga (1987). Até cheguei a formal deputado no hemiciclo de São Bento em 1988, embora em regime de substituição do deputado eleito pelo círculo de Braga. Acontece que nunca participei em qualquer espécie de trabalho parlamentar. É que a direcção do grupo parlamentar de que fazia parte só me comunicou a feliz entrada no clube, depois do período de substituição ter expirado. Era tempo de férias...

Publicações

Das actividades de investigação relacionadas com a actividade cívica, posso destacar os seguintes trabalhos de investigação:

Nas Encruzilhadas do País Político, Lisboa, Instituto D. João de Castro, 1987 (97 p.);

A Estratégia do PCP na Reforma Agrária (1974-1976), Lisboa, Associação para o Desenvolvimento e a Cooperação Social, 1990 (133 pp.).

Cooperação com as Fundações Konrad Adenauer, Hans Seidel e Canovas del Castilo

Fui responsável pela organização de vários cursos de formação política no âmbito da cooperação entre o Instituto Democracia e Liberdade e a Fundação Konrad Adenauer.

 

Participei em vários seminários internacionais sobre campanhas eleitorais, comunicação social, política de defesa e integração europeia, promovidas pelas fundações alemãs Konrad Adenauer e Hans Seidel, bem como pela fundação espanhola Canovas del Castilo.

 

Cooperação com as Internacionais da Democracia Cristã

Participei em várias reuniões de peritos da União Europeia da Democracia Cristã e pela Federação Internacional Democrata-Cristã. Cooperei tecnicamente com o Partido Popular Espanhol.

 

Grupo de Ofir

Participei na equipa que em 1984-1985 elaborou o chamado Programa para uma Nova Década, mais conhecido como Grupo de Ofir, inspirado por Francisco Lucas Pires. Aí apresentei um projecto intitulado Elementos para uma Reflexão sobre a Reforma Administrativa.

 

Estudante universitário de Coimbra

Enquanto estudante universitário, fui activista dos grupos político-culturais que, na academia de Coimbra circulavam em torno da Oficina de Teatro da Universidade de Coimbra, de que fui presidente da direcção, em 1971-1972, e da Sociedade Cooperativa Livreira Cidadela de Coimbra, bem como do Círculo de Estudos Ultramarinos. Nesta última organização, dirigi o respectivo gabinete de estudos e fui monitor nos cursos nacionais e nas extensões dos mesmos na Guiné e Cabo Verde.

 

Recordo a influência decisiva que teve sobre mim o modelo de vida do padre João Felgueiras, então director do colégio dos jesuítas de Cernache que, no começo da década de setenta partiu em missão para Timor, onde foi pedra básica da processo de resistência. A ele devo a minha formação de escuteiro, bem como a educação em cursos de dinâmica de grupo, promovidos pelo então Instituto Superior de Psicologia Aplicada.

 

Os meus primeiros artigos políticos surgiram em 1970. O primeiro intitulava-se Para a Reforma do Homem, tendo aparecido nos Círculos de Cultura e Formação Juvenil, em Março de 1970. Seguiu-se uma série que apareceu na página juvenil do semanário O Debate. Em 12 de Março, O Mal Está na Raiz; em 19 de Março, Quando os Camarões Assobiarem; em 28 de Maio, Pigmeu sobre a Cabeça do Gigante; em 31 de Dezembro, Há Fendas nas Muralhas da Cidade

Intervenção cívica em geral

No plano da intervenção cívica, na qualidade de universitário, tive várias participações em conferências e congressos e concedi várias entrevistas a órgãos da imprensa escrita, radiofónica e televisiva. Ainda recentemente, no dia 2 de Dezembro de 1998, foi emitida uma entrevista minha ao escritor Baptista Bastos, no programa Conversas Secretas da SIC.

 

Fui comentador televisivo na RTP sobre os acontecimentos russos e da Europa do Leste, em 1991 e 1992. Tinha, pouco antes, publicado um ensaio sobre O Imperial-Comunismo.

 

Destaco também várias intervenções sobre política da regionalização, tanto no Clube dos Empresários do Norte ( em 4 de Fevereiro de 1987) como em Jornadas promovidas por alunos do ISCSP em 1990 e 1991.

 

Daí que, mais recentemente, tivesse praticado os princípios proclamados, aderindo e militando no movimento cívico Portugal Plural.

 

Participei em várias mesas-redondas sobre a questão de Timor, nomeadamente com um conferência proferida no ISCSP em Novembro de 1991, quando me incompatibilizei com alguns defensores lusitanos da causa dita maubere, quando me recusei a condenar a postura, então, assumida por João Paulo II.

 

Tive intervenção de fundo num colóquio luso-brasileiro de constitucionalistas sobre a revisão constitucional em Portugal e no Brasil e a problemática da chamada cláusula pétrea, em 25 de Novembro de 1989.

 

Fui autor de um discurso comemorativo do 10 de Junho na Sociedade Histórica da Independência de Portugal, em 1989 .

 

Pode consultar a tábua dos meus artigos de combate político.

 

Por último, queria esclarecer que meu falecido pai se chamava Adérito Campos Maltez e não capitão Maltez Soares. E que, entre as duas famílias, a relação genealógica mais conhecida remonta a Adão e Eva. Ao contrário do que têm insinuado alguns fadistas, orgulho-me de meus ascendentes e colaterais, alguns dos quais têm o sinal de prisão política dos cárceres do salazarismo...

início.bmp (3862 bytes)

Copyright © 1998 por José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados.
Página revista em: 16-01-2009.