Escritos de Intervenção Política

 Portugal Crepuscular
 Sobre o Revolucionarismo Comemorativo
 Confissões
 Da direita e da esquerda
 Crónicas de Circunstância

 

  Portugal Crepuscular

1976

 Portugal Crepuscular


Povo Livre

 

Maio de 1976

 Não ao Absolutismo

12 de Junho de 1976

1978

Entre Deus e o Diabo

O Tempo

1 de Novembro de 1978

 
Sobre o Revolucionarismo Comemorativo

1988

Sobre os magnicídios em Portugal

Brandos Costumes e Crimes Políticos
Sobre o caso Camarate, comparando-a com a nossa leva de magnicídios no século XX e com as muitas teorias justificadoras da violência: a história é uma ditadura de factos, o tempo não volta para trás e só poderemos sonhar com aquilo que temos. O que temos é um País marcado por uma espécie de cultura funerária, onde se instrumentaliza o outro mundo, stimulando-se a falsa mística dos homens insubstituíveis ... Tenhamos a humildade de viver com os mistérios.


O Século

1988

A cultura funerária do comemorativismo

 Rotinas Comemorativas do Revolucionarismo

13 de Abril de 1988

Maio de 1968

Memórias de uma Revolução Perdida

Maio de 1988

Maio de 1968 foi há Vinte Anos

13 de Maio de 1988

Guerra colonial

Memórias das Guerras em África

26 de Maio de 1988

Da Febre Comemorativa ao Jogo do Benfica

1 de Junho de 1988

25 de Abril

 

O Dolo e a Negligência

24 de Agosto de 1988

Os Acasos Cómicos
Sobre uma entrevista de Costa Gomes, onde este considera o 25 de Abril como um acaso cómico. Considera-se que num povo dado aos acasos do destino podem acontecer processos de racionalização de conquista do poder, marcados pelo maquiavélico pragmatismo 

17 de Outubro de 1988

1º de Dezembro

Esquecer o 1º de Dezembro

Vida Mundial

29 de Novembro de 1988

As Comemorações Inconvenientes

O Século

6 de Dezembro de 1988

1989

Coimbra 1969

Coimbra, Abril de 1969

19 de Abril de 1989

Maio de 1968

Em Abril, Memórias Mil
Sem o cavaquismo ninguém poderia perceber que as pós-revoluções são restaurações, onde a continuidade supera a evolução. Porque aos Invernos, mais ou menos longos, se sucedem as Primaveras e, a estas, os Verões, mais ou menos quentes, para que, com o Outono, se volte ao cair da folha... A crise que ameaça o cavaquismo tem menos a ver com elementos externos, nomeadamente com a existência de alternativas governamentais imediatas, do que com causas internas. O cavaquismo dobrou-se sobre si mesmo, passou a debater-se com os seus próprios fantasmas e corre sérios riscos de esquizofrenia. E, nestes casos, nunca a amnésia conseguiu curar

25 de Abril de 1989

Memórias de Timor

 Timor, temor, amor

18 de Outubro de 1989

 

 

Confissões

1989

Nacionalismo sem Moda

O Século

Fevereiro de 1989

Preconceito da Ordem
Estou mal com a esquerda, por ser de direita, e mal com a direita institucional que temos, por não querer servir essa mesma direita. Defesa daquilo que Fernando Pessoa quallificou como nacionalismo liberal, capaz de nacionalizar o elemento importado da economia de mercado. Porque, tal como quisemos ser a Cuba da Europa, não podemos transformar-nos no Porto Rico da CEE. Ai da direita se apenas existir para defender o que está, este Estado a que chegámos, que já foi gonçalvista, soarista e que, agora é laranja, deixando que a esquerda assuma a contestação a um sistema de que foi a principal progenitora! Garant que, se esta confusão continuar, todos os que pensam como eu estão condenados a cair numa espécie de anarquismo de direita contra p tal preconceito da ordem destinado a defender esta desordem histórica em que caímos.

22 de Março de 1989

Contra-revolucionariamente me confesso...,

20 de Julho de 1989

Portugal à Solta

 

 

Da direita e da esquerda

Entre Cavaco e Pires

Jornal de Notícias

Setembro de 1985

Direita, Centrismo e Muitos Equívocos
Considera-se que a direita ou é uma nova direita ou não será  nada em termos políticos. A direita que não teme ser de direita concebe a democracia numa perspectiva gassettiana, como uma espaço de diálogo entre adversários. Um diálogo entre posições que, por serem diversas, não podem deixar de ter Lugares-comuns. Mas a direita democrática, hoje, não precisa, para ter direitos políticos, que a esquerda antifascista lhe passe um certificado de bom comportamento democrático.

O Século

10 de Junho de 1986

Do Bloco Central aos Irmãos Inimigos
Análise das semelhanças entre o PSD de Cavaco Silva e o PS de Vítor Constâncio, quando também existe um PRD: Portugal pode entrar para o Guiness da social-democracia, que agora se estende de um José Miguel Júdice a um Manuel Alegre, passando por destacados ex-discípulos de Arnaldo de Matos, a ex-ideólogos marxistas-leninistas. Para aumentar a confusão, pelos interstícios desta irmandade ideológica, continua a circular um partido de ex-PSs e ex-PSDs que, reclamando-se da autenticidade ideológica de cada um deles, a única clarificação doutrinária que conseguiu foi a de declarar-se situado entre o PS e o PSD.

17 de Julho de 1986

Jornal de Macau

23 de Julho de 1986

O Complexo Isolacionista
Crítica a Cavaco Silva por este ter proclamado que quem não apoia o respectivo governo é arrastado pelos comunistas. O complexo isolacionista pode ser um péssimo conselheiro. Invoca-se o facto de Sá Carneiro ter criticado o poder pessoal de Ramalho Eanes, quando estes assumiam o hibridismo bonapartista. Rejeita-se a nebulosa de um cheque em branco em eventuais homens providenciais. Distingue-se a necessária estabilidade democrática da democracia fechada, sem alternativas.

O Dia

18 de Setembro de 1986

Os Pequenos Maquiavéis

28 de Agosto de 1986

Beneficiar uma Minoria

10 de Novembro de 1986

GOPs. O Velho Estilo e a Nova Gramática

A Voz do CDS

31 de Outubro de 1986

As Dúvidas do Povo de Direita

O Diabo

10 de Dezembro de 1986

A Esquerda Moderna e a Direita dos Interesses
Análise da direita disponível para integrar o situacionismo cavaquista, com destque para a direita jet-set, a tal direita dos intereses que não quer conciliar-se com a direita dos princípios e critica o facto do CDS se assumir como o partido dos pobres. Mas há um país das realidades que acredita na liberdade contra o condicionamento da criatividade, que anseia por justiça social contra os privilégios, que prefere a solidariedade ao falso igualitarismo. É esse o país da direita sociológica.

Expresso

13 de Dezembro de 1986

Da Direita por Linhas Tortas
Soares apelou para a institucionalização em Portugal dos conservadores assumidos, enquanto algumas forças europeias dos herdeiros do fascismo também apelam para um movimento português congénere. Outros falam na necessidade de um PREC hiperliberalista capaz de transformar Portugal num laboratório de mercado da concorrência perfeita. Prefere-se escrever direita por linhas direitas.

O Dia

13 de Março de 1987

 

Grandezas e Misérias do Situacionismo

O Século

Abril de 1987

Que Bipolarização?
Críticas ao PSD, por este pretender assumir-se como um Estado dentro do Estado. Considera-se que a herança de Sá Carneiro não pode admitir sucedâneos de bipolarização. Uma pentarquia onde os dois maiores partidos querem bipolarizar-se solitariamente, criando artificialmente um rotativismo que admitem poder ser de simples governos minoritários. No caso do PSD, salienta-se que ele vive em regime de heterónimos, com a ilusão de ter um pé no poder e outro na oposição

Expresso

26 de Julho de 1987

O Tempo das Vacas Gordas

O Século

21 de Outubro de 1987

Brandos Costumes e Crimes Políticos

10 Dezembro de 1987

Estar à Direita ou Ser de Direita

14 e 16 de Novembro de 1987

Centrismos

O Liberal

11 de Novembro de 1989

Esquerdismos

22 de Novembro de 1989

 

 

Intervenção Política. Crónicas de Circunstância

1970

O Mal Está na Raiz
O primeiro artigo político que publiquei, quando andava no primeiro ano da Faculdade. Procurava a verdadeira ordem, proclamando a minha fé monárquica. Sei apenas que metade do artigo foi cortado pela censura.

O Debate

12 de Março de 1970

Para a Reforma do Homem
Artigo com pretensões teóricas sobre a solidariedade e o sentido social. Bastante influenciado pelo ensino personalista de Castanheira Neves. Invoco Aristóteles, cito Kant e Teilhard de Chardin e retomo alguns dos princípios do direito justo de Stammler.

Boletim do Círculo de Cultura e Formação Juvenil

Março de 1970

Quando os Camarões Assobiarem
Ataque ao conceito sovietista de diálogo.

O Debate

19 de Março de 1970

Pigmeu sobre a Cabeça do Gigante
Inspirado em António Sardinha, Fernando Amado e Luís de Almeida Braga, com citações de Barrès, esboço uma teorização da ideia de tradição.

O Debate

28 de Maio de 1970

Há Fendas nas Muralhas da Cidade
Contra o chamado progressismo cristão, citando Leonel Franca e criticando Camilo Torres

O Debate

31 de Dezembro de 1970

1973

Mensagem da Guiné
Defesa das teses e práticas do General Spínola, num artigo escrito em pleno crepúsculo marcelista, depois de ter visitado a Guiné, onde assisti a algumas sessões do Congresso do Povo e contactei com alguns dos militares que irão ter intervenção no Movimento dos Capitães, principalmente nos que alinaharam com o frustrado movimento de 16 de Março de 1974.

Boletim do Círculo de Estudos Ultramarinos de Coimbra

1973

1978

 

Entre Deus e o Diabo
Sobre a crise psicológica do país, na senda das análises de António Quadros, na altura do primeiro governo presidencial.. Porque o absolutismo antifascista continuava tão absolutista.  quanto o anticomunismo do antigo regime. Teme-se que a democracia possa perder o sentido dos gestos. Considera-se que a crise continua a ser mero capítulo de uma espécie de guerra civil fria.

O Tempo

1 de Novembro de 1978

1985

Inverno do Nosso Descontentamento
Contra o Bloco Central, quando Rui Machete sucedeu a Mota Pinto na liderança do PSD e surgiu o PRD. Soares, em comunicação televisiva, declarava-se politicamente liberal e economicamente socialista. Reconhecia-se que se alguns sonham ainda um regresso revolucionário, mesmo que sob as saias do aprofundamento da democracia, outros pretendem fingir mudar para que tudo fique na mesma.

A Tarde

7 de Março de 1985

O Pós-Marcelismo

3 de Abril de 1985

1986

Os Pequenos Maquiavéis

O Dia

28 de Agosto de 1986

O Complexo Isolacionista

12 de Setembro de 1986

GOPs. O Velho Estilo e a Nova Gramática

A Voz do CDS

31 de Outubro de 1986

Os Manipuladores do Descontentamento

O Dia

10 de Novembro de 1986

Um País à Esquerda
Quando Cavaco Silva qualificou o PSD como o partido da esquerda moderna, demonstrando como o partido em causa é apenas attrape tout. Reconhecem-se semelhanças com o modelo de Getúlio Vargas e estabelecem-se comparações com o partido eanista.  Porque tanto o PSD como o PRD consideram que Portugal não passa de uma província sul-americanizada da Europa, onde o apelo aos instintos é mais forte que a racionalidade política.

31 de Outubro de 1986

 

Da Reforma à Modernização Administrativa ou o Estado a que Chegámos

Folha CDS

8 de Setembro de 1986

1987

Que Bipolarização?

Expresso

26 de Julho de 1987

As Setas e as Seitas

O Século

16 de Dezembro de 1987

O Ano de Ouro de Cavaco Silva

30 de Dezembro de 1987

1988

As Próximas Cenas do Espectáculo Político

6 de Janeiro de 1988

Perestroika e Cunhalismo

20 de Janeiro de 1988

A Memória Curta da Maioria Absoluta

13 de Janeiro de 1988

Os Gatos, as Lebres e as Toupeiras

3 de Fevereiro de 1988

 

Menos Governamentalização e Melhor Política

6 de Fevereiro de 1988

A Contra-Ofensiva de Cavaco Silva

10 de Fevereiro de 1988

Das Tormentas à Boa-Esperança

18 de Fevereiro de 1988

Dos 500 Milhões à Dona Branca

24 de Fevereiro de 1988

As "Guerras" Geracionais do PS
Análise da vitória de Vítor Constâncio no Congresso do PS, onde sucedeu a Mário Soares. A geração do dr. Constâncio e do engenheiro Guterres nada tem a ver com a oligarquia maçónico-jacobina que costuma comemorar o 5 de Outubro e o 31 de Janeiro nos cemitérios habituais, segundo a velha liturgia da épica republicana. ... No fundo, a esquerda portuguesa considera o cavaquismo como uma punição para o respectivo masoquismo, a pausa necessária e conveniente para o renascimento dos novos amanhãs que cantam. Talvez Constâncio seja uma simples ponte para o futuro.

2 de Março de 1988

O Dia Seguinte à Greve Geral 

24 de Março de 1988

Menos Governamentalização e Melhor Política

6 de Abril de 1988

Questiuncúlas do Tempo que Passa

20 de Abril de 1988

 

A Invasão das Melancias
Invocando-se uma cena de uma telenovela brasileira, onde uma Dona Pombinha profetizava a invasão de extra-terrestres melancias que iam vegetalizando os seres humanos. Assim também o cavaquismo, marcado por um vazio de ideias.

27 de Abril de 1988

Da Coabitação à Bipolarização
Sobre o fim da repartição do poder em França, entre o governo de Chirac e a presidência de Mitterrand, comparando-a com a portuguesa, entre Cavaco e Soares. Ao contrário do que acontece em França, entre nós, a direita democrática corre o risco de se transformar num arquipélago de pequenos grupos que, apesar de unidos pela solidariedade dos valores, se dispersam entre o apoio crítico a Cavaco Silva, a abstenção indiferentista e a natural incompatibilidade face ao discurso freitista.

18 de Maio de 1988

Este Partido que nos Governa

8 de Junho de 1988

PCP e Perestroika

6 de Julho de 1988

Direita, Esquerda e Unanimismo
O líder populista nunca pode parecer de direita nem de esquerda. Assim o cavaquismo que não é de direita nem de esquerda, porque tende a deixar de ser parte , parcela ou partido da opinião pública, para se asumir como o todo, inebriado pelo unanimismo.

29 de Junho de 1988

Em Política o que parece é

13 de Julho de 1988

Uma Volta a Portugal

19 de Julho de 1988

Alternativa de Direita

27 de Julho de 1988

 

A Guerra Gnóstica

7 de Setembro de 1988

Chiados e Vilas de Rei

14 de Setembro de 1988

Das Derrapagens Maioritaristas

21 de Setembro de 1988

Ecletismo com Lógica de Caracol

28 de Setembro de 1988

O Maniqueísmo Persistente

Setembro de 1988

Um New Deal de Campanário

5 de Outubro de 1988

Pinochet e Gorbatchov

25 de Outubro de 1988

A Direita da Esquerda

Vida Mundial

Novembro de 1988

 

A Oposição à Procura de Autor
Sobre a demissão de Constâncio como líder do PS que quis ser porta-voz de uma esquerda efectivamente moderna, com um estilo pedagógico e racional. Ele estava para o PS como Lucas Pires para o CDS e ambos foram demolidoramente criticados por Vasco Pulido Valente. As andanças da vida não permitiram que o nosso Rocard se reencontrasse com o nosso Mitterrand.

O Século

8 de Novembro de 1988

O Pai Ausente e o Filho Pródigo

10 de Novembro de 1988

Júdice, Pires e Freitas

Vida Mundial

17 de Novembro de 1988

Muita Crise, Pouca Política

O Século

Dezembro 1988

1989

A Nova Germanofilia

Janeiro de 1989

Os Animais Políticos e os Líderes de Transição

9 de Janeiro de 1989

Os Atravessadores do Deserto

18 de Janeiro de 1989

O "Homo Cavaquistanensis"

2 de Março de 1989

 

A Hipocrisia Institucionalizada
Análise de uma sondagem onde 39% dos portugueses se declararam de direita, contra 36% que preferem a esquerda, face a um país partidário que é o mais à esquerda da Europa, com uma direita político-partidária, amarrada a Cavaco Silva e a Freitas do Amaral que continua seduzida pelo situacionismo e que perdeu aquela revolta activa nascida da autonomia da sociedade civil que a marcou durante o gonçalvismo, com a liderança aristocrática de Sá Carneiro. Acresce que os líderes do poder estabelecido, apesar de não serem de esquerda, têm medo de ser de direita.

14 de Março de 1989

O Preconceito da Ordem

22 de Março de 1989

Imóveis e Pés de Barro
Sobre a existência de alguns frutos pôdres no reino laranja que marcam uma espécie de redemoinho decadentista: se o chefe do convento (onde há um freire bem pouco franciscano), em lugar de lancetar os males, quiser proteger os que não merecem protecção, tem que os proteger até às últimas consequências, isto é, tem que fazer suas as responsabilidades que não lhe cabem... a remodelação é muitíssimo mais barata.

28 de Março de 1989

A Moral, a Política e o Direito

5 de Abril de 1989

O Principal dos Cidadãos

11 de Abril de 1989

Sobre o Salazarismo e a Tolerância

1 de Maio de 1989

O Novo Partido de Direita

10 de Maio de 1989

O Regresso do Falso Sagrado

19 de Maio de 1989

 

A Nova Invencível Armada

24 de Maio de 1989

Doze Estrelas por um Voto

31 de Maio de 1989

Sporting Clube de Direita

7 de Junho de 1989

Entre Barqueiros e os Paços de Lisboa

6 de Julho de 1989

As Atracções Fatais

12 de Julho de 1989

A Tirania do Statu Quo

28 de Agosto de 1989

As Guerras do CDS

25 de Outubro de 1989

 

A Sociedade Aberta numa Estante Fechada

8 de Novembro de 1989

O Regresso da Esquizofrenia
O apelo aos fantasmas anticomunistas de 1975, numa altura em que a sociedade civil já reduziu o PCP à impotência subversiva significa apenas que Cavaco Silva prepara o terreno para o voto útil, visando, mais uma vez, transformar a direita sociológica em carne para canhão eleitoral. Numa massa inorgânica que continua a não votar naquilo em que acredita, mas contra aquilo que teme e talvez já não exista. Isto é, a política portuguesa vai continuar a viver ao ritmo da esquizofrenia

6 de Setembro de 1989

Os Autarcas do Nosso Descontentamento
Continuamos a deixar enredar a democracia nas teias de um sistema de poder que tanto corrompe como enlouquece estes portugueses políticos que temos. Sobre escândalos de autarcas, onde se vive um misto de dramalhão e de comédia, as agências de distribuição de favores e o apoio às lideranças partidárias de alguns barões autárquicos.

12 de Setembro de 1989

Mais uma vez os autarcas
O facto consumado da autonomia autárcia constitui a única revolução que a revolução proporcionou e consensualizou, talvez até pela circunstância de não ser algo que foi efectivamente planeado como prioridade pelos revolucionários de Abril

19 de Setembro de 1989

As Mulheres dos Xailes Negros

27 de Setembro de 1989

Entre a Coragem e o Vómito
Os seguidores desse polvo de desvalores que vai moluscamente asfixiando o cavaquismo, tal como, dantes, dessangrou outros situacionismos, esses elogiadores de obra-feita não passam de meros parasitas que estão sempre dispostos a devorar os despojos de guerra dos vencedores

Outubro de 1989

Monárquicos e Republicanos

Outubro de 1989

1991

Carta Aberta ao Presidente deste CDS

O Diabo

2 de Julho de 1991

1994

Nacionalismo, Europeísmo e Muitas Heresias

22 de Março de 1994

1995

Cavaco Nunca Existiu

7 de Março de 1995

Constituição e Partidocracia

A Prensa

Da Opinião Crítica à Opinião Pública

O Diabo

1996

Por uma Constituição Menos Péssima

O Diabo
número especial sobre o vigésimo aniversário da Constituição

Abril de 1996

Carta Aberta ao Senhor Deputado Alberto Martins

O Diabo

Maio de 1996

1997

O Regresso da Inquisição

Diário de Notícias

 

início.bmp (3862 bytes)

Copyright © 1998 por José Adelino Maltez. Todos os direitos reservados.
Página revista em: 16-01-2009.