|| Governos|| Grupos|| Eleições|| Regimes|| Anuário|| Classe Política

  Anuário de 1864

Caminho-de-ferro chega a Vilar Formoso e revoltas estudantis

Recenseamento da população

Micróbios, Cruz Vermelha e I Internacional

Arquivo antigo do anuário CEPP

Sá da Bandeira abandona o governo em Janeiro.

  Rolinada (Abril de 1864)

Em Maio, Lobo d’Ávila constitui a Confederação Maçónica Progressista de Portugal, uma cisão da CMP, liderada por Loulé.

Eleição nº 18 (11 de Setembro). Vitória dos históricos, com 100 deputados. 40 deputados da oposição regeneradora.

 

Remodelação – Em 16 de Janeiro: Loulé volta ao reino, substituindo Anselmo José Braamcamp (até 5 de Março de 1865); José Gerardo Ferreira Passos (1801-1870) substitui Sá da Bandeira na guerra (até 5 de Março de 1865); João Crisóstomo de Abreu e Sousa substitui Loulé nas obras públicas.

Maçonarias – Polémica na Confederação Maçónica Portuguesa, com Inocêncio Francisco da Silva a atacar a liderança de Lobo de Ávila, defendendo o regresso de Loulé ao cargo de grão-mestre (Fevereiro). No mês seguinte, o presidente do conselho é eleito grão-mestre da Confederação Maçónica Portuguesa, em disputa com Lobo de Ávila, mas não exerce o cargo, que será ocupado interinamente por Joaquim de Abreu Viana até Janeiro de 1866.

Lobo de Ávila cria a cisão da Confederação Maçónica Progressista de Portugal É acompanhado, por breves tempos, por Mendes Leal que, em Janeiro de 1866, acabará eleito Grão-mestre do grupo mãe.

Reformas e empréstimos: Governo consegue um grande empréstimo de 5 milhões de libras (Janeiro). Criada uma Direcção-Geral dos Correios e Postas (Fevereiro). São autorizadas as associações de socorros mútuos (7 de Abril). Cria-se o Banco Nacional Ultramarino (16 de Maio). Adjudicada ao marquês de Salamanca a abertura da linha do Douro para Salamanca e Medina del Campo (Setembro). Criado um corpo de engenharia civil (3 de Outubro). Aprovados os estatutos do Companhia Geral de Crédito Predial Português. Tem o privilégio de emitir obrigações prediais durante 25 anos (25 de Outubro). Reforma do ensino industrial. Criadas novas escolas para além do Instituto Industrial de Lisboa, surgido em 30 de Dezembro de 1852 (20 de Dezembro). Instituído o Conselho Geral de Estatística (28 de Dezembro). Organização do Instituto Geral de Agricultura, em lugar do Instituto Agrícola de Lisboa criado em 16 de Dezembro de 1852 (Dezembro).

Rolinada Revolta estudantil em Coimbra em Abril e Maio, contra Loulé, com o nome próprio de Nuno Rolim de Moura Barreto, então com a pasta do reino, e não, como dizem algumas cronologias de grande divulgação, contra um seu ministro. Os estudantes solicitam o perdão de acto, negado por uma portaria duríssima do governo. Manifestação no Largo da Feira é duramente reprimida. Tropas ocupam Coimbra. Num acto de protesto, cerca de quinhentos estudantes deslocam-se para o Porto, declarando não quererem regressar a Coimbra. Encerrada a universidade. Forças militares instalam-se em Coimbra. São demitidos o governador civil de Coimbra e o reitor da Universidade.  

 

Eleição nº 18 (11 de Setembro de 1864). 177 deputados. 152 círculos uninominais no continente. 13 nas ilhas. 12 no ultramar. Vitória dos históricos, com cerca de 100 deputados (82%), ficando a oposição regeneradora com 18% (32 deputados).

 

Remodelação – Em 12 de Dezembro: João Crisóstomo de Abreu e Sousa na marinha, continuando nas obras públicas. Mendes Leal pedira a demissão em plena Câmara dos Deputados.