|| Governos|| Grupos|| Eleições|| Regimes|| Anuário|| Classe Política

  Anuário de 1955

1955

Entre Marcello e Santos Costa e Conferência de Bandung

Do Pacto de Varsóvia à Conferência de Bandung Rearmamento alemão no quadro da NATO Reúne o Comité Spaak Movimento poujadista em França Morte de Teilhard de Chardin Conferência de Genebra consagra a détente

Portugal e os povos mudos do mundo

De Teilhard ao fim das ideologias

(Ver Tradição e Revolução, vol. II)

Ver Cosmopolis

Grupo de Santos Costa/ Grupo da Choupana

I Congresso da JOC de 1955/ Resistência Republicana e Socialista Partido Comunista Angolano

Prisões

Greves

Remodelação em 7 de Julho

 

violentos com alguns mortos e dezenas de feridos, com gritos de Viva a Mãe Índia. Petição portuguesa, sobre a questão de Dadrá e Nagar Aveli, dá entrada no Tribunal de Haia. Decisão em 12 de Abril de 1960 (22 de Dezembro).

Votada a entrada de Portugal na ONU (14 de Dezembro). Vai dirigir a delegação portuguesa o embaixador Vasco Garin, com uma equipa onde colaboram jovens estrelas do salazarismo como Adriano Moreira, André Gonçalves Pereira, Henrique Martins de Carvalho, José Manuel Fragoso, Luís Teixeira Pinto e o então cônsul em Londres, Franco Nogueira. Outros Estados admitidos: Albânia, Áustria, Bulgária, Ceilão, Espanha, Hungria, Irlanda, Itália, Jordânia, Laos, Líbia, Nepal e Roménia.

Questão angolana– Prisão de Agostinho Neto (9 de Fevereiro). Transferido de Caxias para o Porto em 20 de Maio seguinte. Será apenas libertado em 12 de Junho de 1957. Fundado o Partido Comunista Angolano, por influência do PCP. A figura preponderante é o padre Joaquim Rocha Pinto de Andrade. Cria bibliotecas móveis e escolas clandestinas nos bairros periféricos de Luanda e tem extensões no Catete e em Malange.

Remodelação– Em 7 de Julho: Marcello Caetano na presidência; Veiga de Macedo nas corporações; António Pinto Barbosaö na economia, tendo como subsecretários de Estado Jacinto Nunes e José Gonçalo Correia de Oliveira (n. 1921); Raúl Ventura no ultramar. Leite Pinto assume a pasta da educação. Conforme o comentário de Marcelo Rebelo de Sousa, é quase um Governo escolhido por Marcello Caetano...é o marcelismo, mitigado por alguns salazaristas. Por  outras palavras, a modernização vai chamar-se televisão e Plano de Fomento, ao ritmo da OECE e sob o impulso do chamado Grupo da Choupana, nome do restaurante do Estoril onde se reuniam os marcelistas que se assumem como direitistas e republicanos.

Turbulências internas– Assinaladas algumas greves de pescadores (Matosinhos, Afurada, Espinho, Setúbal, Portimão) e de operários têxteis no Barreiro (Maio). Em Agosto, lutas de trabalhadores rurais alentejanos contra o desemprego. Vaga de prisões levadas a cabo pela PIDE. Cerca de uma centena de detenções entre estudantes, especialmente no Porto e no Norte do país. Entre os presos, ligados ao MUD Juvenil, Ângelo Veloso, A. Borges Coelho e Pedro Ramos de Almeida (5 de Janeiro).

Oposição republicana – Morte de Norton de Matos (2 de Janeiro). Ministro do Interior indefere pedido de aprovação da Causa Republicana, apresentado por oposicionistas em Novembro de 1954 (Junho). Sessão oposicionista no Centro Escolar Republicano Dr. António José de Almeida. Segue-se jantar de confraternização no Restaurante Central da Baixa (5 de Outubro).

Henrique Galvão tenta evadir-se do Hospital de Santa Maria de Lisboa, em 4 de Novembro, agredindo o polícia que o guardava. Será julgado por esta conduta em 5 de Novembro de 1955.

Católicos. Proibida a publicação das conclusões do I Congresso da JOC, bem como as cerimónias de um jogo cénico que teria lugar depois da sessão de encerramento por interferirem no terreno concreto do mundo político ou político-económico e político-social.