Governo de António José de Ávila (1868)

1868 Janeirinha, transição avilista e experiência reformista

Governo nº 28 de António José de Ávila (201 dias, desde 1 de Janeiro). Com o apoio dos reformistas. São ministros deste gabinete António Luís de Seabra (justiça, José Dias Ferreira (1837-1909) na fazenda, o general José Maria Rodrigues de Magalhães (guerra), o general José Rodrigues Coelho do Amaral (marinha) e o major Sebastião do Canto e Castro Mascarenhas (obras públicas). Ávila, a quem não lhe falta talento nem instrução, mas falta-lhe prudência e é cheio de orgulho, tendo um carácter versátil, segundo Lavradio, ocupa as pastas do reino e dos estrangeiros. Loulé e Sá da Bandeira, convidados pelo rei, haviam recusado a chefia do governo.

O vazio – Nem uma só palavra afirmativa. “Moralidade, economias!”. Esse programa patenteava o vazio, porque nenhum partido jamais pregou a corrupção nem o desperdício. Mas praticavam-nos ambos, os regeneradores? é pois uma questão de homens, nada mais (Oliveira Martins).

Queda do governo de Ávila em Julho. A comissão de obras públicas não dá parecer favorável a um projecto de convenção com uma das companhias de caminho-de-ferro. Conselho de Estado também não se mostra concordante com a dissolução parlamentar. As forças que tinham estado na base da Janeirinha, como os penicheiros e os lunáticos, já consideram Dias Ferreira um traidor e atacam ferozmente a equipa dos avilistas. Chegam a ser convidados para formarem governo, Alves Martins e Loulé.

O oportunismo prático – Depois de 68 nada há que regenerar, ou todos regeneram de um modo igual. Depois desta época, e consumada uma tal ou qual restauração da riqueza nacional, todos aparecem convertidos ao oportunismo prático. Não há mais distinções de partidos, há apenas grupos diversos. Não há mais programas, porque há a liberdade prática bastante e toda a ideologia liberal morreu. Os bandos políticos já não têm rótulos, basta-lhes o nome dos chefes: é o deste, o daqueloutro. E uns sucedem-se aos outros, até que... (Oliveira Martins).

  Governo anterior

Governo posterior  

Governo de António José de Ávila

De 4 de Janeiro de 1868 a 22 de Julho de 1868

201 dias

Ditadura de 14 de Janeiro a 19 de Março de 1868

7º governo da Regeneração

4º governo sob o reinado de D. Luís

Promove as eleições de 22 de Março/ 12 de Abril de 1868

Presidência, reino e estrangeiros

António José de Ávila

Justiça

António Luís de Seabra

Fazenda

José Dias Ferreira

Guerra

General José Maria Rodrigues de Magalhães

Marinha

General José Rodrigues Coelho do Amaral

Obras públicas

Major Sebastião do Canto e Castro Mascarenhas

Ver arquivo antigo CEPP-Respublica

Projecto CRiPE- Centro de Estudos em Relações Internacionais, Ciência Política e Estratégia. © José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 31-03-2009