© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

1688: Guerra do Palatinado e Glorious Revolution

 

Jaime Eduardo Stuart

 

1678 1679 1680 1681 1682 1683 1684 1685 1686 1687 1688   1689 1690

 

   Século XVI Linha do Tempo Século XVIII

   Luís XIV, rei de França

Jaime II, Stuart, rei inglês (1685- 1688)

Carlos II, rei de Espanha (1665-1700)

Leopoldo I Habsburgo  (1658-1705)

Guilherme III de Orange,  Stathouder (1672-1702).
 

Guerra do Palatinado ou guerra dos Nove Anos (1688-1697). Também dita guerra da Liga de Augsburgo, produz cerca de 680 000 mortos.

O pretexto foi a vacatura do eleitorado de Colónia, com Luís XIV a tentar impor a candidatura da sogra, a duquesa de Orleães.

Áustria, Espanha, Holanda, Suécia, Sabóia e Inglaterra contra a França.

A França começa a guerra ocupando Colónia, o Palatinado e a Bélgica, a partir de Setembro de 1688.

O Brandeburgo, a Saxe e o Hanôver decidem enfrentar os franceses e defender a fronteira do Reno.

Em Novembro, a França declara guerra às Províncias Unidas; em Abril de 1689 declara guerra à Espanha.

Frederico I da Prússia torna-se Kurfürst (Eleitor) do Brandenburgo (29 de Abril).

Inglaterra: Jaime II, casado com Maria de Módena, tem um filho, Jaime Eduardo (21 de Junho)*. As esperanças de uma sucessão protestante do reino perdem-se e levam a uma reacção conjunta de puritanos e anglicanos, tories e whigs, lordes e povo comum. Os notáveis, Immortal Seven, logo pedem formalmente a Guilherme de Orange que os ajude a restabelecer a liberdade e a proteger a religião protestante. Jaime II, orgulhoso, até recusa protecção francesa (30 de Junho).  

Começa  Glorious Revolution.  Proclamação de Guilherme de Orange (10 de Outubro) que assume o título de regente do reino e, com oitocentos navios, desembarca em Torbay (15 de Novembro). Entre os seus principais apoiantes, Marlborough.

No dia 27 de Novembro já está em Londres.

Fuga de Jaime II para França (21 de Dezembro)

 

 

 

Guerra do Palatinado ou guerra dos Nove Anos (1688-1697). Também dita guerra da Liga de Augsburgo, produz cerca de 680 000 mortos. Áustria, Espanha, Holanda, Suécia, Sabóia e Inglaterra contra a França

A França começa a guerra ocupando Colónia, o Palatinado e a Bélgica, a partir de Setembro de 1688

O Brandeburgo, a Saxe e o Hanôver decidem enfrentar os franceses e defender a fronteira do RenoSYMBOL 183 \f "Symbol"Em Novembro de 1688, a França declara guerra às Províncias Unidas; em Abril de 1689 declara guerra à Espanha.

Em Maio de 1689 é assinado o Tratado de Viena entre a Áustria e as Províncias-Unidas (para manutenção das fronteiras fixadas pelo Tratado de Vestefália de 1648); a Inglaterra junta-se ao tratado de Viena em Setembro de 1689; em Junho de 1690 é a vez da Espanha; em Outubro de 1690 também adere o Piemonte-Sabóis; a resistência contra a hegemonia francesa passa a ser liderada pelo novo rei inglês, Guilherme de Orange; Luís XIV enfrenta pela primeira vez uma guerra sem aliados

Em 1690, a França alcança importantes vitórias na Flandres

Em 1689, os franceses, aliados com Jaime II, Stuart, promovem um desembarque na Irlanda, que aí tem de ser combatido por Guilherme III;

Aniquilado o poder naval francês em 1692 na batalha de La Hogue; continuam as vitórias terrestres francesas na Flandres nos anos de 1692 e 1693;  só em 1695 começam as derrotas francesas

A França invade também a Catalunha e em 1697 já conquista Barcelona 

Reinado de D. Pedro II

Reconquista de Larache pelos muçulmanos.

Quebra da moeda de metal (4 de Agosto).

Nova lei sumptuária. 
Marivaux (1688-1763).

 

Armand Jean du Plessis, Cardeal Duque Richelieu, Testament Politique, 1635-1640, apenas editado em 1688

 

Thomasius,  Introductio ad philosophiam aulicam seu lineae primae libri de prudentia cogitandi et ratiocinandi, Leipzig. 
 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009