1952

 

Fevereiro
Britânicos vendo a Europa de fora

 

 

Morte do rei Jorge VI* e início da era isabelina no Reino Unido (6 de Fevereiro)

Instituído o Conselho Nórdico entre a Dinamarca, a Islândia, a Noruega e a Suécia

Publicado projecto de Tratado sobre a CED (1 de Fevereiro)

Bundestag aprova o princípio da contribuição para a defesa da Europa, embora reclamando igualdade de direitos (8 de Fevereiro)

Assembleia Nacional francesa adopta o princípio do exército europeu (19 de Fevereiro)

Discurso de Anthony Eden nos EUA criticando a hipótese de uma federação europeia (12 de Fevereiro). Considera que a Grã-Bretanha nunca poderá aderir a uma federação europeia: trata-se de algo que nós sentimos não poder aceitar até à medula dos ossos. Se o fizéssemos, prejudicaríamos a força da nossa acção em prol da paz e da união atlântica que é a expressão dessa causa. É que a Grã-Bretanha e os seus interesses estendem-se para além do Continente europeu. O nosso pensamento vai para além dos mares. Sem isto, que é a essência da nossa vida, não seríamos mais do que alguns milhões de pessoas vivendo numa ilha da costa europeia.

Conselho do Atlântico em Lisboa – A NATO transforma-se em organismo permanente, com sede em Paris; estabelecido o limite de 500 000 homens para os efectivos da Bundeswehr (22-25 de Fevereiro). Grécia e Turquia aderem à organização.

Acção estudantil contra a NATO, por ocasião de uma reunião do Conselho da NATO no Instituto Superior Técnico (22 de Fevereiro). As manifestações estudantis, ocorridas em Lisboa invocam a paz e clamam contra as armas atómicas e o fascismo, num claro alinhamento com o pacifismo promovido pelo Bloco Soviético. São expulsos da Universidade 15 estudantes de Belas Artes. Em Junho, vários oposicionistas apresentam uma representação ao Presidente da República solicitando que Portugal abandone a NATO.

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

Ver síntese do ano

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: