© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

 

1130: Rogério II, rei da Sicília

 

 

1129 1130   1131 1132 1133 1134 1135 1136 1137 1138 1139

 

Século XI Linha do Tempo    Século XIII

  Afonso VII, rei de Leão e Castela (1126-1157)

Luís VI, rei de França (1108-1137)

Henrique I, Beauclerc, rei inglês (1100-1135)

Papa Inocêncio II (1130-1143)

Imperador Lotário III de Supplimburg (1125-1137). Rei dos Romanos desde 1133.

 

O Antipapa Anacleto II, em Palermo, eleva Rogério II, conde desde 1101, à dignidade de Rei da Sicília (1130-1154), como Rogério I, quando este tentava unfiicar as possessões normandas da Itália,  anexando Cápua (1130) e Nápoles (1140).

Em 1139, o Papa Inocêncio II confirma e  investidura. Faz em seguida guerra aos muçulmanos de África (1147-1152).

Reinado de Sverker o Velho na Suécia (1130-1150).

 

 
D. Afonso Henriques invade a Galiza. Derrotado na fronteira por Afonso VII. Tentava recuperar os condados de Toronho e Límia que estavam na posse de D. Teresa em 1116.

Expedição de Afonso VII e de Diego Gelmírez a ortugal, visando exigir a D. Afonso Henriques o abandono desses condados galegos.

Morte de D. Teresa (Novembro). Uma das filhas de D. Teresa, casada om Bermudo Peres de Trava, conde de Viseu que promove revolta na Beira Allta, esmagada por D. Afonso Henriques.

Estabelecimento Hospitalários no Condado Portucalense.

Morte de Mahdi, o almóhada, e proclamação de Abde Almumine.  
Papa Inocêncio II* (1130-1143). Eleito em 14 de Fevereiro. Institui o celibato do clero.

 

É também eleito o antipapa Anacleto II (14 de Fevereiro). Até 1138.

 

Joaquim de Flora (1130-1202)ö1202.

Forte actividade da escola de tradutores de Toledo.

Construção da abadia cisterciense de Fontenay (1130-1147).

 

Zhu Xi ou Tchu Hi (1130-1200), defensor da espiritualidade inerente à matéria. O doutrinador chinês da dinastia Song que vai concilar Confúcio e Buda. 
A ilha da Sicília foi ocupada pelos Bizantinos, até ao século IX, e pelos Árabes, até ao século XI, e pelos Normandos (em 1130, Anacleto II obteve do papa o título de rei da Sicília), passa, no século XII para os Hohenstaufen (em 1186, Constança, filha do rei da Sicília, casou com o Imperador Henrique IV, e o filho do casal, que será o Imperador Frederico II, transformou a Sicília na base dos Hohenstaufen); em 1265 chega a vez de se assumir como rei Carlos I de Anjou; em 1282 já integra o reino de Aragão, mantendo-se a casa de Anjou em Nápoles; em 1302, os angevinos reconhecem a separação da Sicília, permanecendo em Nápoles; em 1442 já a coroa de Aragão volta a reinar em Nápoles, mantendo unidas as Duas Sicílias, expressão retirada dos Bizantinos que falavam no sul da Itália como a Sicilia aquém do Estreito,  

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009