-49/-40: Pompeu contra César. Assassinato de César e segundo triunvirato

 

Marco António

 

-159/-140 -139/-120 -119/-100 -99/-90 -89/-80  -79/-70 -69/-60 -59/-50 -49/-40   -39/-30 -29/-20 -19/-0

 

  Linha do Tempo  Séculos I a V

   
Fuga e morte de Pompeu no Egipto (28 de Setembro -49).

Queimada a biblioteca de Alexandria, depois de revolta contra César (-48/-47)

Herodes, governador da Galileia (-47).

Fundação da colónia de Lyon (-43)

Chineses ocupam o Tibete (-42)

Partos ocupam a Judeia (-42)

Encontro de Marco António* com Cleópatra (-41) 
Guerra Civil. Pompeu contra César (-49/-48)

Conquista de Marselha (-49). Depois de um cerco que vai de Maio a Setembro.

Júlio César cruza o Rubicão (11 de Janeiro de -49), para marchar sobre Roma e apoderar-se da Itália. Proclama Alea jacta est! Pompeu abandona a cidade e foge para o Oriente, embarcando em Brinde. César é feito ditador por 11 dias. Em -48, cônsul.

César vence os pompeianos em Ilerda (-48). Até -45, persegue Pompeu por todo o Império. Esmaga-o em Farsália, na Macedónia (28 de Junho de -48). Cerca Alexandria.

Ataque de Quinto Cássio Longino à zona da Beira Alta, talvez em Meda, num dos últimos episódios de guerra de ocupação (-48).

Assassinado Pompeu (-48). Procurava refugiar-se no Egipto, junto de Ptolomeu XIII.

César vence a batalha de Pontus (-2 de Agosto de -47), batendo Fárnaces, filho de Mitridates. Comenta: veni, vidi, vici.

César, ditador por um ano (-47). No ano seguinte, cônsul por cinco anos e, depois, por 10 anos.

César vence os republicanos em Thapsus, a que se segue o suicídio de Catão (-46).

César na Hispania, derrota os filhos de Pompeu em Munda (17 de Março de -45). Assume-se como imperator.

Júlio César é assassinado, pela conjura dita republicana de Bruto e Cássio, no ano em que se proclama ditador perpétuo (15 de Maio de -44).  É assassinado quando o Senado se preparava para o coroar rei, à maneira oriental. Cícero terá dito: a árvore está derrubada, mas as raízes subsistem.

Aliança de Cícero e de Octávio contra António e o Senado. António domina Roma (-44).

Pacificação do território entre o Tejo e o Douro (-44). Saída de Sexto Pompeu das Hispanias e pacificação definitiva da região.

Segundo triunvirato: Octávio, António e Lépido (-43). Octávio era filho de Accia, irmã de César.

Não é uma aliança privada como no primeiro triunvirato. São eleitos pelo povo para reformarem a república em cinco anos, como treviri respublicae constituendae

Cícero é eliminado por António (-43). Ele próprio tinha dito: se quisermos ser clementes, nunca deixaremos de ter guerras civis.

Bruto e Cássio são mortos em Outubro de -42. 
Cícero, Pro Marcello (-46).

 

Cícero, Fílipicas, contra António, depois do assassinato de César (Setembro de -44 a Abril de -43). Apoia, então, Octávio, a quem Cícero confiava, como alguém capaz de restaurar a República. Mas Octávio aproxima-se de Lépido e Marco António.

Cícero é assassinado em -43. A ordem vem de Marco António, que o manda matar. As mãos e a cabeça são arrancados do resto do corpo, para exposição pública.

 

Nasce Ovídio (-43)  
 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009