© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

1371: D. Fernando casa com D. Leonor Teles

 

Carlos V

 

1368 1369 1370 1371  1372 1373 1374 1375 1376 1377 1378 1379 1380

 

Século XIII  Linha do Tempo    Século XV

Carlos V, rei de França*, conquista Poitou, Aunis e Saintonage (1371-1373).

Carlos V, le Sage, rei de França (1364-1380)

Filipe o Atrevido, duque da Borgonha (1363-1404)

 

Carlos III, o Mau, rei de Navarra (1349-1387)

 

Eduardo III, rei de Inglaterra  (1327-1377)

 

Valdemar IV, rei da Dinamarca (1340-1375)

 

Luís I, o Grande, de Anjou, rei da Hungria (1342-1382), é eleito rei da Polónia (1370-1382)

 

Murad I, sultão otomano (1359-1389)

Stephan Uros V (1355-1371). Lazar Hrebeljanović, (1371-1429)

 

Papa Gregório XI (1370-1378)

Carlos IV, do Luxemburgo (1346-1378)

Joana I, rainha de Nápoles (1343-1382)

Frederico III, o Simples (1355-1377), rei de Aragão e da Sicília.

Luís I, o Grande, de Anjou, rei da Hungria (1342-1382)

João V, Imperador do Oriente (1341-1376)

Dmitri Donskoi, grão-duque de Moscovo (1350-1389)

Robert II, rei da Escócia (1371-1390).

Carlos V, rei de França*, conquista Poitou, Aunis e Saintonage (1371-1373).

O duque de Lencastre casa-se com D. Constança, a filha mais velha do assassinado D. Pedro I de Castela.

Bulgáros passam a depender dos otomanos.

 

Sérvios derrotados pelos otomanos em Marica.

Morre o rei Stefan Uros V, sucedendo-lhe Lazar Hrebeljanović, até 1329. Acaba o sonho da Grande Sérvia, com os otomanos a pressionarem os Balcãs. 

 

 Reinado de D. Fernando I

João Afonso Telo é mandado regressar a Barcelona (Janeiro). Mas logo se lhe dá contra-ordem para ir negociar com representantes do rei de Castela e de França, bem como com o representante do papa de Avinhão.

Tratado de Alcoutim, de paz e confederação entre D. Fernando e Henrique II de Castela (22 de Março). Castela recebe, em penhor, até 31 de Maio de 1372, as praças de Olivença, Campo maior, Noudar e Moura.

D. Fernando compromete-se a casar com D. Leonor, filha do rei de Castela, Henrique II. Rompida a aliança com Aragão.

Rei casa secretamente, no Mosteiro de Leça do Bailio, com D. Leonor Teles* (Maio). Antigo marido desta passa à ofensiva militar.

Motins e levantamentos populares, sobretudo em Lisboa. Há revolta armada na capital, chefiada pelo alfaiate Fernão Vasques. Num só dia, juntaram-se  mais de três mil pessoas, entre mesteirais, besteiros e homens de pé. O rei finge contemporizar e foge de Lisboa. Há-de mandar executar os chefes da revolta, enforcando o próprio Fernão Vasques.

Há também manifestações, ditas uniões, em Santarém, Leiria, Montemor-o-Velho, Tomar e Portel. Segundo Fernão Lopes, grande desvario entre el-rei e o povo.

Cortes de Lisboa (entre Julho e Agosto). Protestos do Terceiro Estado.

Criação de mais condados, além do de Barcelos: Ourém, Viana, Viana do Alentejo, Neiva e Seia. 
 
 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009