© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

1369: Henrique II de Castela e guerra com Portugal

 

 

1358 1359 1360 1361 1362 1363 1364 1365 1366 1367 1368 1369  1370

 

  Século XIII  Linha do Tempo    Século XV

Recomeça a guerra entre a França e a Inglaterra. Falha invasão de França por João de Gand.

Primeira guerra com Henrique II de Castela, Trastâmara (1369-1370).

 

Carlos V, le Sage, rei de França (1364-1380)

 

Filipe o Atrevido, duque da Borgonha (1363-1404)

 

Carlos III, o Mau, rei de Navarra (1349-1387)

 

Eduardo III, rei de Inglaterra  (1327-1377)

 

Valdemar IV, rei da Dinamarca (1340-1375)

Constança de Castela, pretendente ao trono (1369, casa em 1371 com João de Gant, também pretendente)

Henrique II de Castela, o Bastardo (1369-1379), filho ilegítimo de Afonso XI, e irmão do precedente, a quem assassinou para se apoderar do trono

 

Murad I, sultão otomano (1359-1389)

Stephan Uros V (1355-1371).

 

Papa Urbano V (1362-1370)

Carlos IV, do Luxemburgo (1346-1378)

Joana I, rainha de Nápoles (1343-1382)

Frederico III, o Simples (1355-1377), rei de Aragão e da Sicília.

Luís I, o Grande, de Anjou, rei da Hungria (1342-1382)

Casimiro III, o Grande, rei da Polónia (1333-1370)

João V, Imperador do Oriente (1341-1376)

Dmitri Donskoi, grão-duque de Moscovo (1350-1389)

Recomeça a guerra entre a França e a Inglaterra. Falha invasão de França por João de Gand.

Henrique II, Trastamara, o Magnífico, rei de Leão e Castela (1369-1379)*.

Este bastardo de Afonso XI, decapitara, a golpe de adaga, o seu irmão D. Pedro I, o Cruel, em Montiel, com o apoio de Carlos V de França (29 de Março). Foi Duguesclin que o levou à sua tenda onde o irmão o assassinou.

 

Continuam a resistir vários lugares de Castela e da Galiza, fiéis a Pedro I, como Carmona, Cidade Rodrigo e Zamora.

Pedem apoio a D. Fernando de Portugal, prometendo elevá-lo a rei. O Príncipe Negro que também queria ser rei de Castela, entra em disputa diplomática com o nosso rei.

Casamento da herdeira da Flandres com Filipe da Borgonha.

O Imperador do Oriente João V assume-se como católico, mas não é seguido pelos seus súbditos.

Bélgica O território constitui a parte meridional dos velhos Países Baixos que, nos séculos X a XIV, ainda eram um amontoado de senhorios laicos e eclesiásticos, dos quais emergiram algumas importantes comunas, mas, a partir de 1369, quando a condessa da Flandres se consorciou com o duque da Borgonha, começa a ser unificado e a integrar-se nos domínios daquela entidade política que vai tentar assumir-se como o grão-ducado do Ocidente e como herdeira da Lotaríngia, situada entre os territórios alemães e os territórios franceses, entre o Mar do Norte e a Suiça.

 

 Reinado de D. Fernando I

Primeira guerra com Henrique II de Castela, Trastâmara (1369-1370).

Desvalorização da moeda (cerca de 42%).

Tratado de paz, por 50 anos, entre D. Fernando e o rei de Granada, Maomé V, contra  Henrique II, rei de Castela.

Tratado de liga, de Lisboa, entre D. Fernando e Pedro IV de Aragão; e de casamento  do primeiro com a Infanta Dona Leonor, filha do último. Estava, até então, prometida a D. João de Castela

D. Fernando investe contra a Galiza, com o apoio de João Fernandes de Andeiro. Frota portuguesa de Nuno Martins de Góis vai varrendo as rias galegas. Entretanto, D. Fernando regressa ao Porto.

O rei de Castela reage, larga o cerco de Zamora, e vai defender a Galiza. Entra em Portugal. Cerca Ponte de Lima e toma Braga (23 de Agosto), pilhando a cidade durante seis dias.  Ataca Guimarães (Setembro). Regressa a Castela em Outubro, pilhando Trás-os-Montes. Volta a Toro.

Rei de Granada conquista Algeciras.

D. Fernando manda uma grande frota, sob o comando do almirante Pessanha, bloquear Sevilha. Guerra acaba em Setembro de 1370, por mediação papal.

Desvalorização da moeda. 
Jan Huss (c. 1369-1415)
 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009