© José Adelino Maltez, Crónica do Pensamento Político, editada em Dili, na ilha do nascer do sol, finais de 2008

 

 

 

1548: Tomé de Sousa

 

 

1538 1539 1540 1541 1542 1543 1544 1545 1546 1547 1548   1549 1550

 

Século XV Linha do Tempo Século XVII

 

Henrique II, Valois, rei de França (1547-1559)

 

Eduardo VI, rei de Inglaterra  (1547-1553).

 

 

Carlos I de Espanha, imperador do Sacro Império (como Carlos V); rei de Aragão a partir de 1516; regente de Castela em nome da mãe entre 1516 e 1555 e rei de jure entre 1555 e 1556; unifica as duas coroas e torna-se o primeiro rei de Espanha (1555-1556)

 

Segismundo ou Zygmunt II o Augusto, Jagelão, rei da Polónia (1548-1572)

Papa Paulo III (1534-1549)

 
Nova guerra entre franceses e ingleses, sob o reinado de Eduardo VI*. Expedição francesa à Escócia. Revolta da Cornualha.

Maria da Lorena, ou Maria de Guise, regente da Escócia, faz o noivado da sua filha, a jovem rainha Maria Stuart, com o Delfim de França, o futuro Francisco II. A jovem rainha vai para a Corte de Henrique II, onde é primorosamente educada.

Voto do interim da Dieta de Augsburgo (30 de Junho). Imposto por Carlos V, visava ser um compromisso doutrinal entre protestantes e católicos, mas não tem sucesso.

Colégio da Companhia de Jesus em Messina, vai servir de modelo. Fundado ainda por Inácio de Loiola.

 

Segismundo ou Zygmunt II o Augusto, Jagelão, rei da Polónia (1548-1572). Filho de Sofia, irmã de Segismundo I. Sem descendentes.

 

 

 

 

 Reinado de D. João III

Nomeação de Pedro Nunes como cosmógrafo-mor.

Fundação do Colégio das Artes de Coimbra, com André de Gouveia  Em 1565 será entregue aos Jesuítas 

Nova bula do Papa Paulo III, Meditatio Cordis nostri, sobre o funcionamento da inquisição, de acordo com o modelo espanhol (16 de Julho). A criação do Santo Ofício é assim autorizada, depois de um longo processo, desencadeado em 1531, quando se iniciaram conversações em Roma para o estabelecimento da Inquisição em Portugal.

Tratado de paz entre D. João III e o rei de Fez. (25 de Junho)

D. Diogo, rei do Congo, tenta colocar o seu país na directa dependência do Papa. D. João III decide mandar para o Congo os jesuítas.

D. Diogo de Meneses conquista a cidade de baroche, na costa de Cambaia.

D. João de Castro, depois de reconstruir a fortaleza de Diu, regressa a Goa, sendo nomeado como 4º vice-rei da Índia.

O primeiro governador do Brasil vai ser Tomé de Sousa. O Regimento data de 17 de Dezembro de 1548, onde Tomé de Sousa é titulado na categoria de  governador  das terras do Brasil e a carta de nomeação é de 7 de Janeiro de 1549.  Com o governador chegam um ouvidor geral (o desembargador Pêro Borges), um provedor mor da Fazenda (António Cardona de Barros), um capitão mor da costa (Pêro de Góis), bem como um arquitecto (Luís Dias) e seis jesuítas, entre os quais Manuel da Nóbrega. Em 1553, sucede-lhe Duarte Costa e, a partir de 1557, Mem de Sá, jurista formado em Salamanca e desembargador do paço, a quem se deve  fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, em 1565.

Morre D. João de Castro em Goa (6 de Junho). Garcia de Sá, governador da Índia.

Henrique II de França convida D. João III para padrinho do filho que lhe nascera (Março)

Instruções para embaixada a França de Brás de Alvide, visando solucionar o corso francês (13 de Março).

S. Francisco Xavier regressa a Cochim, depois de viajar até Malaca.

Iniciam-se os trabalhos escolares no Colégio das Artes de Coimbra (21 de Fevereiro). Entre os professores, trazidos por André de Gouveia, George Buchanan e Diogo de Teive.

Morre em Junho André de Gouvia, sucedendo-lhe Diogo de Gouveia, o Moço, na direcção do Colégio das Artes.

Regimento para a criação do governo geral do Brasil que será assumido por Tomé de Sousa.

Os primeiros missionários jesuítas chegam a Ambasse, no Congo. 

Paulo III suspende o Concílio de Trento (15 de Fevereiro).

Francisco Suarez (1548-1617)ö1597.

Giodano Bruno (1548-1600)

Maurício, duque de Saxe (1547-1553)

Étienne De La Boétie, Contr'un Ou Discours De La Servitude Volontaire.

Diogo de Teive, Commentarius de rebus in India

Théodore de Bèze torna-se protestante.

Morte prematura de André de Gouveia (9 de Junho).

   

 

© Editado por José Adelino Maltez em Dili, Universidade Nacional de Timor Leste, ano de 2008

 

Última revisão:15-02-2009