1951

Da instituição da CECA à edificação da Europa

Cosmopolis

© José Adelino Maltez, História do Presente, 2006

  

Instituição da CECA – Ano da morte de Carmona e da eleição de Francisco Higino Craveiro Lopes (1894-1964), com o salazarismo a afastar a hipótese de restauração da monarquia ou da elevação de Salazar à presidência da República, enquanto a oposição não comunista promove a candidatura de um ex-ministro da Ditadura Nacional, consagrando-se o lançamento de parte dos apoiantes do 28 de Maio na oposição. Com Mário Soares a licenciar-se em Letras e com as inaugurações da barragem de Castelo de Bode (21 de Janeiro) e da ponte de Vila Franca (21 de Dezembro). Realiza-se o III Congresso da União Nacional em Coimbra (22 de Novembro) que marca o novo ritmo do situacionismo, emergindo o dinamismo de Marcello Caetano, em dialéctica com o grupo de Santos Costa. De um lado, o partido dos becas, catedraticamente conformado, do outro, a nova tropa apoiante do regime, quando o agravamento da Guerra Fria permite que o regime se adeqúe aos modelos ocidentais pela via do anticomunismo sem democracia. Se, em 13 de Outubro encerram as cerimónias do Ano Santo em Fátima, assinale-se também a morte da Rainha D. Amélia em 25 de Outubro.

A edificação da Europa – A paz mundial face aos perigos que a ameaçam, só pode ser salvaguardada por esforços criadores correspondentes, importando a edificação da Europa por meio de realizações concretas, que criem antes de mais uma solidariedade efectiva, e pelo estabelecimento de bases comuns de desenvolvimento económico e substituir as rivalidades seculares , entre povos durante muito tempo opostos por dissenções sangrentas. O que só pode ser conseguido por uma fusão de interesses essenciais e concretizado pelo estabelecimento de uma comunidade económica, os primeiros alicerces de uma comunidade mais ampla e mais profunda ... e lançar assim as bases de instituições capazes de orientar um destino doravante partilhado (Tratado de Paris de 18 de Abril, que institui a CECA)

O Homem Revoltado e a idade do social – No ano em que Hannah Arendt lança The Burden of our Time (depois intitulado Origens do Totalitarismo) e Albert Camus se destaca com L'Homme Revolté, o jesuíta Lúcio Craveiro da Silva pensa A Idade do Social e é assinado o Tratado de Paris que institui a CECA (18 de Abril), começam as negociações para a criação da CED (15 de Fevereiro) e formaliza-se a aliança ANZUS, entre norte-americanos, australianos e neo-zelandeses (1 de Setembro). Há que assinalar, contudo, outros marcos, como o regresso de Getúlio Vargas ao poder (31 de Janeiro), depois das eleições de 3 de Outubro de 1950, a reeleição de Perón, na Argentina, a nacionalização das companhias petrolíferas da Pérsia, por Mossadegh (28 de Abril) e a independência do reino federal da Líbia, sob a liderança de Idris, o emir da Cirenaica (24 de Dezembro), região que, integrando a Tripolitânia, se transformou numa colónia italiana em 1930, depois de uma decisão que, nesse sentido, é tomada pela ONU em 21-11-1949. Com o regresso de Churchill à chefia do governo britânico (01 de Novembro), depois de os trabalhistas perderem as eleições do mês anterior, sucede alguma turbulência na política geral da Europa, com o socialista belga Paul-Henri Spaak a abandonar a presidência da Assembleia Consultiva do Conselho da Europa (10 de Dezembro), a pretexto da atitude anti-europeia dos britânicos.

   
1951

Quintão Meireles contra Craveiro Lopes e regresso às províncias ultramarinas

Instituição da CECA ä Regresso de Getúlio Vargas ao poder ä Ensaio da primeira bomba de hidrogéneo ä Reeleição de Péron ä Regresso de Churchill ao poder

M Campanha eleitoral, com dois candidatos da oposição: Quintão Meireles, pelo sector não-comunista, e Ruy Luís Gomes, pelo unitarismo comunista.

1 ep 6 (Junho). Vitória de Craveiro Lopes.

µ Organização Cívica Nacional ä Centro de Estudos Africanos

¤ Lei de 11 de Junho altera a Constituição. Desaparece o Acto Colonial. Regresso à tradicional designação de províncias ultramarinas

 

 

Países fundadores da CECA

Proudhon, em 1863

Falou-se muitas vezes, entre os democratas de França, de uma confederação europeia, ou por outras palavras nos Estados Unidos da Europa. Sob esta designação, não nos parece ter sido compreendida outra coisa senão uma aliança de todos os Estados, grandes e pequenos, actualmente existentes na Europa, debaixo da presidência permanente de um Congresso. Subentende-se que cada Estado conservaria a forma de governo que lhe fosse mais conveniente. Assim, cada Estado dispondo no Congresso de um número de votos proporcional à sua população e ao seu território, os pequenos Estados , em breve, se encontrariam neste pretensa confederação, enfeudados aos grandes; acresce que se fosse possível que esta Confederação pudesse ser animada por um princípio de evolução colectiva, vê-la-íamos degenerar imediatamente, após uma conflagração interna, numa única potência, ou numa grande monarquia europeia

Spaak

A alternativa para a Europa é bem simples: ou lhe é necessário alinhar com a Grã-Bretanha e renunciar a fazer a Europa, ou tentar fazer a Europa sem a Grã-Bretanha. Pela minha parte, escolhi segunda hipótese

Robert Schuman

L'Europe se cherche. Elle sait qu'elle a en ses mains son propre avenir.

Getúlio, Péron e Mossadegh

No ano de 1951, quando é assinado o Tratado de Paris que institui a CECA (18 de Abril), começam entretanto as negociações para a instituição da CED (15 de Fevereiro) e é instituída a aliança ANZUS, entre norte-americanos, australianos e neo-zelandeses (1 de Setembro).

Há que assinalar, contudo, outros marcos, como o regresso de Getúlio Vargas ao poder (31 de Janeiro), depois das eleições de 03 de Outubro de 1950, a reeleição de Perón, na Argentina, a nacionalização das companhias petrolíferas da Pérsia, por Mossadegh (28 de Abril), a independência do reino federal da Líbia, sob a liderança de Idris, o emir da Cirenaica (24 de Dezembro), região que, integrando a Tripolitânia, se transformou numa colónia italiana em 1930, depois de uma decisão que, nesse sentido, foi decidida pela ONU em 21 de Novembro de 1949.

Com o regresso de Churchill à chefia do governo britânico (1 de Novembro), depois dos trabalhistas perderem as eleições de Outubro, dá-se alguma trubulência na política geral da Europa, com o socialista belga Paul-Henri Spaak a abandonar a presidência da Assembleia Consultiva do Conselho da Europa (10 de Dezembro), a pretexto da atitude anti-europeia dos britânicos.

The Origins of Totalitarianism

Obra de Hannah Arendt, inicialmente intitulada The Burden of our Time, constituída por três estudos separados: «Sobre o Anti-Semitismo», «O Imperialismo» e «O Sistema Totalitário». Considera que o anti-semitismo não é apenas o ódio aos judeus, que o imperialismo não é apenas a conquista e que o totalitarismo não se reduz à ditadura. O manuscrito original foi terminado em1949, começando a ser elaborado em1945.

Mensário1951

Janeiro
As guerras quentes da guerra fria

Fevereiro
Da ascensão de Nkrumah ao começo das negociações para a CED

Março
Nacionalização dos petróleos no Irão e ministro dos estrangeiros para a RFA

Abril
Tratado de Paris institui a CECA e um novo PS italiano, em tempo de Mossadegh

Maio
Tibete protectorado de Pequim e norte-americanos termonucleares

Junho
PCF com 26% e últimas condenações de Nuremberga

Julho
Regresso da Internacional Socialista e abdicação de Leopoldo III

Agosto
Fundação da FPLN argelina e governo de Pleven

Setembro
Criação do ANZUS e problemas de nacionalização do petróleo no Irão e no México

Outubro
Churchill volta a vencer eleições

Novembro
Tumultos anti-franceses em Casablanca

Dezembro
Spaak contra o anti-europeísmo dos britânicos

 

França

Alguns problemas do colaboracionismo são resolvidos, com a morte de Pétain (23 de Julho), no presídio da ilha de Yeu, e a abdicação de Leopoldo III da Bélgica (17 de Julho), mas surgem novas questões, com a formação de FPLN na Argélia (5 de Agosto) e os tumultos de Marrocos (1 de Novembro), fomentados pelo partido Istiqlal (Independência).

Instala-se, em 19 de Fevereiro de 1951, o quartel general da NATO.

Surge um novo governo presidido por Henri Queuille (8 de Março), a que se sucede o gabinete de René Pleven (13 de Agosto), com a oposição de comunistas e gaullistas.

Nas eleições legislativas tinha-se dado o crescimento dos comunistas, gaullistas e socialistas, com redução do apoio ao MRP e aos radicais (17 de Junho).

Em Espanha, Franco constitui o seu quarto governo (18 de Julho), onde sobressaía a entrada de Luís Carrero Blanco, para a subsecretaria da presidência, e do católico Joaquín Ruiz Giménez para a pasta da educação, governo que vai levar a cabo tanto a Concordata como os pactos com os norte-americanos, que permitiram a entrada da Espanha na ONU em1955.

Em 13 de Março de 1951, há violentos distúrbios estudantis e operários em Barcelona, que o regime considera manobra dos comunistas. Seguem-se uma greve geral na Biscaia e na Guipozcso (23 de Abril), com cerca de 2 000 detenções, e em Pamplona (10 de Maio).

No Reino Unido, depois do governo trabalhista ter iniciado o processo de nacionalização da indústria siderúrgica (15 de Fevereiro), dá-se o regresso a um governo conservador, que vai paralisar o processo (14 de Maio de 1953).

Depois de o governo do Irão nacionalizar a indústria petrolífera, surgem imediatos protestos britânicos e a consequente decisão anglo-americana sobre o boicote à venda de petróleo iraniano.

Irão

Depois do assassinato o primeiro-ministro general Razmara (7 de Março), por extremistas islâmicos, toma posse um novo presidido por Mohammed Mossadegh, chefe da Frente Nacionalista (28 de Abril) que, depois de obter autorização do parlamento (Majlis), logo nacionaliza a Anglo-Iranian Oil Company (2 de Maio).

O chefe do governo, doutor em ciências políticas e jurídicas pela Sorbonne e Neuchâtel, tinha desempenhado vários cargos políticos até 1925, quando entrou em ruptura com o imperador, mas voltou à política em 1944, como deputado, tornando-se líder do nacionalismo iraniano.

Na Jordânia, o rei Abdullah foi assassinado, quando rezava numa mesquita. Talal, que formalmente lhe sucedeu, foi considerado doente, acabando deposto no ano seguinte, sucedendo-lhe o filho Hussein. Segundo alguns observadores, a doença de Talal era proporcional às atitudes anti-britânicas que sempre manifestara.

Na União Sul-Africana, entidade criada em 1910, pela junção de colónias britânicas e de Estados boéres, cresce o modelo de apartheid, com o estabelecimento do Group Areas Act, com separação de áreas

Nos Estados Unidos, quando começam as emissões regulares de televisão a cores (24 de Dezembro), Julius e Ethel Rosenberg são condenados à morte, sob a acusação de terem cedido segredos nucleares aos soviéticos (Março). Serão executados em 19 de Junho de 1953.

No ano em que se inaugura a primeira central nuclear (Fevereiro) faz-se também um ensaio da primeira bomba termonuclear, a bomba de hidrogéneo, num atol da Micronésia (12 de Maio , naquilo que era então a maior explosão provocada pelo homem, dado ser cem vezes mais potente que as bombas lançadas sobre o Japão em1945.

A República Federal da Alemanha começa a ganhar autonomia, passando a dispor de um ministro dos estrangeiros (6 de Março), pasta assumida pelo próprio chanceler Adenauer, é admitida no Conselho da Europa (2 de Maio) e na UNESCO (21 de Junho) e vê 36 países da ONU anunciarem formalmente o fim do estado de guerra (9 de Julho).

No México, termina o processo de nacionalização das indústrias petrolíferas, começado em 1938 (05-09-1951).

Na Guatemala toma posse o presidente da república coronel Jacobo Arbenz (15 de Março), eleito em Novembro, com o apoio do Partido de Acção Revolucionária (comunista), a Frente Popular Libertadora (socialista) e a Renovação Liberal (nacionalista liberal).

Continua a política do presidente eleito em1945, Arévalo, de quem foi ministro da guerra, em oposição frontal aos interesses da United Fruit

No Panamá, caiu o presidente Arnulfo Arias, deposto pelo parlamento, que estava no poder desde 1949

O general Trujillo volta a assumir a presidência da República Dominicana (01-10-1951).

Na Bolívia, um golpe militar (7 de Maio) impede a tomada de posse do presidente eleito, Victor Paz Estensosoro do Movimento Nacional Revolucionário, eleito no dia anterior.

Contava com o apoio do Partido Comunista Boliviano e do Partido Obrero Revolucionário. O presidente eleito, que fora fascista, passou a ser apoiado pela esquerda, num processo semelhante ao peronismo argentino.

No Brasil, Getúlio Vargas, eleito em Outubro de 1950, toma posse (31 de Janeiro), cinco anos depois de ter sido derrubado.

Na Argentina dá-se a reeleição de Perón em 11-11-1951. Nesta nova fase da presidência, é obrigado a tomar medidas de austeridade e a conciliar-se com o capital estrangeiro, sendo obrigado a instaurar o estado de sítio, de 1952 a1955.

O Uruguai volta a ser regido pelo sistema do colegiado (31 de Julho), que já experimentara entre 1919 e 1933, baseado no modelo suíço, repartindo-se o poder entre o Partido Colorado e o Partido Blanco.

 

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 29-04-2009