1954
 

Julho
Paz na Indochina e procura do entendimento na Tunísia

 


 

Acordo de paz de Genebra sobre o Vietname é assinado (20 de Julho). Paris compromete-se a retirar da Indochina, criando-se os Estados do Cambodja, do Laos (instituído em 29 de Dezembro de 1955) e dois Estados no Vietname, separados pelo paralelo 17º.

Os Estados Unidos passam a apoiar o governo de Saigão, liderado por Ngo Dinh Diem. Norte-americanos e sul-vietnamitas não assinam os acordos de Genebra.

Mendès-France visita Tunis, tendo ao lado o general Juin*, um francês norte-africano, onde promete conceder autonomia interna à Tunísia, como primeira etapa para a independência, conforme as reivindicações de Bourguiba e do Neo-Destour, depois de em 31 de Dezembro de 1951 Paris ter apontado para o regime da co-soberania (31 de Julho). Depois de se ter obtido a aprovação da Assembleia Nacional e de negociações, vai ser assinada uma convenção geral sobre a autonomia, em 3 de Junho de 1955. Segue-se nova etapa de negociações, visando a independência, atingindo-se novo acordo em 15 de Junho de 1956.

Heusse reeleito presidente da RFA (17 de Julho)

Amintore Fanfani eleito secretário-geral da democracia-cristã italiana (17 de Julho)

Remodelação– Em 7 de Julho: Marcello Caetano como ministro da presidência; Veiga de Macedo nas corporações; António Pinto Barbosa na economia, tendo como subsecretários de Estado Jacinto Nunes e José Gonçalo Correia de Oliveira (n. 1921); Raúl Ventura no ultramar. Leite Pinto assume a pasta da educação.

Conforme o comentário de Marcelo Rebelo de Sousa, é quase um Governo escolhido por Marcello Caetano...é o marcelismo, mitigado por alguns salazaristas. Por outras palavras, a modernização vai chamar-se televisão e Plano de Fomento, ao ritmo da OECE e sob o impulso do chamado Grupo da Choupana, nome do restaurante do Estoril onde se reuniam os marcelistas que se assumem como direitistas e republicanos.

 

 

 

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

Ver síntese do ano

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: