1974
 

Dezembro
A sétima e última cimeira europeia

 

 

Referendo grego não aprova o regresso à monarquia (8 de Dezembro)

Chipre: Makarios* regressa do exílio (7 de Dezembro)

Resolução da ONU aprova Carta dos Direitos e Deveres Económicos dos Estados (12 de Dezembro)

Regime militar na Etiópia adopta um programa de partido único e do controlo da economia pelo Estado (20 de Dezembro)

Aprovada por referendo a independência das Comores (20 de Dezembro)

Sétima e última Cimeira Europeia, em Paris; instituído o Conselho Europeu, participado pelos chefes dos executivos e não apenas pelos ministros dos estrangeiros, a reunir, pelo menos, três vezes por ano; decidida a eleição do Parlamento Europeu por sufrágio universal directo; lançamento do FEDER (9 de Dezembro)

Parlamento europeu vota pela primeira vez um orçamento comunitário (12 de Dezembro)

UDP – Fundação da UDP (16 de Dezembro).

PS – Congresso do PS (dias 13 e 14 de Dezembro), na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa. Mário Soares é eleito secretário-geral, mas na votação para a comissão nacional, a lista dos históricos apenas obtém mais 94 votos que a de Manuel Serra, que consegue 44%. Em Novembro, Mário Soares visita a Líbia, tendo recebido, segundo Rui Mateus, importante subsídio para o PS do coronel Kadhafi, em nome da libertação dos povos.

O punho erguido – Rejeita-se a social-democracia e em vez de uma rosa adoçar um punho, o partido assume como símbolo o agressivo punho erguido, proposto por Manuel Serra. Chega mesmo a provar-se uma tese intitulada Uma Política Internacional ao Serviço da Paz, onde se propõe a dissolução da NATO e do Pacto de Varsóvia, o desenvolvimento das relações com os países de Leste e o apoio às forças progressistas do Terceiro Mundo. Com Mário Soares sempre em viagens, o partido acabou por ser fortemente influenciado pelo responsável pela Segurança e Propaganda, Manuel Serra, apoiado por Aires Rodrigues e Fernando Oneto (n. 1929), com o soarista Manuel Tito de Morais a assegurar o funcionamento corrente da sede do partido, no edifício do Largo do Rato, onde antes funcionara a Comissão de Censura. Soares estava completamente mobilizado pela recolha de fundos no estrangeiro e os partidos socialistas e sociais-democratas da Europa temiam que o grupo pudesse transformar-se num mero satélite do PCP. Contudo, no discurso final, Soares declara não haver vencedores nem vencidos, mas apenas socialistas e camaradas. No Congresso há várias delegações estrangeiras, sendo especialmente saudada a do PCE, liderada por Santiago Carrillo, sendo recebida com frieza, a do PSOE, liderada por Felipe González.

A luta pelo progressismo – Como o PPD inclinou à esquerda, o PS inclinou também para descolar. O resultado foi colar ao PCP. A luta pelo "progressismo", esse provincianismo de se ser mais papista que o papa... (Virgílio Ferreira).

Congresso do MES: grupo de Jorge Sampaio abandona o partido, mantendo-se nele Ferro Rodrigues, Afonso de Barros e Manuel Braga da Cruz (22 de Dezembro).

São Tomé – Acordo de Argel entre Portugal e o MLSTP (26 de Novembro)

Propaganda do MFA – Começam as campanhas de dinamização cultural do MFA. Sessão em Alcobaça (5 de Dezembro). Ramiro Correia em entrevista ao Expresso revela os objectivos das campanhas de dinamização cultural. A campanha assenta no preconceito de uma imagem de reaccionarismo popular que os chefes militares se vêem na obrigação de apagar afirmando que "o Povo não é reaccionário ...é que a democracia, sendo uma prática quotidiana, não poderia ser "ensinada" ao longo de uma simples estadia de um destacamento militar (7 de Dezembro).

Prisão de vários capitalistas acusados de graves crimes de sabotagem económica, lesivos dos interesses do povo português (Jorge de Brito, do BIP, Agostinho da Silva, José da Silva e Sarmento Rodrigues, do BIP e da Torralta). Mandatos de captura contra João Luís de Almeida Garrett e Francisco Brás de Oliveira. Outros detidos são Eduardo Matos Castro Paiva Correia (BIP), João Maria da Silva Delgado (BIP e Torralta), António Manuel de Sousa Vieira (BIP) e Augusto Pinto Barbosa Cruz (BIP) (13 de Dezembro).

MFA quer aceleração revolucionária – Conferência de imprensa da comissão coordenadora do programa do MFA (31 de Dezembro). Presentes Vasco Lourenço, Franco Charais, Almada Contreiras, Judas, Pereira Pinto e Pinto Soares. Defesa da legalidade revolucionária e da aceleração do processo de democratização.

Capitalismo é igual a fascismo – Na sua cega correria para a meta das nacionalizações, o PCP funde na mesma imagem execrável capitalismo e fascismo. Apanhados pela hórrida designação, os capitalistas são sentenciados ao ódio das massas da mesma forma que os repolhos e a própria lua o serão quando for conveniente à demagógica usurpação da semântica chamar-lhes fascista (Natália Correia).

 

 

 

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

Ver síntese do ano

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: