1950

Integralistas na oposição e Sarmento Rodrigues nas colónias

 

Cosmopolis

© José Adelino Maltez, História do Presente, 2006

 

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

 

A procura da cultura portuguesa em tempos de Távola Redonda

No ano em que morrem Alfredo Pimenta, Alfredo Ernesto Sá Cardoso e António Maria da Silva, quando o recenseamento nos dá 8 441 312 habitantes e 13 489 estudantes universitários (contra cerca de nove mil dez anos antes; há 5,4% de mulheres), o Sport Lisboa e Benfica vence a Taça Latina em futebol (18 de Junho), António Ferro sai do SNI, realiza-se o I Congresso dos Homens Católicos e Joaquim de Carvalho teoriza A Problemática da Saudade. Também o jovem Mário Soares preocupa-se com As Ideias Políticas e Sociais de Teófilo Braga, enquanto Jorge Dias procura os Elementos Fundamentais da Cultura Portuguesa e o sindicalista Alexandre Vieira lança Em Volta da Minha Profissão, onde lista subsídios para a história do movimento operário. Surge a revista de poesia Tavola Redonda, dirigida por David Mourão-Ferreira, onde colabora António Manuel Couto Viana, que dura até1954. Destaque também para Vasco Taborda Ferreira, com A Nacionalidade, e para o começo da publicação dos quatro volumes de Império Ultramarino Português, da autoria de Henrique Galvão e Carlos Selvagem (pseudónimo de Carlos Tavares Afonso dos Santos), até 1953. Merece especial referência ao deputado Jacinto Ferreira, monárquico, que, sob a forma de pedido de informação, faz uma importante denúncia da Mocidade Portuguesa, considerando que a mesma deveria deixar de ser obrigatória, como o era desde 1947.

 

Contra o ministério das corporações – Em 23 de Março, Marcello Caetano profere no Centro Universitário da Mocidade Portuguesa uma conferência sobre a Posição Actual do Corporativismo Português, a que assiste o intelectual oposicionista António Sérgio. Aí considera que num regime corporativo não há lugar para o ministério das corporações que seria quase o mesmo que um regime liberal com um ministério da liberdade.

O ministério das corporações e previdência social será instituído em 1 de Agosto, assumindo a titularidade do mesmo José Soares da Fonseca. Até então, apenas existiam subsecretários de estado, como Pedro Teotónio Pereira (1933-1936), Manuel Rebelo de Andrade (1936-1940), Joaquim Trigo de Negreiros (1940-1944), António Júlio de Castro Fernandes (1944-1948), António Jorge Martins da Mota Veiga (1948-1950).

 

Comunistas e unitários antifascistas. Depois de preso em Março de 1949, o dirigente comunista Militão Ribeiro morre na Penitenciária de Lisboa, após fazer uma greve da fome (2 de Janeiro). Neste mês, morrem, também, na cadeia, outros presos políticos, militantes comunistas, como José Martins e José Moreira. Iniciado o julgamento de Álvaro Cunhal no Tribunal Plenário (3 de Maio). Morto em Alpiarça o comunista Alfredo Dias Lima quando organiza uma greve (4 de Junho). Realiza-se uma jornada contra o imperialismo norte-americano (19 de Março). Volta a ser presa, em 19 de Junho, a comissão central do MND.

 

Surge uma Comissão Nacional para a Defesa da Paz (30 de Setembro). Movimento de intelectuais, satélite do PCP, numa estrutura dita Movimento Nacional Democrático pela Paz. Da Comissão fazem parte António José Saraiva, Maria Lamas e Manuel Valadares. Promovem abaixo-assinados e estão na base da falhada manifestação de 11 de Novembro para comemoração do fim da Segunda Guerra Mundial. À noite, sessão solene no Centro Republicano António José de Almeida interrompida pela PIDE. Soares virá a ser expulso do PCP com Ramos da Costa, Jorge Borges de Macedoö e Augusto Sá da Costa. Organizada uma sessão de homenagem a Bento de Jesus Caraça na Sociedade de Instrução e Beneficência José Estêvão (25 de Junho). Entre os intervenientes, Mário Soares que havia sido amnistiado em 13 de Junho. Cerca de uma centena de presos políticos detidos em Peniche iniciam uma greve da fome.

Se jovens intelectuais como António José Saraiva e Jorge Borges de Macedo são atraídos pelo rigor metodológico da ideologia marxista, já outros, em começos de formação, se entusiasmam pela nebulosa trabalhista. Salazar há-de considerar, a propósito da Guerra da Coreia, que há um erro fundamental em certos intelectuais quando consideram o comunismo como um partido político, um partido como qualquer outro.

Greve dos tanoeiros em Lisboa (Novembro).

Remodelação – Em 2 de Agosto: Costa Leite, ministro da presidência; Santos Costa sucede a Salazar na defesa (até 14 de Agosto de 1958); Trigo de Negreiros, no interior; Artur Águedo de Oliveiraö (n. 1894) nas finanças; Paulo Cunha nos estrangeiros; Sarmento Rodrigues nas colónias; Ulisses Aguiar Cortês (n. 1900) na economia, com Jorge Jardim como subsecretário de Estado; José Soares da Fonseca nas corporações. Recuo da ala marcelista e crescimento do grupo de Santos Costa. Entre os ministros considerados ligados a Marcelo, Trigo de Negreiros, Paulo Cunha e Sarmento Rodrigues.

Novos ministérios – Pelo Decreto nº 37909, de 1 de Agosto de 1950, criam-se, na Presidência do Conselho, os lugares de Ministro da Presidência e de Ministro da Defesa, surgindo também um Ministério das Corporações e da Previdência Social, além de se mudar a designação do Ministério da Guerra para Ministério do Exército. No novo ministério da defesa, integram-se o Secretariado-Geral da Defesa Nacional e o Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), bem como um subsecretário de Estado da Aeronáutica, cargo que, entretanto, ainda não é preenchido. Surge também um Conselho Superior da Defesa Nacional.

 

Em Dezembro, I Congresso dos Homens Católicos, com organização do Padre Abel Varzim. Intervenção de um congressista leva o ministro da justiça a abandonar o congresso. Várias pressões do governo impedem que algumas intervenções programadas se concretizem.

Estruturas associativas de estudantes universitários tomam posição pública de protesto face à proibição governamental das jornadas da Semana Universitária e do Congresso Nacional de Estudantes.

 

perversão da doutrina (8 de Abril).

Consagra-se uma clara oposição monárquica ao regime, desencadeada, aliás, logo no dia 2 de Junho de 1926, quando alguns oficiais do 28 de Maio queriam restaurar a Carta Constitucional e estabelecer uma Junta de Regência. O processo passa também pelo desterro de Paiva Couceiro e de Hipólito Raposo. Abolidas as leis da proscrição do ramo miguelista dos Braganças, estabelecidas em 19 de Dezembro de 1834. D. Duarte Nuno pode regressar a Portugal (21 de Abril).

Posse da X comissão executiva da União Nacional, presidida por Augusto Cancela de Abreu, com António Pedro Pinto Mesquita, Tito Castelo Branco Arantes, José Manuel da Costa e Henrique Tenreiro (19 de Setembro).

Criado em Dezembro de 1950 o Directório Democrato-Social, estrutura que se mantém até1974, passando a Acção Democrato-Social em1963. Começa por reunir Mário de Azevedo Gomes, Jaime Cortesão e António Sérgio, os barbas. Entra depois Mário Soares, em1956, em nome da Resistência Republicana e Socialista. O grupo faz, sobretudo, exposições ao Presidente da República, naquilo que Humberto Delgado há-de chamar a pequena guerra dos papéis. Outros fundadores são Acácio Gouveia, Artur Cunha Leal, Carlos Sá Cardoso, Carlos Pereira, comandante Moreira de Campos, Nuno Rodrigues dos Santos e Raul Rego (1913-1999).

& Cardoso, Sá (1973): 165; Cruz, Manuel Braga da (1998): 98; Cruz, Pompílio da: 58; Melo, Gonçalo de Sampaio e Melo (1984): 27; Nogueira, Franco (IV): 190, 202; Sousa, Marcelo Rebelo de (1999): 53, 54.

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: 31-03-2009