1976

A comunidade internacional em mudança
Da eleição de Carter ao governo espanhol de Adolfo Suárez

Cosmopolis

© José Adelino Maltez, História do Presente, 2006

 
A nova Constituição, eleição de Eanes e governo do PS

Da eleição de Carter ao governo espanhol de Adolfo Suárez ä Golpe militar na Argentina ä Governo de Barre em França ä Derrota dos sociais-democratas na Suécia ä Morte de André Malraux

Dos aparelhos ideológicos à miragem da justiça social1 e65 (25 de Abril)

1 ep8 (25 de Junho)¤ G110 M. Soares


 

Governo de Suárez em Espanha

Derrota dos sociais-democratas na Suécia

Morte de Malraux

União dos dois Vietnames

· Morte de Chu En-lai

· James Callaghan na chefia do governo britânico

· Golpe militar na Argentina derruba Isabel Péron

· Acordo sobre a eleição por sufrágio universal do Parlamento Europeu

· Revolta no Soweto

· Raymond Barre Primeiro-Ministro francês

· V Conferência dos Não Alinhados

· Acordo EUA/URSS proíbe guerra meteorológica

· Morte de Mao Zedong

· Jimmy Carter eleito Presidente dos EUA

 

No ano de 1976, quando se comemora o bicentenário da independência norte-americana e se vive um tempo de comunidade internacional em mudança (Moreira), há três novos governos na Europa: o de Raymond Barre, em França (25 de Agosto), que durará até1981, o de Adolfo Suárez, em Espanha, e o de Mário Soares, em Portugal, tal como na Grã-Bretanha James Callaghan sucede a Wilson (16 de Março). Entretanto, os sociais-democratas perdem as eleições na Suécia (19 de Setembro), continuam a vencê-las na República Federal da Alemanha (1 de Outubro), o antigo governador da Geórgia, James Earl Carter (1924) é eleito presidente norte-americano (2 de Novembro) e dá-se um golpe militar na Argentina (24-03-1976). Já na China morrem Chu En -lai (8 de Janeiro) e Mao Tse Tung (9 de Setembro), acabando por dominar o poder Deng Xiao Ping (6 de Outubro). Refira-se que a derrota dos sociais-democratas de Olof Palme na Suécia, já tinha sido antecedida pelas eleições de 1973, onde o bloco dito burgês empatou em mandatos, com a coligação de sociais-democratas e comunistas, estabelecida desde 1970. No plano da integração europeia, de uma Europa saboteée (Écotais), entre le déperissement et l’empire (Thorn), quando o Conselho Europeu declara Jean Monnet cidadão honorário da Europa (28 de Abril), depois da apresentação pública do relatório de Leo Tindemans sobre a União Europeia (7 de Janeiro), o presidente da Comissão, François-Xavier Ortolli, rejeita a ideia de Europa a duas velocidades aí preconizada (8 de Janeiro), pelo que o Conselho Europeu de Haia acaba por não adoptá-lo (30 de Novembro), ficando-se por uma vaga declaração de intenções sobre a união europeia. É, entretanto, criado o Partido Popular Europeu (28 de Abril), que se assume como a Federação dos Partidos Democratas-Cristãos da Comunidade Europeia, enquanto o Conselho Europeu de Bruxelas (12 a 13 de Julho) chega a acordo sobre o processo de eleição por sufrágio universal do Parlamento Europeu.

Dos aparelhos ideológicos à miragem da justiça social

Em França, morre André Malraux (Novembro), enquanto Louis Althusser, em Positions teoriza, na senda de Gramsci (1891-1937), os aparelhos ideológicos, Pierre Legendre publica Jouir du Pouvoir e o comunista Henri Lefebvre (1905-1991) teoriza De l’État (1976-1977). Herman Kahn faz futurologia sobre The Year 2000 e Friedrich Hayek, publica The Mirage of Social Justice, o segundo volume de Law, Legislation and Liberty, base teórica do que virá a ser o segundo grande fôlego do neoliberalismo, insurgindo-se contra as Mirages of Social Justice. No ano em que também morrem Martin Heidegger e Mao Tsetung, Emmanuel Todd reflecte sobre a URSS em La Chute Finale, Raymond Aron lança Penser la Guerre, Clausewitz, e Jurgen Habermas, o novo líder da Escola de Francoforte, analaisa Zur Rekonstruktion des Historischen Materialismus, enquanto Erich Fromm lança To have and to Be. Lucien Rebatet emerge com Les Mémoires d’un Fasciste, Julien Freund interroga-se sobre Elites, quoi Faire?, enquanto Chaim Perelman se afirma com Logique Juridique, Nouvelle Réthorique. Harold Wilensky fotografa New Corporativism, Centralization and the Welfare State. Em Portugal, Entre o hoje e o amanhã (Quadros), quando José Miguel Júdice lança Do Voluntarismo na Revolução Portuguesa, e Manuel Lucena, para além de publicar um Ensaio sobre a Origem do Estado, edita os dois volumes de exílio sobre A Evolução do Sistema Corporativo Português. Luís de Sá, ainda marcado pela nebulosa cunhalista, lança uma Introdução à Teoria do Estado e Aníbal Cavaco Silva atinge densidade teórica com Política orçamental e Estabilização Económica.

Europa sabotada

No plano da integração europeia, de uma Europa saboteée (Écotais,1976), entre le déperissement et l’empire (Thorn, 1976), quando o Conselho Europeu declara Jean Monnet cidadão honorário da Europa (28 de Abril de 1976), depois da apresentação pública do relatório de Leo Tindemans sobre a União Europeia (7 de Janeiro de 1976), o presidente da Comissão, François-Xavier Ortolli, rejeita a ideia de Europa a duas velocidades aí preconizada (8 de Janeiro de 1976)

O Conselho Europeu de Haia acaba por não adoptá-lo (30 de Novembro de 1976), ficando-se por uma vaga declaração de intenções sobre a união europeia. É, entretanto, criado o Partido Popular Europeu (28 de Abril de 1976), que se assume como a Federação dos Partidos Democratas-Cristãos da Comunidade Europeia, enquanto o Conselho Europeu de Bruxelas (12 a 13 de Julho de 1976) chega a acordo sobre o processo de eleição por sufrágio universal do Parlamento Europeu.

Terrorismo e pacifismo

Numa altura em que o espectro do terrorismo e as tentações pacifistas assolam a Europa.

A Rote Armee Fraktion, as Brigate Rosse, o IRA, a ETA, as FP25.

O rapto de Aldo Moro (1916-1978) entre Março e Maio de 1978. O atentado terrorista neofascista na estação de Bolonha, em 22 de Agosto de 1980. Assassinato pela Mafia do General Della Chiesa, em Setembro de 1982,

Em Julho de 1982 recomeçam os atentados da ETA em Espanha

Em Outubro de 1979 começam as vagas pacifistas na República Federal da Alemanha. Redobram de vigor em Outubro de 1981 e atingem o seu clímax em1983

No ano anterior subira ao poder na URSS Brejnev

As vitórias de Reagan e o SDI

O novo estilo dos comunistas. Em Itália o PCI apoia parlamentarmente um governo democrata-cristão

O alargamento para o Sul

As decisões sobre o alargamento e as questões económico-monetárias. O Conselho de Breme, em Julho de 1978, vê surgir o ECU, que entra em vigor em 1 de Janeiro de 1981, e aprova as linhas gerais do SME. O Conselho de Paris, de Março de 1979 faz entrar em vigor o SME, resolvida que foi a questão dos montantes compensatórios.

Contudo os britânicos, face à subida ao poder de Thatcher insistiam na redução da respectiva contribuição. Aprovada em 30 de Maio de 1979

A mundialização e o Tokyo Round que iniciado em Setembro de 1973, se concluiu em Novembro de 1979

Jean Monnet que foi declarado cidadão honorário da Europa, em 2 de Abril de 1976, faleciais em 16 de Março de 1979.

A democracia e os direitos do homem como conditio sine qua non

 

Norte de África

Na Argélia, Boumedienne faz aprovar por referendo uma nova Constituição (19 de Novembro de 1976), onde, em nome da democracia socialista, se mantém a FLN como partido único e se estabelece o Islão como religião de Estado.

África

Em África, em Dezembro de 1976, o regime militar da República Centro-Africana desde Dezembro de 1965, sob a liderança de Jean-Bédel Bokassa, que se assumiu como presidente vitalício em1972, instaura um napoleónico Império Centro-Africano, que apenas será derrubado em 20 de Setembro de 1979, para se voltar a novo regime militar em1981 que só termina em1993.

Já na África do do Sul, o primeiro dos bantustões, o Transkei, acede a uma fictícia independência (26 de Outubro de 1976), depois da revolta do Soweto, de Junho de 1976, onde há cerca de seis centenas de mortos.

No Burundi, há um golpe de Estado (1 de Novembro de 1976) que leva ao poder o coronel Bagaza, afastando Micombero, no poder desde 1966.

 

 

 

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: