1957
 

Maio
Britânicos termonucleares, Spaak na NATO e cai Guy Mollet em Paris

 

 

O socialista Adolf Scaerf eleito presidente da república na Áustria (5 de Maio)

Golpe de Estado na Colômbia (10 de Maio)

Conferência dos reis do Iraque, Arábia Saudita e Jordânia. Decidem levantar embargo ao petróleo e lutar contra os movimentos revolucionários (12 a 14 de Maio)

Eleições na Dinamarca; subida dos agrários e dos liberais e queda do governo social-democrata; será constituído novo governo de coligação entre sociais-democratas e radicais (14 de Maio)

Reino Unido: explosão da primeira bomba H britânica (15 de Maio)

 


Paul-Henri Spaak nomeado secretário-geral da NATO (16 de Maio).

Queda go governo Segni em Itália, com a demissão dos ministros sociais-democratas (6 de Maio). Novo governo italiano, só com democratas-cristão, sob a presidência de Adone Zoli* (20 de Maio)

Queda do governo Guy Mollet em França; sucede-lhe em 5 de Junho o governo Borgès-Maunory (21 de Maio)

Memorando dos seis ao GATT sobre o Tratado de Roma (29 de Maio)

Comunistas – Greves dos salineiros de Alcochete, dos pescadores de Matosinhos e dos mineiros do Pejão. O PCP lança uma campanha pelo salário mínimo de 100$00 por dia. Manifestações do Dia do Trabalhador (1 de Maio). Depois do XX Congresso do PCUS em Fevereiro, o PCP adere à chamada coexistência pacífica, aprovando uma solução pacifica para o problema português, naquilo que será, depois, qualificado como um desvio de direita. Júlio Fogaça e Pedro Soares, em carta ao Comité Central, propõem que o partido trabalhe dentro dos sindicatos nacionais e opte pela via eleitoral. O Avante tem então uma tiragem de 5 000 exemplares, devendo o partido contar com cerca de 2 500 militantes (Dezembro).

 

Janeiro Fevereiro Março
Abril Maio Junho
Julho Agosto Setembro
Outubro Novembro Dezembro

Ver síntese do ano

 

©  José Adelino Maltez, História do Presente (2006)

© José Adelino Maltez. Cópias autorizadas, desde que indicada a origem. Última revisão em: